Da Margem se Vê Melhor? O Autoritarismo no Brasil Segundo a Oposição de Esquerda nos Anos 1930

Josnei Di Carlo

Resumo


A Oposição de Esquerda, dissidência do Partido Comunista do Brasil (PCB), formada em 1929, ao produzir documentos sobre o processo político iniciado em 1930, acabou por analisar a formação e a constituição do autoritarismo responsável pela modernização conservadora que se seguiu. Teoricamente, a análise desses documentos contribui para a compreensão da base constitutiva do pensamento político autoritário brasileiro porque a marginalidade dos oposicionistas os levou a ter uma visão privilegiada do processo político em curso. Ao escreverem “Esboço de Análise da Situação Brasileira”, Mário Pedrosa e Lívio Xavier partiram da formação social brasileira para entender a Revolução de 1930 como uma cisão no bloco de poder ocasionada pelo desenvolvimento do capitalismo. Com isso, compreenderam a importância do Estado para a reprodução da burguesia e para a expansão do capitalismo no Brasil. Com a análise desse ensaio em conjunto com outros documentos oposicionistas produzidos até 1935, acompanhamos o crescente autoritarismo que culminou no Estado Novo e apresentamos um painel da base estruturante do pensamento político autoritário brasileiro que o sustentou.


Palavras-chave


autoritarismo; Revolução de 1930; Estado Novo; marxismo; Oposição de Esquerda

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMO, Fúlvio. (1984), Frente Única Antifascista 1934-1984. Cadernos CEMAP, ano I, nº 1, out.

ABRAMO, Fúlvio; KAREPOVS, Dainis (orgs.). (1987), Na Contracorrente da História: documentos da Liga Comunista Internacionalista (1930-1933). São Paulo: Editora Brasiliense.

ADONIS. (2012), Poemas. São Paulo: Companhia das Letras.

BERTONHA, João Fábio. (1998), Sob o Signo do Fascio: o fascismo, os imigrantes italianos e o Brasil, 1922-1943. Tese (Doutorado em História) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

BRANDÃO, Octávio. (2006 [1926]), Agrarismo e Industrialismo: ensaio marxista-leninista sobre a revolta de São Paulo e a guerra das classes no Brasil. 2ª ed. São Paulo: Anita Garibaldi.

CASTRO, Ricardo Figueiredo de. (1995), "As Esquerdas e o Processo Constituinte Brasileiro de 1933-34". História Social, Campinas, vol. 1, nº 2: 55-88.

COGGIOLA, Osvaldo. (2003), "O Trotskismo no Brasil (1928-64)". In: A. C. MAZZEO; M. I. LAGOA (orgs.), Corações Vermelhos: os comunistas brasileiros no século XX. São Paulo: Cortez: 239-269.

DEL ROIO, Marcos. (1990), A Classe Operária na Revolução Burguesa: a política de alianças do PCB (1928-1935). Belo Horizonte: Oficina do Livro, 1990.

DEMIER, Felipe Abranches. (2008), Do Movimento Operário para a Universidade: Leon Trotsky e os estudos sobre o populismo brasileiro. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro.

DEUTSCHER, Tamara. (1988), "Trotskismo". In: T. BOTTOMORE, Dicionário do Pensamento Marxista. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor: 394-395.

DULLES, John W. Foster. (1977), Anarquistas e Comunistas no Brasil (1930-1935). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1977.

FAUSTO, Boris. (2001), O pensamento nacionalista autoritário. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

______. (2006), História do Brasil. 12ª ed. São Paulo: EDUSP, 2006.

FERREIRA, Pedro Roberto. (1999), O Conceito de Revolução da Esquerda Brasileira: 1920-1946. Londrina: UEL.

______. (2005), "O Brasil dos Trotskistas (1930-1960)". Cadernos AEL, Campinas, vol. 12, nº 22/23: 11-58.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileia, 2004.

KAREPOVS, Dainis; MARQUES NETO, José Castilho; LÖWY, Michael. (1995), “Trotsky e o Brasil”. In: J. Q. de Moraes (org.), História do Marxismo no Brasil. Vol. II: os influxos teóricos. Campinas: UNICAMP: 223-246.

LOBO, Aristides. (1987 [1931]), “A Situação Brasileira e o Trabalho para o seu Esclarecimento”. In: F. Abramo; D. Karepovs (orgs.), Na Contracorrente da História: documentos da Liga Comunista Internacionalista (1930-1933). São Paulo: Editora Brasiliense: 83-94.

MAFFEI, Eduardo. (1984), A Batalha da Praça da Sé. Rio de Janeiro: Philobilion.

MARQUES NETO, José Castilho. (1993), Solidão Revolucionária: Mário Pedrosa e as origens do trotskismo no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

MARQUES NETO, José Castilho; KAREPOVS, Dainis. (2007), "O Trotskismo e os Trotskistas: os anos 1920 e 1930". In: J. Ferreira; D. A. Reis (orgs.), A Formação das Tradições (1889-1945). São Paulo: Civilização Brasileira: 379-406.

MARTINS, José de Souza. (2013), A Sociologia como Aventura: memórias. São Paulo: Contexto.

MAZZEO, Antonio Carlos. (2003), "O Partido Comunista na Raiz da Teoria da Via Colonial do Desenvolvimento do Capitalismo". In: A. C. Mazzeo; M. I. Lagoa (orgs.), Corações Vermelhos: os comunistas brasileiros no século XX. São Paulo: Cortez: 153-170.

PEDROSA, Mário. (1973[1933a]), "A Luta Contra a Guerra Imperialista". In: E. Carone. A Segunda República. São Paulo: Difusão Europeia do Livro: 391-394.

______. (1933b), "Prefácio". In: L. Trotsky. Revolução e Contrarrevolução na Alemanha. São Paulo: Unitas: 7-14.

______. (1933c), "O que Representa para a Política Internacional a Subida de Hitler ao Poder". Correio de S. Paulo, ano I, nº 202: 1-2, 04 fev. (FBN)

PEDROSA, Mário; XAVIER, Lívio. (1931), "Esboço de Análise da Situação Brasileira". A Luta de Classe, Rio de Janeiro, ano II, nº 6: 3-4, fev.-mar. (CEDEM/UNESP)

______. (1987 [1931]), "Esboço de uma Análise da Situação Econômica e Social do Brasil". In: F. Abramo; D. Karepovs (orgs.). (1987), Na Contracorrente da História: documentos da Liga Comunista Internacionalista (1930-1933). São Paulo: Editora Brasiliense: 66-82.

PRADO JÚNIOR, Caio. (2012 [1933]), Evolução Política do Brasil e Outros Estudos. São Paulo: Companhia das Letras.

REIS, José Carlos. (2007), "Caio Prado Jr. Versus PCB: a revolução brasileira (1966)". In: J. Ferreira; D. A. Reis (orgs.), Nacionalismo e Reformismo Radical (1945-1964). São Paulo: Civilização Brasileira: 173-194.

SECCO, Lincoln. (2008), Caio Prado Júnior: o sentido da revolução. São Paulo: Boitempo.

SILVA, Ângelo José da. (2002), Comunistas e Trotskistas: a crítica operária à Revolução de 1930. Curitiba: Moinho do Vento.

TRINDADE, Hélgio. (1974), Integralismo: o fascismo brasileiro na década de 30. São Paulo: Difusão Europeia do Livro; Porto Alegre: UFRGS.

TROTSKY, Leon. (1933), Revolução e Contrarrevolução na Alemanha. São Paulo: Unitas.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Josnei Di Carlo

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4