A Revolução Conservadora no Brasil. Nacionalismo, Autoritarismo e Fascismo no pensamento político brasileiro dos anos 30.

Paulo Henrique Paschoeto Cassimiro

Resumo


O presente artigo tem como objetivo discutir a presença e o uso do conceito de fascismo no pensamento político brasileiro. Buscando as articulações entre concepções de nacionalismo e de formas autoritárias de Estado, buscaremos compreender, a partir da discussão com a bibliografia estabelecida sobre as formas de autoritarismo no Brasil, as distinções entre aquilo que Wanderley Guilherme dos Santos chama de “autoritarismo instrumental” e as características do “autoritarismo mobilizante” de tipo fascista. Nesse sentido, cabe explorar autores que recepcionaram o fascismo no Brasil dos anos 30, tais como Octávio de Faria, Plinio Salgado e Miguel Reale, para perceber como se articulam a recepção das ideias e dos conceitos constituintes da experiência intelectual fascista na Europa e o diagnóstico de um modelo autoritário de tipo fascista para o nacionalismo brasileiro.

 


Palavras-chave


fascismo; autoritarismo; nacionalismo; integralismo; liberalismo.

Texto completo:

PDF

Referências


Fontes

ALMEIDA, Martins de (1932). O Brasil Errado. Rio de Janeiro: Schmidt editor.

BENZAQUEN de Araújo, Ricardo (1987). Totalitarismo e Revolução. O Integralismo de Plínio Salgado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar editor.

BERDIAEFF, Nicoláu (1936). Uma Nova Idade Média. Rio de Janeiro: José Olympio.

CARONE, Edgard (1978). A Segunda República (1930-1937). Rio de Janeiro: Difel.

FARIA, Octávio de (1937). Cristo e Cesar. Rio de Janeiro: José Olympio.

_________(1933). Destino do Socialismo. Rio de Janeiro: Ariel Editora.

_________(1933). Machiavel e o Brasil. 2ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira..

_________(1932) . “O Nacionalismo no Brasil”. Revista Política. Vol. 2.

FIGUEIREDO, Jackson de (1922). A Reação do Bom Senso. Contra o Demagogismo e a anarchia Militar. Rio de Janeiro: Annuario do Brasil.

GAUCHET, Marcel (2007). La Crise du Libéralisme (1880-1914). Paris: Gallimard.

LAMOUNIER, Bolivar. (1982). Comentários. In: A Revolução de 30: Seminário internacional. Brasília, Ed. UNB.

___________(2006). Formação de um pensamento político autoritário na Primeira República: uma interpretação. In: Boris Fausto (org.). História Geral da Civilização Brasileira. Tomo III: O Brasil Republicano. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

LYNCH, Christian E. C (2013a). Por que pensamento e não teoria?: a imaginação político-social brasileira e o fantasma da condição periférica (1880-1970). Dados (Rio de Janeiro. Impresso), v. 56, p. 727-767, 2013a.

____________(2013b). A institucionalização da área de pensamento político brasileiro no âmbito das ciências sociais: a pesquisa de Wanderley Guilherme dos Santos revistada (1963-1978). In: Otávio Soares Dulci. (Org.). Leituras críticas sobre Wanderley Guilherme dos Santos. 1ed. Belo Horizonte: UFMG/Perseu Abramo, p. 11-63.

__________(2015). Teoria pós-colonial e pensamento brasileiro na obra de Guerreiro Ramos: o pensamento sociológico (1953-1955). Cadernos do CRH, Salvador, v. 28, n. 73, p. 27-45, Apr.

OLIVEIRA, Lúcia Lippi(1982). As Raízes da Ordem: os intelectuais, a cultura e o Estado. In: A Revolução de 30: Seminário internacional. Brasília, Ed. UNB.

_________(1983). O Romance e o Pensamento Político nos anos 30. In: PORTELA, Eduardo (org.). O Romance de 30 no Nordeste. Fortaleza: PROED.

MATA, Sérgio (2016). “Tentativas de desmitologia: a revolução conservadora em Raízes do Brasil” Revista Brasileira de História. São Paulo.

RAMOS, Alberto Guerreiro (1982). A Inteligência brasileira da década de 1930 à luz da perspectiva de 1980. In: A Revolução de 30: Seminário internacional. Brasília, Ed. UNB.

____________(1960). O Problema Nacional do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Saga.

REALE, Miguel (1983). Obras Políticas: Primeira Fase (1931-1937). Brasília: Ed. UNB.

____________ (1934). O Estado Moderno. Liberalismo. Fascismo. Integralismo. Rio de Janeiro: José Olympio.

RICUPERO, Bernardo (2004). O Romantismo e a idéia de Nação no Brasil (1830-1870). São Paulo: Martins Fontes.

SADEK, Maria Tereza Aina (1978). Machiavel, Machiavéis: A Tragédia Octaviana. São Paulo: Símbolo.

SALGADO, Plinio (1937). A Doutrina do Sigma. Rio de Janeiro: Schmidt Editor, 1937.

______________(1935). Despertemos a Nação. Rio de Janeiro: José Olimpio, 1935.

_______________(1933). Psicologia da Revolução. Rio de Janeiro: Civilização brasileira.

SANTA ROSA, Virginio (1932). A Desordem. Ensaio de Interpretação do Momento. Rio de Janeiro: Schmidt Editor.

SANTOS, Wanderley Guilherme (1967). “A Imaginação Político-Social Brasileira”. DADOS – Revista de Ciências Sociais, nos 2/3, pp. 182-193.

____________ (1978). Ordem Burguesa e Liberalismo Político. Rio de Janeiro, Duas Cidades.

____________ (1996). “Preliminares de uma Controvérsia Metodológica”. Revista Civilização Brasileira, nos 5-6, pp. 77-94.

_____________(1970) . “Raízes da Imaginação Política Brasileira”. DADOS – Revista de Ciências Sociais, no 7, pp. 137-161.

SODRÉ, Alcindo (1932). A Gênese da Desordem. Rio de Janeiro: Schmidt Editor.

SPENGLER, Oswald (1982). A Decadência do Ocidente. Rio de Janeiro: Zahar Editores.

STERNHELL, Zeev (1978). La Droite Révolutionnaire. Les Origines françaises du fascisme (1885-1914). Paris: Seuil.

TRINDADE, Hélgio. A Ideologia Integralista nos anos 30: Problemas metodológico e histórico. In: A Revolução de 30: Seminário internacional. Brasília, Ed. UNB, 1982.

____________. A Tentação Fascista no Brasil. Imaginário de dirigentes e militantes integralistas. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2016.

____________. Integralismo. O Fascismo Brasileiro na década de 30. Rio de Janeiro: Difel, 1979.

____________. “Integralismo. Teoria e Práxis política nos anos 30”. In: FAUSTO, Boris (Dir.). História Geral da Civilização Brasileira. Tomo III. O Brasil Republicano. Volume 10. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Paulo Henrique Paschoeto Cassimiro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4