O CORPO ANIMAL COMO SÍMBOLO DO MAL: O VEGETARIANISMO NÃO-ANIMALITÁRIO NO ALVORECER DA IMPRENSA MODERNA DIAMANTINENSE (VIRADA DOS SÉCULOS XIX/XX).

Gustavo Nassar Lopes

Resumo


A entrada de Diamantina na modernidade foi ensaiada pela imprensa, desejosa de banir tradições rurais presentes na urbe. Busca-se disciplinar a relação entre seres humanos com outros animais, no sentido de proscrever a coabitação entre tais, entendida como sintoma de atraso e barbárie. Todavia, num aparente paradoxo, essa vida animal é concomitantemente representada positivamente. Na imprensa diamantinense desponta a figura da crueldade contra animais não-humanos como condenável, também sintoma de atraso e barbárie. Partindo da ideia de que seres humanos (mediante a prominência da imprensa) constroem suas relações cotidianas amarrados às teias de significados que eles mesmos teceram, analiso o substrato comum a essas representações, aproximando-se aqui das abordagens da Nova História Cultural. Especificamente, interessa saber como elas presentificavam uma grade de valores negativos do corpo animal, por sua vez, responsável pelo esvaziamento do vegetarianismo como prática animalitária, interpondo-o como item da ascese cristã contra os ‘prazeres da carne’. 


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. 2013. O aberto: o homem e o animal. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

APROBATO FILHO, Nelson. 2006. O couro e o aço. Sob a mira do moderno: a “aventura” dos animais pelos “jardins” da Paulicéia, final do século XIX/ início do XX. Tese (Doutorado em História). Departamento de História, FFLCH/USP, São Paulo.

BEATSON, Peter. The motorised ark: the impact of modernity on animals. 2009. Disponível em: . Acesso em: 28 nov. 2013. (Artigo disponível na página da Massey University).

DE CERTEAU, Michel. 1994. A invenção do cotidiano: 1; artes de fazer. Trad. De Ephraim Ferreira Alves. Petrópolis: Vozes.

DERRIDA, Jacques. 2002. O animal que logo sou. São Paulo: Unesp.

FARIA, Cátia. 2011. Sobre o bem de tudo e de todos: a conjunção impossível entre ambientalismo e libertação animal. Ágora, Papeles de Filosofia, Santiago de Compostela, v. 30, n. 2, p. 27-41. Disponível em: . Acesso em: 5 jan. 2016.

FELIPE, Sônia T. 2007. Ética e experimentação animal: fundamentos abolicionistas. Florianópolis: Editora da UFSC.

FITZGERALD, Amy J. 2010. A Social History of the Slaughterhouse: From Inception to Contemporary Implications. Human Ecology Review, vol. 17, p. 58-69.

FRANCIONE, Gary. 2013. Introdução aos direitos animais. Campinas: Editora Unicamp.

GOODWIN Jr., James William. 2007. Cidades de papel: imprensa, progresso e tradição. Diamantina e Juiz de Fora (1884-1914). Tese (Doutorado em História). Departamento de História, FFLCH/USP, São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2014.

HARRIS, Marvin. 1978. Vacas, porcos, guerras e bruxas: os enigmas da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

LATOUR, Bruno. 2004. Políticas da natureza. São Paulo/Bauru: Edusc.

LIRA, Luciana. 2013. “O outro lado do muro”: natureza e cultura na ética animalista e no ativismo vegan. Locus: revista Anthropológicas, Recife, v. 24, n. 1, p. 67-102. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. 2016.

MARCUSE, Herbert. 1999. Eros & civilização: uma interpretação filosófica do pensamento de Freud. Rio de Janeiro: LTC.

MARTINS, Marcos Lobato. 2010. O comércio de “gêneros do país” no Mercado de Diamantina, Minas Gerais: décadas de 1880 a 1930. Locus: revista de história, Juiz de Fora, v. 16, n. 2, p. 157-173. Disponível em: . Acesso em: 27 nov. 2014.

MORLEY, Helena. 2011. Minha vida de menina. São Paulo: Companhia das Letras.

PESAVENTO, Jatahy. 2005. História & história cultural. Belo Horizonte: Autêntica.

SAID, Edward. 2007. Orientalismo: o oriente como invenção do ocidente. São Paulo: Companhia das Letras.

THOMAS, Keith. 2001. O homem e o mundo natural: mudanças de atitude em relação às plantas e aos animais (1500-1800). São Paulo: Editora Schwarcz.

WILLIAMS, Raymond. 1990. O campo e a cidade: na história e na literatura. São Paulo: Cia. das Letras.

WOLFE, Cary. 2013. Before the law humans and other animals in a biopolitical frame. Disponível em . Acesso em: 20 out. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.