A Experiência da modernidade e o patrimônio cultural

Sandra Martins

Resumo


Neste texto pretende-se refletir sobre o processo de constituição da noção de patrimônio cultural no mundo a partir de meados do século XVIII e no Brasil a partir dos anos de 1930, tendo como pano de fundo, tanto em termos mundiais quanto em termos nacionais, a modernidade. Trata-se de uma tentativa de fazer aproximações com as idéias de Georg Simmel e Walter Benjamin, enquanto pensadores sobre as transformações que a modernidade trouxe em relação à vida nas metrópoles, e a perspectiva preservacionista adotada desde os primórdios das políticas voltadas para a salvaguarda do patrimônio cultural que, também, como outras políticas de preservação, é fruto das transformações que a modernidade promove.

 

Palavras chave: modernidade, patrimônio cultural, políticas preservacionistas.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com