Avaliação da Qualidade Sanitária da Água Distribuída pelo Sistema de Abastecimento em Poço Verde – SE no Período de Janeiro a Outubro de 2019

Magna Carolina Machado Mecenas, Luciana Gomes Machado Nascimento, Jailton de Jesus Costa

Resumo


A bacia hidrográfica Rio Real banha o município de Poço Verde, Sergipe, e é responsável pelo abastecimento de água na região. Buscando reduzir os riscos de doenças de veiculação hídrica, o Ministério da Saúde estabeleceu padrões de potabilidade a serem seguidos pelas empresas responsáveis pela distribuição do produto para consumo humano. Diante do exposto, essa pesquisa foi desenvolvida objetivando avaliar a qualidade sanitária do bem em dois estabelecimentos de ensino durante o período de janeiro a outubro de 2019, através da análise dos resultados de parâmetros físico-químicos e microbiológicos das amostras coletadas mensalmente pela vigilância municipal e pela companhia de saneamento do estado, comparando-as à norma vigente, utilizando uma metodologia baseada em pesquisa bibliográfica e documental com abordagem quantitativa. Dentre as informações obtidas, destacaram-se a divergência entre os valores adquiridos pelos dois órgãos e as alterações de Cloro Residual Livre, Cor e Turbidez em meses de chuva, refletindo na presença de Coliformes Totais, tendo como hipóteses mais prováveis para as inconformidades o índice pluviométrico, a estanqueidade na rede e falhas na integridade do SAA, que podem ser solucionadas com manutenção preventiva do sistema e verificação periódica da efetividade do tratamento.

Evaluation of Water Quality Distributed by the Public Network Supply System in Poço Verde – SE During the Months of January to October 2019

ABSTRACT

The Rio Real hydrographic basin bathes the county of Poço Verde / SE, and it is responsible for the city’s water supply. Working to reduce the risks of waterborne diseases, the Ministry of Health established drinking standards to be followed by the companies responsible for distributing the product for human consumption. Given the above, this research aimed to evaluate the microbiological and physical-chemical quality of water in two educational establishments, from January 2019 to October 2019. The latest available data, through the analysis of the physical-chemical’s results and microbiological parameters of the samples collected monthly by the municipal surveillance and by the state’s sanitation company, comparing them to the current standard, using a methodology based on bibliographic, documentary research and technical visits by municipal health surveillance inspectors – VISAM, with sampling of data, all procedures followed the methodologies recommended by the Ministry of Health. The results were divided into two groups: 1. Physical-Chemical Quality and 2. Microbiological, being exposed in the form of tables and graphs, making easier the assessment and interpretation based on the current standard. It is worth noticing the divergence between the values acquired by the two bodies and the changes in Free Residual Chlorine, Color and Turbidity in rainy months, reflecting the presence of Total Coliforms. It is concluded that the found results were a result of the pluviometric factor’s combination index, the tightness in the network and failures in the integrity of the SAA, in addition to the absence of the Municipal Basic Sanitation Plan, thus confirming the research hypothesis.

Keywords: Water. Environmental Quality. Public Health.


Palavras-chave


Água, Qualidade Ambiental, Saúde Pública

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA NACIONAL DAS ÁGUAS (ANA). Atlas Brasil: Abastecimento urbano de água. Disponível em: . Acessado em: 06/12/2019.

AL‑JASSER, A. O. Chlorine decay in drinking‑water transmission and distribution systems: pipe service age effect. Water Research, v. 41, n. 2, p. 387‑396. Amsterdam – NL: 2007. ISSN: 0043-1354

AMORIM, M. C. C.; PORTO, E. R. Considerações sobre controle e vigilância da qualidade de água de cisternas e seus tratamentos. 4º Simpósio brasileiro de Captação e Manejo de Água de Chuva: uma proposta sustentável para o combate à fome e para a melhoria da qualidade de vida. Juazeiro – BA: 2003. Disponível em: https://www.alice.cnptia.embrapa.br/handle/doc/152439. Acessado em: 01/02/2020.

BASTOS, R. K. X. Revisão da Portaria MS Nº 2914/2011. Padrão de potabilidade e planos de amostragem: fundamentação e linhas norteadoras. Disponível em: . Publicado em: agosto de 2018. Acessado em: 09/12/2019.

BRASIL. AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS (ANA). Mananciais e Sistemas. Disponível em: http://atlas.ana.gov.br/atlas/flash/analise/Geral.aspx?est=7&mapa=sist#. Acessado em: 01/02/2020.

BRASIL. CENTRO DE PREVISÃO DO TEMPO E ESTUDOS CLIMÁTICOS (CPTEC). Previsão de tempo (Poço Verde/SE). Disponível em: < https://www.cptec.inpe.br/>. Acessado em: 12/12/19.

BRASIL. CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE. Resolução CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília – DF, 18 de março de 2005. p. 58‑63.

BRASIL. FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE. Manual prático de análise de água. 2ª ed. Brasília – DF: 2006.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria de Consolidação Nº 05, de 28 de setembro de 2017. Anexo XX. Consolidação das normas sobre as ações e os serviços de saúde do Sistema Único de Saúde. Disponível em: . Acessado em: 02/12/2019.

CÂMARA MUNICIPAL DE POÇO VERDE. Dados Municipais. Poço Verde – SE: 2019. Disponível em: . Acessado em: 28/11/2019.

COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS (COPASA). Água não tratada é porta aberta para várias doenças. Disponível em: . Acessado em: 06/12/2019.

GOLDSTEIN, S. T., et al. Cryptosporidiosis: an outbreak associated with drinking water despite state‑of‑the‑art water treatment. Annals of Internal Medicine, v. 124, n. 5, p. 459‑468. Philadelphia – PA: 1996. ISSN: 1539-3704.

IBGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em: . Acessado em: 28/11/19.

IBGE. Cidades e Estados: Brasil / Sergipe / Poço Verde. Disponível em: . Acessado em: 01/02/2020.

JÚNIOR, F. das C. S. C., et al. Saneamento: interferência na saúde pública e no desenvolvimento socioeconômico. Revista da FAESF, vol. 2, n. 3, p. 2- 8, Jul.-Set, Floriano – PI: 2018. ISSN 2594-7125.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Metodologia do Trabalho Científico. Editora atlas. 8ª Ed. São Paulo: 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual integrado de vigilância, prevenção e controle de doenças transmitidas por alimentos. Série A. Normas e Manuais Técnicos. Editora do Ministério da Saúde. Brasília – DF: 2010. ISBN 978-85-334-1718-2.

NAUMOVA, E. N. Mystery of seasonality: getting the rhythm of nature. Journal of Public Health Policy, v. 27, n. 1, p. 2‑12. London – UK: 2006. ISSN 0197-5897

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE (OPAS). Água e Saúde. Brasil: 2001. Disponível em: . Acessado em: 28/11/19.

ROCHA, A. F. da. Instrumentos de Gestão no Estado de Sergipe: Breve Panorama e Perspectivas. Fórum Nacional de Órgãos Gestores das Águas. I Seminário dos Órgãos Gestores de Recursos Hídricos. Fev, 2018. Disponível em: . Acessado em: 01/02/2020

SANTOS, M. K. S., et al. Indicadores de potabilidade da água de um sistema de abastecimento em Caxias – MA. Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão – Facema. Abr-Jun: 460-466. Caxias – MA: 2017. ISSN: 2447-2301.

SEMENZA, J. C., et al. Water distribution system and diarrheal disease transmission: a case study in Uzbekistan. The American Journal of Tropical Medicine and Hygiene, v. 59, n. 6, p. 941‑946. Cleveland – OH: 1998. ISSN: 0002-9637.

SILVA, L. J., et al. Biosorption of cadmium (II) and lead (II) from aqueous solution using exopolysaccharide and biomass produced by Colletotrichum sp. Desalination and Water Treatment, v. 52, n. 40‑42, p. 7878‑7886. London – UK: 2014. ISSN: 1944-3986.

SILVA, R. M. P. da. O meio ambiente na Constituição Federal de 1988. Disponível em: . Publicado em: outubro de 2013. Acessado em: 02/12/2019.

SINGH, S. J.; DEVI, H. P. A study of water‑borne morbidities of Thanga village, Manipur. Journal of Human Ecology, vol. 19, n. 2, p. 103‑105. Kamla-Raj Enterprises. New Delhi – India: 2017. ISSN 2456-6608.

SIQUEIRA, F. G. Avaliação da qualidade microbiológica da água em poços artesianos da comunidade rural Rajadinha – DF. Disponível em: . Acessado em: 28/11/19.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.07.p3675-3688

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License