Quem vem lá sou eu: a política do samba de roda em Cachoeira-Bahia

Caio Csermak

Resumo


Este artigo analisa a relação entre música e política no contexto de patrimonialização do samba de roda do município de Cachoeira-Bahia, identificando seus efeitos tanto sobre o conteúdo deste gênero coreográfico-musical, como sobre a atuação política de sambadores. Busco relacionar dois conjuntos de questões: o primeiro se relaciona ao conteúdo do samba de roda e identifica quais são os discursos de distintos atores sobre este gênero; o segundo diz respeito aos sujeitos do samba de roda e descreve quais os modos de organização social dos sambadores e como estes se relacionam com outros grupos sociais. A conclusão é que os grupos de samba de roda se tornaram o principal, porém não único, modelo de organização social dos sambadores. Para tanto, apresento dados de etnografia realizada junto aos sambadores de Cachoeira e a revisão bibliográfica de estudos sobre o samba de roda nas áreas da Antropologia Política e Etnomusicologia.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com