O terceiro verso da modernidade: o inexistente conceito de tradição e o conceito de tradição modernizada a partir da sociologia da moral

Ricardo Cortez Lopes

Resumo


este trabalho procura refletir sobre um conceito que é utilizado na sociologia e na antropologia de maneira irrefletida: o conceito de tradição. Que nunca é definido claramente, mesmo que possua usos políticos, como o de a ser negação da modernidade tanto no sentido de práticas quanto no de mentalidades. Nesta empreitada vamos primeiramente fazer uma revisão dos usos do conceito que os clássicos e alguns dos seus seguidores empreenderam, para em um segundo momento começar a definir a tradição com o auxílio de Charles Taylor e de Roberto Damatta, buscando aplicar a lógica da multiplicidade à um conceito que nos parece engessado. Chegamos, assim, à tradição primitiva, à tradição axial e à tradição modernizada, as quais exploraremos em nosso texto.


Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. 1996. A economia das trocas lingüísticas. São Paulo: Edusp.

DAMATTA, Roberto. 2000. A casa & a rua : espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco.

___________. 1986. O que faz o brasil, Brasil? Rocco: Rio de Janeiro.

DA SILVA, Rosane Neves. 2004. Notas para uma genealogia da Psicologia Social. Psicologia & Sociedade, Brasília, v. 16, n. 2, p. 12-19.

DEACON, Roger; PARKER, Ben. 1994. Educação como sujeição e como recusa. In: SILVA, Tomás Tadeu. O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis: Vozes.

DURKHEIM, Émile. 1999. Da Divisão Social do Trabalho.São Paulo: Martins Fontes.

EISENSTADT, Shmuel N. 2001. Modernidades múltiplas. Sociologia, problemas e práticas, Lisboa, n. 35, p. 139-163.

FOUCAULT, Michel. 2012. The history of sexuality. Vol. 3: The care of the self. Random House LLC.

GEERTZ, Clifford. 2001. Nova luz sobre a antropologia. Rio de Janeiro : Zahar.

GIDDENS, Anthony. 2013. The constitution of society: Outline of the theory of structuration. Nova Jersey: John Wiley& Sons.

MARIANO, Ricardo. 2003. Efeitos da secularização do Estado, do pluralismo e do mercado religiosos sobre as igrejas pentecostais. Civitas, Porto Alegre, v. 3, n. 1.

MARTINS, Carlos Benedito. 2012. Sociologia e ensino superior: encontro ou desencontro?.Sociologias, Porto Alegre, v. 14, n. 29, p. 100-127.

MARX, Karl; ENGELS, Frederich; COGGIOLA, Osvaldo. 1998. Manifesto comunista.São Paulo: Boitempo Editorial.

MONTERO, Paula. 2006. Religião, pluralismo e esfera pública no Brasil. Novos Estudos-CEBRAP, São Paulo, n. 74, p. 47-65.

OLIVEN, Ruben George. 1991. Em busca do tempo perdido: o movimento tradicionalista gaúcho. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 15, p. 40-51.

RANQUETAT JÚNIOR, Cesar Alberto. 2012. Laicidade à brasileira : um estudo sobre a controvérsia em torno da presença de símbolos religiosos em espaços públicos. Tese de Doutorado em Antropologia Social na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

SANTOMÉ, Jurjo Torres. 1993. Las culturas negadas y silenciadas enelcurrículum. Cadernos de Pedagogia, São Carlos,n. 217, p. 60-66.

SCHWARTZ, Yves. 1996. Trabalho e valor. Tempo social, São Paulo, v. 8, n. 2, p. 147-158.

TAYLOR, Charles. 2010. Uma era secular. São Leopoldo: Ed. UNISINOS.

WEBER, Max. 2006. A ética protestante eo" espírito" do capitalismo. Santiago: Santiago de Compostela.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.