Experimentos mentais como argumentos: objeções à abordagem de Norton

Tiegue Rodrigues, Roberto Nitsche

Resumo


Entende-se que os experimentos mentais são dispositivos da imaginação que podem nos fornecer crenças que constituem conhecimento. John D. Norton apresentou uma abordagem que se tornou influente para explicar como os experimentos mentais científicos podem produzir novos conhecimentos sobre o mundo. Ele afirma que não há nada distintivo nos experimentos mentais, uma vez que sustenta que eles funcionam exatamente como argumentos. Neste artigo, contestamos sua abordagem. Examinamos aspectos essenciais de sua abordagem, que envolvem as noções de “argumento” e “inferência” para mostrar que um sujeito que chega a saber algo através da execução ou condução de um experimento mental dificilmente será considerado como tendo efetivamente executado um argumento ou um processo de raciocínio inferencial.


Palavras-chave


Norton; Experimentos Mentais; Conhecimento; Justificação; Argumentos; Inferência

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Tiegue Rodrigues, Roberto Nitsche

Esta é uma revista de acesso aberto. Isto significa que todo o conteúdo está disponível de maneira livre e gratuita para o usuário (a) ou para sua instituição. Aos usuários (as) é permitido ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, fazer buscas e usar o link para os textos completos de artigos ou usá-lo para qualquer outra finalidade legal, sem ter que pedir permissão para editores ou autores. 

Licença Creative Commons
Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva Filosófica está indexada atualmente pelo DIADORIM, pelo Sumário.org, pelo Google Scholar, pela REDIB e pelo LATINDEX.