A Metáfora da Morte: Os ritos de excelência em Morte e Vida Severina

bruno florencio

Resumo


O presente trabalho faz uma analise das praticas fúnebres do catolicismo popular. Como ocorre a convergência do fenômeno religioso do rito com a estrutura da consciência dos praticantes. Usando a obra “Morte e Vida Severina” de João Cabral de Melo Neto como objeto de estudo, tendo a “Eficácia Simbólica” de Lévi-Strauss e a “Prece” de Mauss como base teórica para explicar a relação simbólica do rito, e sua relação logica cultural.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Alceu Maynard. Cultura popular brasileira. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ARIÈS, Philippe. História da morte no ocidente: da idade media aos nossos dias. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

____. O homem perante a morte. Portugal: Europa-americana Ltda., 2000.

CAVA, Ralph Della. Milagre em Joaseiro. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

CONCHE, Marcel. Orientações filosóficas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

CORRÊA, Jose de Anchieta. Morte. São Paulo: Editora Globo, 2008.

D’ASSUMPÇÃO, Evaldo A. Sobre o Viver e o Morrer: Manual de Tanatologia e Biotanatologia para os que partem e os que ficam. Petrópolis: Editora Vozes, 2010.

FACÓ, Rui. Cangaceiros e fanáticos. 7ª. Edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira S.A., 1983.

GREGG, Narber. Entre a cruz e a espada: violência e misticismo no Brasil rural. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2003.

HODGER, Charles. Teologia Sistemática. São Paulo: Hagnos, 2001.

JASPERS, Karl. Introdução ao pensamento filosófico. São Paulo: Cultrix, 1965.

LÉVI-STRAUSS, Claude. A eficácia simbólica. In: LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. São Paulo: Cosac Naify. 2008, p. 265-291.

MENEZES, Renata de Castro. Marcel Mauss e a sociologia da religião. In: TEIXEIRA, Faustino (Org.). Sociologia da religião. 4ª. edição. Petrópolis: Editora Vozes, 2003. p. 94-116.

MAUSS, Marcel. A prece. In: OLIVEIRA, Roberto Cardoso de (Org.). São Paulo: Ática, 1979, p. 103-117.

REIS, João José. A morte é uma festa: Ritos fúnebres e a revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1998.

____. O cotidiano da morte no Brasil oitocentista. In: ALENCASTRO, Luiz Filipe de (Org.). História da vida privada no Brasil: Império: a cortea modernidade nacional. São Paulo: Companhia das Letras, v. 2, p. 96-140, 1997.

RODRIGES, Neves; SILVA, Jane Nunes e. Ritos fúnebres populares do Maranhão. São Luiz: Edições UFMA, 1981.

ROCHA, Ewelter. Cantar os mortos: Benditos fúnebres nas sentinelas do Cariri (CE). Revista Anthropológicas, Recife, ano 10, v. 17 (1), p. 49-66, jan./jul. 2006.

SANTANA, Manoel Henrique de Melo. Incelências: o povo canta seus mortos. Revista Incelência, v. 2, n. 1, p. 86-96. 2011.

SCIACCA, Michele Federico. Morte e Imortalidade. São Paulo: Realizações Editora, 2011.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.