Seca no Semiárido Baiano e o Hidrometeoro (Chuva) no Contexto da Mídia Impressa do Estado da Bahia

Rafael Vinícius São José, Priscila Pereira Coltri, Roberto Greco, Ivonice Sena de Souza

Resumo


A mídia cada vez mais tem se encarregado de divulgar informações relacionadas aos fenômenos climáticos e meteorológicos, assim como, também, é crescente o número de pesquisas que buscam investigar a forma como os temas referentes ao clima, ao tempo e ao comportamento deles vem sendo apresentado nas diversas mídias (jornais, revistas, rádio, internet, televisão). Sendo assim, a presente pesquisa buscou analisar as notícias relacionadas ao hidrometeoro (chuva), na região do semiárido baiano, no período de 2012 a 2015, publicadas pelos jornais (Correio da Bahia e A Tarde) de grande circulação no Estado da Bahia. Observou-se que as notícias fazem apologia a expectativa da chuva, e que muitas delas colocam que o sofrimento da população está diretamente conectado ao fenômeno climático. Os adjetivos utilizados pela mídia aos eventos climáticos são pejorativos e favorecem para a construção de um significado equivocado sobre o clima da região.


Texto completo:

PDF

Referências


Armond, N. B; Sant’Anna Neto, J. L. Utilização de mídia impressa na identificação e análise de episódios extremos de chuva no município do Rio de Janeiro. Revista GeoNorte, v. 1, p.774-785, 2012.

A Tarde. Luta pela sobrevivência revela personagens com lições de força e fé. Edição de 15 de abril de 2012.

A Tarde. Seca: frente fria ainda não fez chover o suficiente para acabar com a falta d’água. Edição de 17 de janeiro de 2013.

A Tarde. Clima: Apenas na região de Feira de Santana são dez municípios atingidos. Edição de 03 de março de 2013.

A Tarde. Reivindicação: Gestores afirmam que correm risco de não investir nem honrar compromissos. Edição de 21 de março de 2013.

A Tarde. Visita: Providências serão apresentadas pela presidente Dilma no sertão de Pernambuco ao lado do governador/ Governo lança pacote de medidas contra a seca na 2ª. Edição de 23 de abril de 2013.

Boycoff, M.T; Boycoff, J. M. Climate change and journalistic norms: A case-study of US mass-media coverage. Geoforum, v.38, n.6, p.1190-1204. Disponível em:

article/pii/S0016718507000188>. Acessado em novembro de 2017.

Buriti, C. O; Barbosa, H. A. Um século de secas: por que as políticas hídricas não transformaram o semiárido brasileiro? São Paulo: Chiado Editora, 2018.

Buriti, C. O. Imaginário social, semiárido e representação da natureza na obra Vidas Secas: interfaces entre literatura, ambiente e história. Dissertação de Mestrado em História, UFCG, 2010.

Caregnato, R. C. A.; Mutti, R. Pesquisa Qualitativa: Análise de Discurso Versus Análise de Conteúdo. Florianópolis, 2006.

Conti, J. B, 1937- Clima e meio ambiente. São Paulo: Atual, 2011.

Correio. Seca atinge 1,8 milhão de baianos em 143 cidades. Edição de 07 de novembro de 2015.

Ely, D. F. Eventos climáticos e mídia impressa em Londrina (PR): Construindo uma abordagem a partir da análise do discurso. In: Simpósio Brasileiro de Climatologia Geográfica, 8, Alto Caparaó (MG) p.138-151, 2008.

Freitas, M. A. S. O Fenômeno das Secas no Nordeste do Brasil: Uma Abordagem Conceitual. In: Simpósio de Recursos Hídricos do Nordeste, 9, Salvador, 2008. Anais...Salvador: ABRH, 2008.

Machado, P. J. O; Torres, F, T, P. Introdução á hidrogeografia. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

Malvezzi, R. Semi-Árido: uma visão holística. Brasília: confea, 2007.

Maia, D. C. Mídia Escrita e o Ensino de Climatologia no Ensino Fundamental II. ACTA Geográfica, Boa Vista, Ed. Esp. Climatologia Geográfica, 2012.

Marengo, J. A.; Cunha, A. P.; Alves, L. M. A seca de 2012-15 no semiárido do Nordeste do Brasil no contexto histórico. Revista Climanálise, v. 4, n. 1, 2016.

Marengo, J. A.; Bemasconi, M. Regional differences in aridity/drought conditions over Northeast Brazil: presente state and future projections. Clim Chang 129:103 – 115. Doi: 10. 1007 / s10584-014-1310-1CrossRefGoogle Scholar, 2015.

Nunes, L. H. Riscos do Clima ou Riscos da Comunicação? A cobertura jornalística do furacão Sandy (2012) em um período nacional. Revista brasileira de Geografia. Ano 12- Vol.19- Jul/Dez 2016.

Nunes, L. H. ; Candido, D. H. ; Vicente, A. K. ; Araki, R. ; Santos, F. R. N. dos; Collaço, M. M. ; Castellano, M. S. ; Barbin, N. B. C. B. Condicionantes físicos e impactos dos tornados do final de Março de 2006 no interior paulista. GEOUSP - Espaço e Tempo, n.23, 2008. p. 99-124.

Santos, R. R. dos; Nunes, G, S. Nordeste: o desenvolvimento do homem rural. São Paulo: Nobel, 1988.

SEI (Superintendência de Estudos Econômicos e Sociais da Bahia). Disponível em: , 2009. Acesso em 14 de Agosto de 2017.

Silva, L. T. Cultivo de milho irrigado com esgoto doméstico tratado no semiárido baiano: alternativa técnica e econômica para o pequeno agricultor / Luana Tavares Silva. – Salvador, 2015.

Silva, R. M. A. da. Entre dois Paradigmas: Combate a seca e convivência com o Semi-Árido. Sociedade e Estado, Brasília, v. 18, n. 1/2, p. 361-385, jan./dez. 2003.

Sousa, C. M. de; Sant’ Anna Neto, J. L. A impressa como fonte de análise da adversidade climática. In: Congresso Brasileiro de Geógrafos, 6, 2003, Goiânia. Anais... Goiânia: AGB?UFG, 2004. 1CD-ROM.

Steinke, E. T. Climatologia Fácil. São Paulo: Oficina de textos, 2012.

Steinke, E. T.; Saito, C. H.; Andrade, G. de S.; Gaspar, L. Como a mídia impressa do Distrito Federal divulga fatos relacionados ao clima e ao tempo na época da estiagem. Geografia, v.31, n.2. 2006. p.347-357.

Torres, F. T. P; Machado, P. J. O. Introdução a climatologia. São Paulo: Cengage Learning, 2016.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.1.p249-255

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License