Presidencialismo de Coalizão em Tempos de Crise Institucional: Relação Executivo-Legislativo nos Governos Dilma (2015-2016) e Temer (2016- 2018)

Valter Rodrigues de Carvalho, João Paulo Saraiva Leão Viana, Márcio Cunha Carlogmano

Resumo


O artigo conclui que a incapacidade da liderança de Dilma Rousseff em gerenciar sua coalizão de governo se deve a uma conjuntura de crise econômica e fiscal, polarização ideológica, manifestação de ruas, fragmentação partidária e uma estratégia equivocada da presidente na condução da gestão da coalizão. A ascensão de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) a presidência da Câmara dos Deputados imprimiu ao Legislativo um caráter “proativo” e “independente”. Porém, embora a fragmentação partidária e a variável Cunha tenham pesado para a derrocada do governo Dilma, não explicam tudo. A estratégia presidencial na formação e gerenciamento de coalizão é uma variável importante. Prova disso é a retomada dos poderes de agenda da presidência Temer. Seu sucesso se deve à formação de uma coalizão mínima, não heterogênea ideologicamente e com uma alta taxa de coalescência.

Palavras-chave


presidencialismo de coalizão; Legislativo; poder de agenda.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 João Paulo Saraiva Leão Viana, Valter Rodrigues de Carvalho, Márcio Cunha Carlogmano

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

I S S N   0 1 0 4  –  7 0 9 4