Imagens humanitárias do Sertão e da África: a atuação dos “braços sociais” do Caminho da Graça em Tuparetama e Dakar

Gilson Rodrigues Jr

Resumo



A presente proposta surge como parte das reflexões da tese de doutorado , através da qual se pretende desenvolver uma etnografia da rede de atuação dos chamados "braços sociais" do movimento religioso Caminho da Graça. Tratam-se de duas agências humanitárias: SOS Religar, que atuava no Sertão do Pajeú até meados de 2015; e Caminho Nações, atuante na Nigéria e no Senegal. 

A partir de situações suscitadas durante o trabalho de campo desenvolvido até aqui, venho me debruçando acerca da interface entre Estado, Humanitarismo e Religião. Dentre as questões que pretendo compreender, encontra-se a relação existente entre a defesa da urgência da ajuda humanitária, enquanto expressão da compaixão, e a manutenção de desigualdades, advindas destas mesmas ações. Tal questão surge a partir da informações obtidas em campo, acompanhando as intervenções realizadas, ou mesmo nas conversas e entrevistas já realizadas. Percebe-se a construção de "tipos ideais" de vulneráveis, os quais parecem inseparáveis de uma invenção de um Sertão Nordestino e de uma África precarizados. Não se trata aqui de relativizar fatores objetivos como a miséria socioeconômica e simbólica em que tais grupos possam se encontrar, mas como se estabelecem as relações de poder, e como parecem contribuir para a manutenção de desigualdades entre os referidos agentes - e com isso, regiões e/ou nações; classes sociais; raças/etnias; e uma perspectiva religiosa - e aqueles que merecem ser alvo de sua ajuda.

Ainda que o trabalho aponte para especificidades de cada local, e seus públicos-alvo, assim como aqueles que participam mais ativamente de cada uma delas, percebe-se, preliminarmente, alguns convergências: um movimento geopolítico inter-regional e transnacional que tem chamado atenção, suscitando uma discussão sobre processos neocolonizadores e a culpabilização das dinâmicas culturais locais, apontadas como um obstáculo a implementação de melhorias. 

A questão dos movimentos geopolíticos chama a atenção por ser uma prática humanitária "sul-sul", e não "norte-sul", como ocorre habitualmente, sendo idealizada e liderada por grupos de brasileiros que se direcionam para cada uma dessas regiões. Neste sentido, ainda que se adote uma perspectiva crítica, em diálogo com os trabalhos de Didier Fassin, e outros estudiosos, tem sido indispensável compreender as concepções de humanitarismo dos agentes em questão, e como eles buscam diferenciar-se de outras práticas humanitárias, uma vez que parecem concordar que estas, sim, contribuem para a perpetuação de desigualdades, pois dependem disso para continuar existindo, e, consequentemente, não trabalham de maneira a "gerar consciência" naqueles para quem se dirigem. 

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JR, Durval Muniz. 2011. A invenção do Nordeste e outras artes. São Paulo: Cortez.

ARENDT, Hanna. 2007. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

BOLTANSKI, Luc. 1993. La souffrance à Distance: moral humanitaire, médias e politique. Éditions Métailié. Paris.

BOLTANSKI, Luc; CHIAPELLO, Ève Chiapello. 2009. O novo espírito do Capitalismo. São Paulo: Editora Martins Fontes.

BORNSTEIN, Erica. 2005. The spirit of development: protestant NGOs, morality and economics in Zimbabwe. Stanford University Press. Stanford, California.

BORNSTEIN, Erica. The Verge of Good and Evil:Christian NGOs and Economic Development in Zimbabwe.PoLAR: Vol. 24, No. 1.

BOURDIEU, Pierre. 2007. A distinção: critica social do julgamento. ZOUK.

____. 2009. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

CARDOSO, Ruth. 1996. A aventura antropológica. Paz e Terra Antropologia.

DUARTE, Luiz Fernando Dias; GOMES, Edlaine de Campos. 2008. Três famílias: identidades e trajetórias transgeracionais nas Classes Populares. Rio de Janeiro: Editora FGV.

EVANS-PRITCHARD, E.E. 2005. Bruxaria, Oráculos e Magia entre os Azande. Rio de Janeiro: Zahar.

FAVRET-SAADA, J. 2005. Os Afetos, a etnografia. Cadernos de Campo, n.13.

ELIAS, Norbert. 1994. O Processo Civilizador. v.1. Rio de Janeiro: Zahar.

FASSIN, Didier; BOURDELAIS, Patrice. 2005. Les contructions de l’intorelable: etudes d’anthrolopologieetd’histoiresur les frontiers de l’espace moral. Paris.

FASSIN. 2010. La raison humanitaire: une histoiremoraledutempsprésent.

KUNDERA, Milan. 2008. A insustentável leveza do ser. São Paulo: Cia das Letras.

LATOUR, Bruno. 2002. Reflexão sobre o culto moderno dos deuses fe(i)tiches. Bauru-SP: EDUSC.

____. 2012. Reagregando o social: uma introdução à teoria do Ator-rede. Bauru-SP: EDUSC.

MARCUS, George. 1995. Ethnografy in/of the world Sistem: the emergency of multi-sited ethnografy. In: AnnualReviewsAnthropology, v.24, p. 95-117.

QUINTELLA, Marcelo. 2012. Missão: salvar “crianças- bruxas”: diário fotográfico de uma expedição brasileira à África Ocidental. Brasília: Associação Humanitária Caminho das Nações – Way totheNations.

RAMOS, Alcida. 2011. Indigenismo:um orientalismo americano. In: Anuário Antropológico, 2011-1, 2012:27-48.

REZENDE, Adriana Viana B. de. 2004. Direitos, moralidades e desigualdades: considerações a partir de processos de guarda de filhos. In: KANT, Roberto (Org.). Antropologia e direitos humanos 3. Niterói, RJ: EDUF.

RODRIGUES JR.. Gilson J.R.. 2010. “Família para quem precisa...”: Estado, instituições, políticas públicas e classes populares na construção de uma moral familiar. Dissertação defendida para obtenção de Título de Mestre no Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Pernambuco. Pernambuco.

SAID, Edward. 2007. Orientalismo: a invenção do Oriente pelo Ocidente. São Paulo: Cia das Letras.

TAYLOR, Charles. 2013. A era secular. Instituto Piaget, Lisboa, Portugal.

VIVEIROS de CASTRO, Eduardo. 2002. O nativo relativo. Mana, V. 8, Rio de Janeiro

WAGNER, Roy. 2010. A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify.

WEBER, Max. 1996. A ética protestante e o espírito do Capitalismo. Livraria Pioneira Editora. São Paulo-SP.

_____. 2014. Economia e Sociedade. V.1. Editora UNB, Brasília.

WITGENSTEIN, Ludwig. 1999. Investigações filosóficas. São Paulo: Editora Nova Cultura.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.