Integração do Increased Coherence Model de Galliers à Modelagem Evans-Araújo do Jogo de Dar e Pedir Razões de Robert Brandom

Ralph Leal Heck

Resumo


O objetivo deste artigo é reavaliar uma formalização do jogo de dar e pedir razões de Brandom (1998) proposta por mim em (HECK, 2018), que a divide em duas instâncias: uma individual de performances potencialmente públicas e outra efetivamente histórico-pública; e propor correções à primeira das duas instâncias. Nomeadamente, substituindo a formalização em banco de dados e operações estáticas, elaborada por Araújo (2018), pela expressão formal de uma atividade cognitiva e comunicativa dinâmica dada por Galliers (1992) chamada de ICM (increased coherence model) a partir do paradigma AGM (1988). Para realizar isto, inicio apresentando o pensamento de Brandom e sua concepção de jogo de dar e pedir razões, com suas dinâmicas subjacentes, em seguida apresento uma formalização que combina a instância pública de Evans (2018) com a instância pessoal de Araújo. A partir daí, elenco algumas críticas, com especial foco no caráter injustificado e estático das operações sobre os estados doxásticos do modelo de Araújo. Por fim, apresento a modelagem de Galliers como solução para estas críticas, concluindo que esta incursão de revisão de modelagens adiciona elementos pragmáticos às operações sobre crenças, embora, apenas o início das revisões necessárias para fornecer uma expressão lógica satisfatória da atividade dinâmica e inconsistente que é o jogo de dar e pedir razões.


Palavras-chave


Revisão de Crença. Paradigma AGM. Robert Brandom. In-creased Coherence Model. Jogo de Dar e Pedir Razões. Raciocínio Não-Monotônico.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Ralph Leal Heck