Proposta metodológica para elaboração de base de dados geoespaciais como subsídio a estudos ambientais: aplicação em unidades de conservação do litoral norte do Paraná

Otacílio Lopes de Souza Paz, Maira Oneda Dal Pai, Eduardo Vedor de Paula

Resumo


As Bases de Dados Geoespaciais (BDG) apresentam grande importância na elaboração de estudos ambientais, principalmente em diagnósticos que subsidiem planos de manejo, planos diretores, entre outros instrumentos de planejamento. Estudos que abordam procedimentos para construção de BDG são incipientes. Por meio de uma cooperação técnica entre o departamento de Geografia da Universidade Federal do Paraná e o Instituto Chico Mendes da Conservação da Biodiversidade, desenvolve-se desde 2014 uma metodologia para elaboração de BDG, a partir de experiências na produção do diagnóstico ambiental da Área de Proteção Ambiental (APA) de Guaraqueçaba e de outras Unidades de Conservação (UCs) do litoral norte do Paraná. Assim, o presente trabalho tem como objetivo apresentar a proposta metodológica desenvolvida para a criação de BDG, que se divide em 4 etapas: avaliação, organização, qualidade e aplicação. Como principais resultados destacam-se: 282 dados geoespaciais em 51 categorias temáticas, revisão dos limites da APA de Guaraqueçaba e 52 produtos cartográficos para compor o diagnóstico ambiental. A proposta ganha destaque por apresentar recomendações para armazenamento e nomenclatura dos dados, regras para controle de qualidade (consistência temática, topológica e metadados) e sua divulgação em plataformas livres da Internet. Ainda, são propostas recomendações de aplicação dos dados na gestão do território, bem como protocolos para alimentação da BDG.

 

Methodological proposal for elaboration of geospatial database as a subsidy for environmental researches: application in conservation units in the north coast of Paraná

 

A B S T R A C T

Geospatial Databases (BDG) features great importance at the elaboration of environmental studies, primarily at diagnostics that subsidize management plans, urban master plans and more.  Still, studies that address the procedures of building a BDG are incipient. Through a technical co-operation between department of Geography from Federal University of Paraná and Chico Mendes Institute for Biodiversity Conservation, since 2014 a BDG building methodology based on experiences in environmental diagnosis at the Environmental Protection Area (APA) of Guaraqueçaba and other Conservation Units (UCs) from the north coast of Paraná. Thus, the present work aims to propose a methodology of BDG creation, which is divided in 4 steps: evaluation, organization, quality and application. Between the main results there are: 282 geospatial data in 51 thematic categories, the APA of Guaraqueçaba’s limits revised, and 52 cartographic products that will be featured in the environmental diagnosis. This proposal stands out by bringing data storage and naming recommendations, rules for quality control (thematic consistency, topology and metadata), and also its publication on free online platforms. Yet, there are some recommendations for the application of this data in territory management, such as protocols for BDG feeding.

Keywords: Geotechnology, Geospatial Data, Information Quality, Environmental diagnosis.


Palavras-chave


Geotecnologias, Dados Geoespaciais, Qualidade da Informação, Unidades de Conservação.

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, A. M.,; Paula, E. V., 2018. Áreas de preservação permanente de topos: das alterações na legislação Brasileira às suas diferentes interpretações. Confins [online] 37. Disponível: https://doi.org/10.4000/confins.15261 Acesso: 21 dez. 2019.

Arana, A. R. A., Ramos, A. P. M., Osco, L. P., Gonçalves, D. L., Bezerra, J. P., Leal, A. C., 2018. Gestão das águas e planejamento ambiental: áreas de preservação permanente no manancial do alto curso do rio Santo Anastácio–SP. Revista Brasileira de Geografia Física [online] 11, 674–686. Disponível: https://doi.org/10.26848/rbgf.v10.6.p674-686 Acesso: 21 dez. 2019.

Balmford, A., Gaston, K. J., Rodrigues, A. S. L., James, A., 2000. Integrating costs of conservation into international priority setting. Conservation Biology 14, 597-605.

Basiri, A., Haklay, M., Foody, G., Mooney, P., 2019. Crowdsourced geospatial data quality: challenges and future directions. International Journal of Geographical Information Science [online] 33 (8), 1588-1593. Disponível: https://doi.org/10.1080/13658816.2019.1593422 Acesso: 21 dez. 2019.

Baumann, P., Mazzetti, P., Ungar, J., Barbera, R., Barboni, D., Beccati, A., 2016. Big data analytics for earth sciences: the EarthServer approach. International Journal of Digital Earth [online] 9 (1). Disponível: https://doi.org/10.1080/17538947.2014.1003106 . Acesso: 10 jan. 2020.

Batalha Filho, H., Miayki, C. Y., 2018. Filogeografia da Mata Atlântica. Revista da Biologia [online] 7, 31–34. Disponível: https://doi.org/10.7594/revbio.07.06 Acesso: 21 dez. 2019.

BRASIL, 1985. Decreto nº 90.883, de 31 de janeiro.

BRASIL, 1989. Decreto n.º 97.688, de 25 de abril.

BRASIL, 1997. Lei Nº 9.513, de 20 de novembro.

BRASIL, 2000. Lei n.º 9.985, de 18 de julho.

BRASIL, 2012. Decreto de 5 de junho.

Bezerra, J. M., Silva, P. C. M., Batista, R. O., Feitosa, A. P., 2011. Uso de Geotecnologias para avaliação ambiental da deterioração do município de Mossoró. Revista de Geografia [online] 28 (3), 127-140. Disponível: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistageografia/article/view/228952 Acesso: 21 dez. 2019.

Cavellani, C. L., 2014. SIG, cartografia e limites territoriais – Análise do litígio entre Paraná e São Paulo. Anais do XI Congreso Iberoamericano de Estudios Territoriales y Ambientales, 3323-3339. Disponível: http://6cieta.org/arquivos-anais/eixo6/Caio%20Lourencini%20Cavellani.pdf Acesso em 04 jun. 2017.

CONCAR. Comissão Nacional de Cartografia, 2009. Perfil de Metadados Geoespaciais do Brasil, Perfil MGB: Conteúdo de Metadados Geoespaciais em conformidade com a norma ISO 19115:2003. Rio de Janeiro.

Coutinho, L. A., 2010. Banco de dados geográfico de desastres naturais. Projecto conceitual, inventariação e proposta para difusão dos dados. Dissertação (Mestrado). Lisboa, Universidade Nova de Lisboa.

Cristo, S. S. V., 2013. Abordagem Geográfica e Análise do Patrimônio Geomorfológico em Unidades de Conservação da Natureza: Aplicação na Estação Ecológica Serra Geral do Tocantins - Estados do Tocantins e Bahia. Tese (Doutorado). Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Dalazoana, R., Freitas, S. R. C., 2002. Efeitos na cartografia devido a evolução do sistema Geodésico Brasileiro e adoção de um referencial geocêntrico. Revista Brasileira de Cartografia [online] 1 (54). Disponível: http://www.seer.ufu.br/index.php/revistabrasileiracartografia/article/view/43939 Acesso: 20 dez. 2019.

Debattista, J., Clinton, E., Brennan, R., 2018. Assessing the quality of geospatial linked data–experiences from Ordnance Survey Ireland (OSi). Disponível: http://doras.dcu.ie/22977/ Acesso: 10 jan. 2020.

Demarchi, J. C., Piroli, E. L., Zimback, C. R. L., 2019. Estimativa de perda de solos por erosão na bacia hidrográfica do Ribeirão das Perobas (SP) nos anos 1962 e 2011. Raega-O Espaço Geográfico em Análise [online] 46 (1). Disponível: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v46i1.56746 Acesso: 21 dez. 2019.

Devillers, R., Jeansoulin, R., 2006. Fundamentals of spatial data quality, 1. ISTE Publishing Company, Chippenham. Disponível: http://dlia.ir/Scientific/e_book/Geography_Anthropology_Recreation/Geography_(General)/001646.pdf Acesso: 28 fev. 2017.

DSG. Diretoria do Serviço Geográfico, 2016. Especificação técnica para aquisição de dados geoespaciais vetoriais (ET-ADGV). Brasília.

Ferreira, R. D., Silva, L. S. L., Coelho, A. L., Maranhão, M. R. A., Oliveira, L. F., Soares, R. A., 2016. Avaliação da qualidade posicional de ortoimagens RapidEye. Revista Brasileira de Geografia [online] 61 (1). Disponível: https://doi.org/10.21579/issn.2526-0375_2016_n1_art_5 Acesso: 20 dez. 2019.

Françoso, R. D., Brandão, R., Nogueira, C. C., Salmona, Y. B., Machado, R. B., Colli, G. R., 2015. Habitat loss and the effectiveness of protected areas in the Cerrado Biodiversity Hotspot. Natureza & Conservação [online] 13 (1). Disponível: https://doi.org/10.1016/j.ncon.2015.04.001 Acesso: 20 dez. 2019.

Haas, A., Conceição, S. R., Descovi Filho, L., Henkes, J. A., 2018. Delimitação e caracterização de APP através do uso de um sistema de informação geográfica (SIG): O caso das APP’s nos cursos de água da sub-bacia do Lajeado Pardo, noroeste do RS. Revista Gestão & Sustentabilidade Ambiental [online] 7 (3). Disponível: http://dx.doi.org/10.19177/rgsa.v7e32018640-649 Acesso: 21 dez. 2019.

IBGE, 2015. Resolução n° 1/2015 da presidência, de 24 de fevereiro.

ISO. International Organization for Standardization, 2003a. ISO 19114 - Geographic information - Quality evaluation procedures. Switzerland.

ISO. International Organization for Standardization, 2003b. ISO 19115 - Geographic Information - Metadata. Switzerland.

ISO. International Organization for Standardization, 2013. ISO 19157 - Geographic Information - Data Quality. Switzerland.

Jensen, R. R., 2016. Geotechnologies & Sustainable Urban Environments, in: Gatrell, J. D., Jensen, R. R., Petterson, M. W., Hoalst-Pullen, N. (Org.), Urban Sustainability: Policy and Praxis. Springer, Cham, pp. 265–266.

Landridge, R. M., Ries, W. F., Litchfield, N. J., Villamor, P., Van Dissen, R. J., Barrell, D. J. A., 2016. The New Zealand active faults database. New Zealand Journal of Geology and Geophysics [online] 59 (1). Disponível: https://doi.org/10.1080/00288306.2015.1112818 Acesso: 19 dez. 2019.

Lee, J. G., Kang, M., 2015. Geospatial big data: challenges and opportunities. Big Data Research [online] 2 (2). Disponível: https://doi.org/10.1016/j.bdr.2015.01.003 Acesso: 20 dez. 2019.

Lin, S., Wu, R., Yang, F., Wang, J., Wu, W., 2018. Spatial trade-offs and synergies among ecosystem services within a global biodiversity hotspot. Ecological indicators [online] 84. Disponível: https://doi.org/10.1016/j.ecolind.2017.09.007 Acesso: 19 dez. 2019.

Maji, K.; Sarkar, S., 2019. Generation of Spatial Database for the Study of Socio-economic Development in Bankura District, West Bengal: A Geospatial Approach. Transactions 41, 21-31.

Mantovani, V. A., Amorim, J. S., Rodrigues, A. F., Junqueira, R., Carvalho, R. N., Oliveira, A. S., 2018. Estimativas da taxa de entrega de sedimentos e áreas suscetíveis à erosão em uma bacia hidrográfica no sul de Minas Gerais - Brasil. Revista da Universidade Vale do Rio Verde [online] 16 (2). Disponível: http://dx.doi.org/10.5892/ruvrd.v16i2.5061 Acesso: 20 dez. 2019.

Marchese, C., 2015. Biodiversity hotspots: A shortcut for a more complicated concept. Global Ecology and Conservation [online] 3. Disponível:https://doi.org/10.1016/j.gecco.2014.12.008 Acesso: 30 out. 2019.

Mendonça, R. A. M., Bernasconi, P., Santos, R., Scaranello, M., 2011. Uso das geotecnologias para gestão ambiental: experiências na Amazônia Meridional. Disponível: https://www.icv.org.br/publicacao/uso-das-geotecnologias-para-gestao-ambiental-experiencias-na-amazonia-meridional/ Acesso: 10 jan. 2020.

Menezes, J. de P. L., Vinagre, M. V. de A., Couto, M. H. S. H. F. do, Alves, I. C. C., Barbosa, K. B. da S., 2019. Políticas públicas, meio ambiente e desenvolvimento local: uma análise a partir do Plano de Manejo na Vila Algodoal (PA). Revista Brasileira de Ecoturismo [online] 12 (1). Disponível em: https://doi.org/10.34024/rbecotur.2019.v12.6723 Acesso: 19 dez. 2019.

Naidu, C. R., 2019. Geospatial Data Requirements, Software, and Analysis for the Study of Floods in Urban Catchments, in: Rathinasamy, M., Chandramouli, S., Phanindra, . K. B. V. N., Mahesh, U. (Eds.), Water Resources and Environmental Engineering I. Springer, Singapura, pp. 77–82.

Neves, D. M., Dexter, K. G., Pennington, R. T., Valente, A. S. M., Bueno, M. L., Eisenlohr, P. V., Fontes, M. A.L., Miranda, P. L. S., Moreira, S. N., 2017. Dissecting a biodiversity hotspot: The importance of environmentally marginal habitats in the Atlantic Forest Domain of South America. Diversity and Distributions [online] 23 (8). Disponível: https://doi.org/10.1111/ddi.12581 Acesso: 19 dez. 2019.

Observatório de Conservação Costeira, 2017. Unidades de conservação do mosaico Lagamar. Disponível: http://www.observatoriocosteiro.org/mosaico-lagamar/unidades-deconservacao-do-mosaico-lagamar2/ Acesso em: 10 jul. 2017.

Paula, E. V., Santos, L. J. C., Uber J. A., 2011. Análise da suscetibilidade geopedológica à produção de sedimentos na área de drenagem da Baía de Antonina/PR. Revista de Geografia [online] 27 (2 esp.). Disponível: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistageografia/article/view/228864 Acesso: 21 dez. 2019.

Paula, E. V., 2015. Diagnóstico de subsídio ao Plano de Manejo da APA de Guaraqueçaba. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, pp. 280.

Paula, E. V., 2016. Análise da Produção de Sedimentos na Área de Drenagem da Baía de Antonina, Paraná: Contribuições ao planejamento do território, in: Reis, R. A., Abrahão, C. M. S., Tiepolo, L. M., Chemin, M. (Org.), Litoral do Paraná: Território e Perspectivas. Vol. 1 Sociedade, Ambiente e Gestão. Brazil Publishing, Curitiba, pp. 11-36.

ICMBIO, 2018. Portaria nº 930, de 07 de novembro.

Ribas, R. P., Gontijo, B. M., 2015. Mapeamento dos limites oficiais do mosaico de áreas protegidas do Espinhaço: interatividade entre o geoprocessamento e a gestão integrada do território. Revista Brasileira de Cartografia [online] 1 (67/8). Disponível: http://www.seer.ufu.br/index.php/revistaBrasileiracartografia/article/view/49233 Acesso: 30 out. 2019.

Santos, R., 2011. Método de zoneamento de unidade de conservação a partir da sobreposição de zoneamentos temáticos, in: Mendonça, R. A. M., Bernasconi, P., Santos, R., Scaranello, M. (Eds.), Uso das geotecnologias para gestão ambiental: experiências na Amazônia Meridional. Instituto Centro de Vida, Cuiabá, pp.40.

Silva, R. M., Henrique, I. G. N., Cazé, J. F., 2018. Simulação das mudanças de uso e ocupação do solo e seus efeitos nas características hidrossedimentológicas em uma bacia do bioma Caatinga. Revista de Geografia [online] 35 (1). Disponível: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistageografia/article/view/229325 Acesso: 21 dez. 2019.

Silva, L. R., Sano, E. E., 2016. Análise das imagens do satélite RapidEye para discriminação da cobertura vegetal do bioma Cerrado. Revista Brasileira de Cartografia [online] 68 (7). Disponível: http://www.seer.ufu.br/index.php/revistaBrasileiracartografia/article/view/44359 Acesso: 21 dez. 2019.

Souza, L. M. S., Farias, O. L. M., 2010. Sistema de informações geográficas para gerenciamento de recursos hídricos em unidades de conservação utilizando a estrutura de dados geográficos vetoriais – EDGV. Revista Brasileira de

Cartografia [online] 1 (63/01). Disponível: http://www.seer.ufu.br/index.php/revistaBrasileiracartografia/article/view/43726 Acesso em: 30 out. 2019.

Ureña-Cámara, M. A., Noguera-Iso, J. , Lacasta, J., Ariza-López, F. J., 2019. A method for checking the quality of geographic metadata based on ISO 19157. International Journal of Geographical Information Science [online] 33 (1). Disponível: https://doi.org/10.1080/13658816.2018.1515437 Acesso: 21 dez. 2019.

Veregin, H., 2005. Data Quality Parameters, in: Longley, P. A., Goodchild, M. F., Maguire, D. J., Rhind, D. W. (Eds.), New Developments in Geographical Information Systems: Principles, Techniques, Management and Applications. Wiley, New York, pp. 177-189.

Vieira, C. S.; Santos, P. R. A.; Canova, G. R. N., 2016. Análise dos aspectos cartográficos dos memoriais descritivos dos limites contidos nos atos legais das unidades de conservação federais do Brasil. Revista Brasileira de Cartografia [online] 1 (68/3). Disponível: http://www.seer.ufu.br/index.php/revistaBrasileiracartografia/article/view/44413 Acesso: 29 out. 2019.

Yamashita, J., Seto, T., Nishimura, Y., Iwasaki, N., 2019. VGI contributors’ awareness of geographic information quality and its effect on data quality: a case study from Japan. International Journal of Cartography [online] 5 (2-3). Disponível: https://doi.org/10.1080/23729333.2019.1613086 Acesso: 21 dez. 2019.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.2.p613-629

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License