A Relação entre Logos e Anti-Intelectualismo na Filosofia Cínica

Brenner Brunetto Oliveira Silveira, Rafael Rodrigues Pereira

Resumo


O presente artigo tem como proposta analisar uma problemática que envolve a filosofia cínica, pois sabemos que o cinismo, segundo nos conta Diógenes Laércio, foi uma escola filosófica que tinha como base essencial a prática da ética, isto é, eles eram anti-intelectualistas e, consequentemente, negligenciaram os chamados “estudos acadêmicos”. No entanto, temos relatos de que vários cínicos foram bons oradores e/ou escritores, ou seja, há aqui, aparentemente, um paradoxo envolvendo os cães, pois ao mesmo tempo em que eles, supostamente, negligenciaram tais estudos eles o fizeram brilhantemente. Deste modo, nosso trabalho pretende investigar a função do logos na filosofia cínica. O logos, aqui em questão, é entendido em três formas de representação, a saber: como razão, escrita e fala.


Palavras-chave


Cinismo. Logos. Anti-intelectualismo. Razão. Escrita. Fala.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Brenner Brunetto Oliveira Silveira, Rafael Rodrigues Pereira

Esta é uma revista de acesso aberto. Isto significa que todo o conteúdo está disponível de maneira livre e gratuita para o usuário (a) ou para sua instituição. Aos usuários (as) é permitido ler, fazer download, copiar, distribuir, imprimir, fazer buscas e usar o link para os textos completos de artigos ou usá-lo para qualquer outra finalidade legal, sem ter que pedir permissão para editores ou autores. 

Licença Creative Commons
Esta revista está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Perspectiva Filosófica está indexada atualmente pelo DIADORIM, pelo Sumário.org, pelo Google Scholar, pela REDIB e pelo LATINDEX.