A Relação entre Logos e Anti-Intelectualismo na Filosofia Cínica

Brenner Brunetto Oliveira Silveira, Rafael Rodrigues Pereira

Resumo


O presente artigo tem como proposta analisar uma problemática que envolve a filosofia cínica, pois sabemos que o cinismo, segundo nos conta Diógenes Laércio, foi uma escola filosófica que tinha como base essencial a prática da ética, isto é, eles eram anti-intelectualistas e, consequentemente, negligenciaram os chamados “estudos acadêmicos”. No entanto, temos relatos de que vários cínicos foram bons oradores e/ou escritores, ou seja, há aqui, aparentemente, um paradoxo envolvendo os cães, pois ao mesmo tempo em que eles, supostamente, negligenciaram tais estudos eles o fizeram brilhantemente. Deste modo, nosso trabalho pretende investigar a função do logos na filosofia cínica. O logos, aqui em questão, é entendido em três formas de representação, a saber: como razão, escrita e fala.


Palavras-chave


Cinismo. Logos. Anti-intelectualismo. Razão. Escrita. Fala.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Brenner Brunetto Oliveira Silveira, Rafael Rodrigues Pereira