Emoção e morte: dores do desejo de ser travesti no Nordeste brasileiro

Verônica Alcântara Guerra

Resumo


Este artigo é um estudo de caso sobre as dores e o desejo de assumir a travestilidade no interior de uma cidade nordestina, no seio de uma família conservadora; fruto de uma pesquisa etnográfica empreendida nos anos de 2009 e 2010, período inicial das reflexões sobre as diversas formas de empreender a travestilidade e a ressignificação das relações familiares após as travestis saírem de casa. Para tanto, o estudo de caso revisitará a trajetória de uma jovem travesti sob a luz das emoções, moralidades e o sentimento de luto diante da trágica morte de Angel, nome fictício da personagem. Estudar sobre travestilidades, em especial no Nordeste brasileiro, fala mais sobre como a sociedade negocia a moralidade do que mesmo sobre as próprias travestis que invertem e subvertem as lógicas normativas do corpo em prol da vontade de estar no mundo como se deseja.


Texto completo:

PDF

Referências


AGNOLETI, Michelle Barbosa. 2014. A transmigração no espaço, no corpo e na subjetividade: deslocamentos de fronteiras na experiência de travestis paraibanas na Itália. Tese de doutorado em Sociologia. Universidade Federal da Paraíba João Pessoa.

BARBOSA, Raoni Borges. 2015. Medos corriqueiros e vergonha cotidiana: um estudo em antropologia das emoções. Recife: Ed Bagaço/ GREM.

CAMPOS, Roberta Bivar Carneiro. 2002. “Sofrimento, misericórdia e caridade em Juazeiro do Norte: uma visão antropológica das emoções na construção da sociabilidade”, Ciência & Trópico, 30 (2): 253-266.

FOUCAULT, Michel. 2014. História da sexualidade 3: o cuidado de si. São Paulo: Editora Paz e Terra.

GODELIER, Maurice. 2011. O enigma do dom. Rio de Janeiro: Ed Civilização brasileira.

GUERRA, Verônica Alcântara Guerra. 2015. Sou Salobra: travestilidade, lazer e sociabilidade no Litoral Norte da Paraíba. Dissertação de mestrado em Antropologia. João Pessoa: Programa de Pós-graduação em Antropologia/UFPB.

KOURY, Mauro Guilherme Pinheiro Koury. 2004. Introdução à sociologia da emoção. João Pessoa: Ed Manufatura / GREM.

PELÚCIO, Larissa. 2009. Objeção: uma etnografia travesti sobre o modelo preventivo da aids. São Paulo: Ed Annablume; FAPESP.

PISCITELLI, Adriana. 2008. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, v.11, n.2, jul/dez.

REESINK, Mísia Lins. 2012. Quando lembrar é amar: tempo, espaço, memória e saudade nos ritos fúnebres católicos. Etnográfica, 16 (2): 365-386.

Scott, Parry. 2011. Famílias brasileiras: poderes, desigualdades e solidariedades. Ed Recife: Editora Universitária UFPE.

SCOTT, Russell Parry. 2014.. Migrações interregionais e estratégia doméstica: nordestinos, mobilidade e a casa até os anos 80. Recife: Ed UFPE.

SCOTT, Parry; VICENTE. Mariama; NÓBREGA, Leonardo; ACIOLY. Rafael. 2015. As rearticulações de sociabilidade decorrentes de migrações internacionais. Áltera - Revista de Antropologia, João Pessoa, v. 1, n. 1, p. 37-55, jul./dez.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.