A morte de Deus: a gramática em questão

Robione Antonio Landim

Resumo


No fragmento 346 do livro A gaia ciência, Nietzsche recusa a caracterização de si mesmo enquanto ateu. Por que Nietzsche recusa a classificação de ateísta? Estaria no sangue ser teísta, religioso? O caminho que esse trabalho seguirá para discutir essa temática passa pela compreensão da morte de Deus enquanto crítica a todo tipo de fundamento último. Ademais, ainda se destacará a relação presente entre a noção de Deus-fundamento e a linguagem. Desse modo, o presente artigo orbitará em torno do seguinte problema: em que medida a morte de Deus coloca em questão a crença na gramática?


Palavras-chave


Nietzsche. Morte de Deus. Ateísmo. Linguagem.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Landim Antonio Landim

Esta é uma revista de acesso aberto. Isto significa que todo o conteúdo está disponível de maneira livre e gratuita para o usuário (a) ou para sua instituição. Aos usuários (as) é permitido ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, fazer buscas e usar o link para os textos completos de artigos ou usá-lo para qualquer outra finalidade legal, sem ter que pedir permissão para editores ou autores. 

Licença Creative Commons
Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva Filosófica está indexada atualmente pelo DIADORIM, pelo Sumário.org, pelo Google Scholar, pela REDIB e pelo LATINDEX.