A experiência dos Conselhos Comunitários de Segurança Pública: Participação e Sociabilidade Violenta

Jussara Freire

Resumo


Partindo da descrição in situ do Curso de Capacitação dos Conselheiros Comunitários de Segurança Pública (CCS) e no IV Fórum dos CCS, organizados pelo Instituto de Segurança Pública (ISP) em 2007, proponho descrever e interpretar algumas interações entre os conselheiros, os docentes, os monitores e os diversos protagonistas do ISP ao longo destes eventos. Buscarei analisar como estas situações problematizam o tema da “violência urbana”. Dessa forma, a apresentação prévia das seqüências destes encontros permitirá refletir sobre as diversas competências dos sujeitos políticos engajados na problematização da “violência urbana” e da “segurança pública”. Paralelamente, a descrição densa destas interações terá como objetivo apreender as vulnerabilidades de certos atores que participam destes eventos. Mostrarei como certas percepções decorrem da sociabilidade violenta (cuja conseqüência é o silenciamento) e da pluralidade de arenas presentes nestas ocasiões. Em resumo, esta abordagem possibilitará entender as potencialidades de certos conselhos, mas também algumas dificuldades de seus atores administrarem uma grande diversidade de vozes em torno de uma causa comum, uma vez que a pluralidade realça, em alguns contextos e lugares do estado do Rio de Janeiro, a vulnerabilidade do sujeito político. O silenciamento será assim analisado como a alternativa de certos sujeitos políticos, apesar de buscar uma visibilidade no espaço público. Palavras-chave: Participação, “violência urbana”, conselhos comunitários.


Texto completo:

PDF

Referências


BOLTANSKI, Luc e THÉVENOT, Laurent. 1991. De la justification. Les économies de grandeur. Paris: Gallimard.

BRODEUR, Jean-Paul. 2004. Por uma sociologia da força pública: considerações sobre a força policial e militar. Caderno CRH, Salvador, vol. XVII, n 42, p. 481-489.

CEFAÏ, Daniel. 1996. La construction des problèmes publics. Définitions de situations dans des arènes publiques. Revue Réseaux, Paris, n 75.

DELEUZE, Gilles. 1988. Le pli : Leibniz et le baroque. Paris: Minuit.

FREIRE, Jussara. 2005. Sensos do justo e problemas públicos em Nova Iguaçu. Doutorado em Sociologia, IUPERJ (tese), mimeo.

FREIRE, Jussara. 2007. Elevar a voz em uma ordem violenta: a indignação colocada à prova pelo silêncio. In: MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. (org.) Rompendo o cerceamento da palavra: a voz dos favelados em busca de reconhecimento. Relatório de pesquisa FAPERJ, (mimeo).

GARFINKEL, Harold. 1967. Studies in ethnomethodology. Nova Jersey: Englewood Cliffs/ Prentice Hall.

GOFFMAN, Erving. 1991. Les cadres de l'expérience. Paris: Ed. de Minuit.

GEERTZ, Clifford. 1989. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora S.A.

GUSFIELD, Joseph R. 1981. The culture of public problems: drinking-driving and the symbolic order. Chicago: The University of Chicago Press.

LEITE, Márcia Pereira e MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. 2007. Human Rights, Poverty and Violence in the favelas of Rio de Janeiro. Document for the International Restitution Meeting, Small Grants Program for Research on Poverty and Human Right/Unesco, Lisboa, mimeo.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. 1993. Violência urbana: representação de uma ordem social. In: NASCIMENTO, Elimar e BARREIRA, Irlys. (orgs.) Brasil urbano: cenários da ordem e da desordem. Rio de Janeiro: Notrya.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. 2004. Sociabilidade violenta: uma dificuldade a mais para a ação coletiva nas favelas. In: MACHADO DA SILVA, L. A. et alli. Rio: a democracia vista de baixo. Rio de Janeiro: IBASE.

MACHADO DA SILVA, Luiz Antonio. (org.) 2007. Rompendo o cerceamento da palavra: a voz dos favelados em busca de reconhecimento. Relatório de pesquisa FAPERJ, mimeo.

MEAD, George. 1967. Mind, Self, and Society. Chicago: University of Chicago Press.

SOUZA TEIXEIRA, Paulo Augusto. 2005. “Os Conselhos e Cafés Comunitários de Segurança Pública/RJ no Contexto Democrático” In VI RAM - Reunião de Antropologia do Mercosul , Montevideo, novembro de 2005. Trabalho disponível no site http://urutau.proderj.rj.gov.br/isp_imagens/Uploads/Artigo2005003.pdf consultado em abril de 2008.

THEVENOT, Laurent. 1994. Le régime de familiarité; des choses en personnes. Genèses, n°17, septembre, p.72-101. (1999) Faire entendre une voix. Régimes d'engagement dans les mouvements sociaux. Mouvements, n3, mars-avril, p.73-82.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.