Dinâmica da Cobertura Florestal da Terra Indígena do Guarita, RS, Brasil (Dynamics of the forest cover of Guarita indigenous land, RS, Brazil)

Daniele Arndt Erthal, Fabio Marcelo Breunig, Rafaelo Balbinot, Paulo Afonso Da Rosa, Leonardo Freire De Mello

Resumo


Acompanhar a dinâmica do uso e da cobertura do solo em terras indígenas é fundamental para avaliar a sustentabilidade da população indígena residente. Assim, o objetivo consistiu no estudo espaço-temporal da Terra Indígena do Guarita (TIG) com uso de imagens de satélite. Foram utilizadas imagens do sensor TM/Landsat 5 para fazer o mapeamento do uso e cobertura do solo nas classes: floresta, agricultura/campo e sombra/água. Para tal, dois classificadores foram utilizados: Spectral Angle Mapper (SAM) e o Support Vector Machine (SVM). Os dados da composição 16-dias do Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS)/Terra foram utilizados para a avaliação intra-anual de cinco setores da TIG: sul, norte, oeste, leste e central. Os resultados mostraram que ambos os classificadores retornaram quantificações de área semelhantes para cada classe. A classe floresta apresentou maior área (64,9% e 66,77% - SAM e SVM, respectivamente), seguida pela agricultura/campo (27,78% e 25,4%) e sombra/água (7,32% e 7,83%). Verificou-se alternância entre aumento e diminuição da área da classe floresta a cada cinco anos, possivelmente devido à abertura de novas áreas, e abandono de áreas. Na análise intra-anual de 2000 a 2016, verificou-se a presença de caducifólia da área de floresta nativa. Quando avaliada por setores, a TIG apresentou áreas com distintos padrões dos índices. Nos setores sul e oeste os índices de vegetação (especialmente o Enhanced Vegetation Index - EVI) apresentaram valores mais baixos e a presença de ciclos anuais. Nos setores norte, leste e central o Normalized Difference Vegetation Index (NDVI) retratou melhor as variações anuais da floresta.

 

 

A B S T R A C T

Monitoring the dynamics of land use and land cover in indigenous lands is fundamental to assessing the sustainability of the resident indigenous population. Thus, the objective consisted in the space-time study of the Indigenous Land of Guarita (TIG) with the use of satellite images. TM / Landsat 5 sensor images were used to map the land use and cover in the forest, agriculture / field and shade / water classes. For this, two classifiers were used: Spectral Angle Mapper (SAM) and Support Vector Machine (SVM). The 16-day Moderate Resolution Imaging Spectroradiometer (MODIS) / Terra composition data were used for the intra-annual assessment of five TIG sectors: south, north, west, east, and central. The results showed that both classifiers returned similar area quantifications for each class. The forest class presented the highest area (64.9% and 66.77% - SAM and SVM, respectively), followed by agriculture / field (27.78% and 25.4%) and shade / water (7.32% and 7.83%). There was alternation between increase and decrease of the forest class area every five years, possibly due to the opening of new areas, and abandonment of areas. In the intra-annual analysis from 2000 to 2016, the presence of deciduous was observed in the native forest area. When evaluated by sectors, the TIG presented areas with different index patterns. In the southern and western sectors vegetation indexes (especially the Enhanced Vegetation Index - EVI) presented lower values and the presence of annual cycles. In the northern, eastern and central sectors, the Normalized Difference Vegetation Index (NDVI) better addressed the annual variations of the forest.

Keywords: images, sattelite, mapping, Landsat, MODIS, forest.

 


Palavras-chave


Imagens; satélite; mapeamento; Landsat; MODIS; floresta.

Texto completo:

PDF

Referências


Benedetti, A. C. P.; Lippert, D. B.; Pereira, R. S.; Alemida, C. M.; Cardoso, C. D. V.; Hendges, E. R. 2013. Uso do produto MOD13Q1 do Sensor MODIS para análise temporal e mapeamento das florestas nas serras do sudeste e campanha meridional do Rio Grande do Sul Revista Árvore, Viçosa-MG, v.37, n.3, p.459-467.

Borges, E. F.; Sano, E. E. 2014. Séries temporais de EVI do MODIS para o mapeamento de uso e cobertura vegetal do oeste da Bahia. Bol. Ciênc. Geod. vol.20 no.3 Curitiba. Available at: http://dx.doi.org/10.1590/S1982-21702014000200030.

Breunig, F.M. et al., 2015. Spectral anisotropy of subtropical deciduous forest using MISR and MODIS data acquired under large seasonal variation in solar zenith angle. International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation, 35(part B), pp.294–304. Available at: http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0303243414002219.

Caragea, C.; Squicciarini, A.; Stehle, S.; Neppalli, K.; Tapia, A., 2014. Mapping Moods: Geo-Mapped Sentiment Analysis During Hurricane Sandy. Proceedings of the 11th International ISCRAM Conference – University Park, Pennsylvania, USA, May 2014. S.R. Hiltz, M.S. Pfaff, L. Plotnick, and A.C. Robinson, eds.

Chaves, T. A.; Carvalho, O. A. J.; Gomes, R. A. T.; Guimarães, R. F., 2013. Análise do uso e cobertura da terra e da fragmentação da paisagem no município de Missal-PR. Bol. geogr., Maringá, v. 31, n. 2, p. 69-83.

Coelho, V. H. R.; Montenegro, S. M. G. L.; Almeida, C. N.; Lima, E. R. V.; Neto, A. R.; Moura, G. S. S., 2014. Dinâmica do uso e ocupação do solo em uma bacia hidrográfica do semiárido brasileiro. R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, v.18, n.1, p.64-72, 2014.

Costa, F. C. C., 2017. O fazer missionário, o fazer política: construção de relações para a atuação missionária na terra indígena guarita nas décadas de 1960 a 1980. Revista de História, Dourados, MS , v. 19, n. 34, p. 257 - 279.

Crisostomo, A. C. et al., 2015. Terras Indígenas Na Amazônia Brasileira: Reservas De Carbono E Barreiras Ao Desmatamento. Brasília – DF.

Exelis Vis - Exelis Visual Information Solutions. ENVI Software - IDL Software - GIS Software . Boulder, CO: [s.n.]. , 2015.

Fumagalli, R. C. V.; Thomé, C. M.; Porto, L. T., 2014. Narrativa oral e escrita: encontros e contrapontos sobre o mito “a origem dos povos indígenas” na perspectiva de índios e brancos. Muitas Vozes, Ponta Grossa, v.3, n.1, p.153-169, 2014.

Funai. Fundação Nacional do Índio. 2014. Disponível em: Acessada em: 23/10/2015.

Hegde, G.; Ahamed, M. J.; Hebbar, R.; Raj, U., 2014. Urban land cover classification using hyperspectral data. The International Archives of the Photogrammetry, Remote Sensing and Spatial Information Sciences, Volume XL-8.

Instituto Socioambiental (ISA). Povos Indígenas do Brasil. Disponível em: < http://www.socioambiental.org/ > Acessado em: 04 abr. 2016.

Kastelic, E. S. D.; Rezner, A.,2015. Políticas Educacionais para os Povos Indígenas no Brasil: uma Questão de Direito. Pleiade, 09(18): 32-41.

Kriegel, R.K.; Azevedo, E. O.; Silva, F. F.,2014. Relação do grupo indígena guarani mybiá com o meio ambiente: alicerces da agroecologia. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente, v.7, n.1, p. 211-226.

Koeppe, C. H. B.; Borges, R. M. R.; Lorí Viali, L.; Lahm, R. A.,2014. Sensoriamento remoto e etnias indígenas: uma aproximação pedagógica possível. Revista Ciências & Ideias vol. 5, n.2.

Kujawa, H. A. e Zambam, N. J., 2015. Etnodesenvolvimento e Sustentabilidade: uma Abordagem a partir das Políticas Territoriais Indigenistas. PRIM@ FACIE João Pessoa: PPGCJ, v. 14, n. 27, 2015.

Kujawa, H.; Tedesco, J. C., 2014. Demarcações de terras indígenas no norte do rio grande do sul e os atuais conflitos territoriais: uma trajetória histórica de tensões sociais. Tempos Históricos, Volume 18, p. 67-88.

Lappe, E.; Laroque, L. F. S., 2018. Terra indígena Foxá “aqui no cedro”: passado e presente Kaingang na sociedade do Vale do Taquari-RS-BR. Geousp – Espaço e Tempo (Online), v. 22,n. 1, p. 025-042, 2018.

Macedo, R. C.; Almeida, C. M.; Santos, J. R.; Rudorff, B. F. T., 2013. Modelagem dinâmica espacial das alterações de cobertura e uso da terra relacionadas à expansão canavieira. Bol. Ciênc. Geod., sec. Artigos, Curitiba, v. 19, no 2, p.313-337, 2013.

Mecfarlane, D.W.; Kinzer, A.T.; Banks, J.E., 2015. Coupled human-natural regeneration of indigenous coastal dry forest in Kenya. Forest Ecology and Management. p.149–159.

Melin, L. V. C. T.; Oliveira, A. C., 2016. ICMS verde para a redução do desmatamento amazônico: estudo sobre uma experiência recente. Veredas do Direito, Belo Horizonte, v.13 n.25 p.277-306.

Oliveira, B. S., 2016. Satélites e Sensores. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Disponível em: http://www.dsr.inpe.br/vcsr/files/3-Satelites_e_Sensores.pdf.

Omer, G. et al., 2015. Performance of Support Vector Machines and Artificial Neural Network for Mapping Endangered Tree Species Using WorldView-2 Data in Dukuduku Forest, South Africa. IEEE Journal of Selected Topics in Applied Earth Observations and Remote Sensing, vol. 8, Nº 10.

Peng, Y., Gitelson, A.A. & Sakamoto, T., 2013. Remote estimation of gross primary productivity in crops using MODIS 250m data. Remote Sensing of Environment, 128, pp.186–196. Available at: http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0034425712003872.

Portal Kaingang. Terra Indígena Guarita. Diponível em: < http://www.portalkaingang.org/index_guarita.htm >. Acesso em 18 de maio de 2016.

Prina, B. Z., Trentin, R. Ziani, P., 2016. Ferramentas de Geoprocessamento aplicadas no mapeamento do uso da terra no município de Jaguari/RS. Ciência e Natura v.38 n.3, 2016, p. 1217 – 1227.

Rosa, P.A. Dinâmica de fragmentos florestais no noroeste do Rio Grande do Sul. Geografia, Ensino & Pesquisa, v. 21, n. 1, 2017, p. 177-189.

Rosa, P. A. da, Breunig, F. M. 2015. Variação temporal de índices de vegetação no Parque Florestal de Nonoai. In XVII SBSR Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto (pp. 627–634). João Pessoa-PB: INPE. Retrieved from http://www.dsr.inpe.br/sbsr2015/files/p0123.pdf

Silva, L. F., Barbosa, E. H. B., Cunha, E. R., Bacani, V. M., 2016. Análise da eficiência de classificadores supervisionados no mapeamento de uso da terra e cobertura vegetal. Geofronter, Campo Grande, n. 2, v. , p. 49-62.

Siqueira, A. B.; Lima, F. O.; Sobezak, J. R. S., 2015. O projeto político-pedagógico e o plano de ensino de ciências em uma escola kaingang. Revista pedagógica, V.17, N.34.

Teles, T.S. et al., 2015. Relationships between MODIS phenological metrics, topographic shade, and anomalous temperature patterns in seasonal deciduous forests of south Brazil. International Journal of Remote Sensing, 36(18), pp.4501–4518. Available at: http://dx.doi.org/10.1080/01431161.2015.1084437.

Tian, F. et al., 2015. Evaluating temporal consistency of long-term global NDVI datasets for trend analysis. Remote Sensing of Environment, 163, pp.326–340. Available at: http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0034425715001285.

United Stated Geological Survey – USGS. Bulk Download Application - BDA, 2015. v. 1.1.4.. U.S. Geological Survey. Earth Resources

Observation & Science Center (EROS). 47914 252nd Street, Sioux Falls, SD 57198-0001 [Internet]. Available from: < http://earthexplorer.usgs.gov/bulk/ >.

United States Geological Survey – USGS, 2016. Product guide. Provisional Landsat 8 surface reflectance product. Version 2.1. 27p.

Vicente, N. R.; Fantini, A. C., 2014. Transformações no sistema tradicional de roça itinerante na mata atlântica do litoral sul brasileiro. R. Inter. Interdisc. INTERthesis, Florianópolis 11, 183-203.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v11.6.p2160-2172

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License