Identificação Arbórea e uma Nova Proposta de Classificação das Subformas do Bioma Cerrado: Estudo de Caso do Município de São Francisco, Minas Gerais.

Pedro Luiz Teixeira Camargo, Paulo Pereira Martins Júnior, Raphaella Karla Portes Beserra, Tiago Soares Barcelos

Resumo


Este trabalho versa acerca do bioma Cerrado e de suas diversas fitofisionomias divisíveis, uma grande polêmica ainda presente neste tipo de Savana. O objetivo desta pesquisa, localizado em São Francisco, Norte de Minas Gerais, é listar e verificar as diversas espécies (ou famílias) arbóreas presentes nas fisionomias vegetacionais ali presentes, contribuindo assim para sua identificação. Como resultados apresentam-se formações florestais, savânicas e campestres, que podem ser dividas em 11 subformas: Mata Ciliar, Mata de Galeria, Mata Seca ou Floresta Estacional Decidual, Cerradão, Cerrado sentido restrito, Parque Cerrado, Palmeiral, Vereda, Campo Sujo, Campo Limpo e Campo Rupestre. Além da descrição física, observaram-se as principais espécies arbóreas ali presentes, com destaque para o Cerrado sentido restrito, com 33 espécies lenhosas descritas. Como conclusão é possível observar que as fitoformas Floresta de Galeria, Palmeiral e Parque Cerrado não parecem ter tantas espécies arbóreas diferenciadas capazes de serem denominadas como subtipos deste bioma, a primeira poderia estar junto com a Mata Ciliar, a segunda nas Veredas e a terceira junto ao Cerrado sentido restrito, sendo sugerido mais estudos que comprovem esta hipótese aqui colocada de uma nova proposta de classificação das subformas do bioma Cerrado diferente daquela proposta por Ribeiro e Walter (1998).


Palavras-chave


Biogeografia; Identificação Florestal; Geociências Agrárias e Ambientais

Referências


Andrade–Lima, D, 1989. Plantas das Caatingas. Academia Brasileira de Ciências, Rio de Janeiro.

Barbera, G., Inglese, P., Barrios, E., 1999. Agroecología, cultivos y usos del nopal. Estudio FAO producción y protección vegetal, Roma.

Belém, R. A., 2002. Projeto Caminhadas no Parque: uma proposta de educação ambiental para o Parque Municipal da Sapucaia – Montes Claros/ MG. Monografia (Especialização em Geografia Ensino e Meio Ambiente), Universidade Estadual de Montes Claros, Montes Claros.

Borlaug, N. E., 2002. Feeding a world of 10 billion people: the miracle ahead. In: R. Bailey (ed.). Global warming and other eco-myths. Competitive Enterprise Institute, Roseville.

Bourlière, F., Hadley, M., 1983. Savanas atuais: uma visão geral. In: DW Goodall (ed.), Ecossistemas do mundo - savanas tropicais. Elsevier, Amsterdam.

Brandão, M., 2000. Caatinga. In: Mendonça, M., Lins, L. (Org.). Lista Vermelha das Espécies Ameaçadas de Extinção da Flora de Minas Gerais. Fundação Biodiversitas, Belo Horizonte.

Brasil. IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 1996. Enciclopédia dos municípios brasileiros. Rio de Janeiro.

Brasil. MMA. Ministério do Meio Ambiente, 2012. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. O Novo Código Florestal. Distrito Federal. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm > Acesso em fevereiro de 2015.

Brasil. MMA. Ministério do Meio Ambiente 2012. Biomas. Distrito Federal, Disponível em:. Acesso em: março de 2015.

Brasil. IBAMA. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2008. Relatório PMDBBS/IBAMA. Monitoramento do desmatamento nos biomas brasileiros por Satélite Siscom: Brasilia. Distrito Federal. Disponível em: . Acesso em: julho de 2015.

Carvalho, P. E. R., 1994. Espécies florestais brasileiras: recomendações silviculturais potencialidades e uso da madeira. EMBRAPA - CNPF/SPI, Brasília.

Collinson, A. S., 1988. Introduction to world vegetation. Unwin Hyman LTDA., London.

Cox, G. W., Gakahu, C. G., Waithaka, J. M., 1989. The form and small stone content of large earth mounds constructed by mole rats and termites in Kenya. Pedobiologia 33, 307- 314.

Dressler, R. L., 1993. Phylogeny and classification of the orchid family. Dioscorides Press, Portland.

Dressler, R. L., 2005. How many orchid species? Selbyana, Flórida, v.26, p.155-158,

Eiten, G., 1977. Delimitação do conceito de Cerrado. Arquivos do Jardim Botânico, Rio de Janeiro 21, p. 125-134.

Eiten, G., 1979. Formas fisionômicas do Cerrado. Revista Brasileira de Botânica 2, n.2, p. 139-148.

Ferreira, I. M., 2003. O afogar das Veredas: uma análise comparativa espacial e temporal das Veredas do Chapadão de Catalão (GO). Tese (Doutorado em Geografia), Universidade Estadual Paulista. Rio Claro.

Ferreira, I. M., 2005/2006. Modelos geomorfológicos das Veredas em ambiente de Cerrado. Espaço em Revista 7/8, n.1, p. 7-16.

Ferri, M. G., 1976. Ecologia dos Cerrados. 4 Simpósio sobre o Cerrado: bases para utilização agropecuária, Brasília, Anais...Itatiaia, Belo Horizonte/ Universidade de São Paulo, São Paulo.

Fonseca, A. G.; Muniz I. A. F., 1992. Informações sobre a cultura de espécies frutíferas nativas da região do cerrado. Informe Agropecuário 173, n.16, p.12-17.

Giulietti, A. M., Rapini, A., Andrade, M. J. G., Queiroz, L. P., Silva, J. M. C., 2009. Plantas Raras do Brasil. Belo Horizonte, MG: Conservação Internacional.

Goodland, R., Ferri, M. G., 1979. Ecologia do Cerrado. Itatiaia, Belo Horizonte.

Guerra, M. J. M., Barreiro, M. L., Rodriguez, Z. M., Rubaicaba, Y., 2000. Actividad antimicrobiana de um extracto fluido al 80% de Schinus terebinthifolius Raddi (copal). Revista Cubana de Plantas Medicinales 5, n.1, p.5-23.

Haridasan, M. 1982. Aluminum accumulation by some Cerrado native species in Central Brazil. Plant and Soil 65, p. 265-273.

Homma, A. K. O., Menezes, A. J. E. A., Matos, G. B., 2006. Cultivo de Baunilha: uma alternativa para a agricultura familiar na Amazônia. Documentos 254 (EMBRAPA), Manaus.

Köppen, W., 1931. Climatologia. Fundo de Cultura Econômica, México.

Jain, M. K., Yu, J. M., Rogers, A. E., Smith, E. T. A., Borger, R. L., Ostrander, A. L., 1995. Specific competitive inhibitor of secreted phospholipase A2 from berries of Schinus terebinthifolius. Phytochemistry 39, n.3, p.537-547.

Kalume, D. E., Sousa, M. V., Morhy, L., 1995. Purification, characterization, sequence determination, and mass spectrometric analysis of a trypsin inhibitor from seeds of the brazilian tree Dipteryx alata (Leguminosae). Journal of Protein Chemistry 14, n.8, p 685-693.

Leal, I., Tabarelli, M., Silva, J. M. C., 2004. Ecologia e Conservação da Caatinga: uma introdução ao desafio. UFPE, Recife.

Magalhães, G. M., 1966. Sobre os Cerrados de Minas Gerais. Anais da Academia Brasileira de Ciências – Suplemento 38, p.59-62.

Maury, C. M., Ramos, A. E., Oliveira, P. E., 1994. Levantamento florístico da Estação Ecológica de Águas Emendadas, Distrito Federal. Boletim do Herbário Ezechias Paulo Heringer 1, p.46-67.

Minas Gerais. IGA. Instituto de Geociências Aplicadas, 2006. Áreas de Proteção Ambiental do Estado de Minas Gerais: demarcação e estudos para pré-zoneamento ecológico – APA Bacia do Rio Pandeiros. Governo do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte.

Mistry, J. 2000. World savannas: ecology and human use. Great Britain. Prentice Hall, Pearson Education Limited.

Paes, J. B., Morais, V. M., Lima, C. R. 2004. Resistência natural de nove madeiras do semiárido brasileiro a fungos xilófagos em condições de laboratório. Revista Árvore 28, n.2, p.275-282.

Pessoa, E. F. 2007. Potencial industrial dos frutos do pajeuzeiro. Monografia (Graduação em Agronomia), Universidade Federal do Piauí, Teresina.

Ratter, J. A., Askew, G. P., Montgomery, R. F., Gifford, D. R. 1978. Observation on forests of some mesotrophic soils in central Brazil. Revista Brasileira de Botânica 1, 47-58.

Resende, M., Curi, M., Resende, S. B., Corrêa, G. F., 2007. Pedologia: Base para distinção de ambientes. 5.ed. Universidade Federal de Lavras, Lavras.

Ribeiro, R. F., Sano S. M., Silva J. A., 1981. Chave preliminar de identificação dos tipos fisionômicos da vegetação do Cerrado. XXXII Congresso Nacional de Botânica, Sociedade Botânica do Brasil, Anais ...Teresina, Brasil.

Ribeiro, J. F., Silva, J. A., Fonseca, C. F. L., 1992. Espécies frutíferas da região do cerrado. In: Donadio, L.C., Martins, A. B. G., Valente, J. P. (Ed.). Fruticultura tropical. FUNEP, Jaboticabal, p.159- 189.

Ribeiro, J. F., Walter, B. M. T., 1998. Fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: Cerrado: Ambiente e Flora. EMBRAPA-CPAC, Planaltina, p.89-166.

Ribeiro, J. F., Walter, B. M. T., 2008. As principais fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: Sano, S. M., Almeida, S. P., Ribeiro, J. F. Ecologia e flora. EMBRAPA, Brasília, p.152-212.

Ribeiro, R. F., 2000. Pequi: o rei do cerrado. Rede Cerrado, Belo Horizonte.

Rizzini, C. T., 1997. Tratado de fitogeografia do Brasil: aspectos ecológicos, sociológicos e florísticos.: Âmbito Cultural Edições Ltda, Rio de Janeiro.

Seaman, J. F., Buhl, J. L., Harris, E. E., 1945. Quantitative saccharification of wood and celulose. Journal of Industrial and Engineering Chemistry 17, p. 35-37.

UFLA. Universidade Federal de Lavras; IEF Instituto de Florestas., 2006. Mapas e Inventário da flora natural e dos reflorestamentos de Minas Gerais. UFLA, Lavras.

Walter, B. M. T., Sampaio, A. B., 1998. A vegetação da Fazenda Sucupira. Brasília: Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, EMBRAPA Recursos Genéticos e Biotecnologia (Documentos, 36).

Zoghbi, M. G. B., Andrade, E. H. A., Carreira, L. M. M., Rocha, E. A. S., 2008. Comparison of the main components of the essential oils of “priprioca”: Cyperus articulates var. articulatus L., C. articulatus var. nodosus L., C. prolixus Kunth and C. rotundus L. The Journal of Essential Oil Research 20, n. 1, p. 42-46.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.6.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License