Vergonha cotidiana, ofensa moral e ressentimento: as dimensões emocionais e morais dos rituais cotidianos de interação

Raoni Borges Barbosa

Resumo


Este artigo objetiva uma reflexão conceitual sob a ótica da antropologia das emoções e da moralidade de rituais cotidianos de interação entre atores sociais que se classificam e classificam o outro a partir de um jogo de disputas morais caracterizado por práticas de envergonhamento, ofensa moral e ressentimento. Neste sentido, discute a vergonha como emoção central de uma sociabilidade dada, isto é, como elemento basilar do giroscópio moral de uma cultura emotiva específica, assim como problematiza o uso oportuno e conveniente da ofensa moral como estratégia de desfiguração do outro em contextos de luta por reconhecimento e poder. Coloca, ainda, a questão do ressentimento como uma experiência emocional e moral resultante de humilhações que extrapolam os limites publicamente estabelecidos de normalidade normativa e da vergonha cotidiana. Experiência esta que provoca no indivíduo relacional ressentido uma dor social resultante de práticas de ataque à honra e de destruição da sua linha e fachada Palavras-chaves: vergonha cotidiana, ofensa moral, ressentimento, ordem moral e interacional, emoções e moralidade


Texto completo:

PDF

Referências


ANSART, Pierre. 2001. História e Memória dos Ressentimentos. In: Stella Bresciani e Márcia Naxara (Orgs). Memória e (Res)sentimento: Indagações sobre uma questão sensível. Campinas: EdUNICAMP, pp. 15-36.

ANSART-DOURLEN, Michèle. 2009. O ressentimento e a igualdade: contribuição para uma antropologia filosófica da democracia. In: Stella Bresciani; Márica Naxara (Orgs.). Memória e (Res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. Campinas: EdUNICAMP, pp. 347-365.

BECKER, Howard. 2008. Outsiders: Estudos de sociologia do desvio. Rio de Janeiro: Jorge Zahar..

BOURDIEU, Pierre. 1971. Sentimento da honra na sociedade Cabília. In: J.G. Peristiany (org.). Honra e Vergonha: valores das sociedades mediterrânicas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, pp. 157-195.

BRITO, Simone Magalhães. 2011. Traçando os limites da sociologia da moralidade: uma perspectiva adorniana. Estudos de Sociologia, v.1, n.17, pp. 1-17.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Luís Roberto. 1996. Justiça, Solidariedade e reciprocidade: Habermas e a Antropologia. In: Roberto Cardoso de Oliveira & Luís Roberto Cardoso de Oliveira: Ensaios Antropológicos sobre Moral e Ética. Rio de Janeiro: Ed. Tempo Brasileiro, pp. 143-158.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Luís Roberto. 2008. Existe violência sem agressão moral? Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 23, n. 67, pp. 135-146..

CARDOSO DE OLIVEIRA, Luís Roberto. 2011. Direito legal e insulto moral: Dilemas da Cidadania no Brasil, Quebec e EUA. Rio de Janeiro: Garamond.

CLARK, Candance. Emotion and micropolitics in everyday life: some patterns and paradoxes of ‘Place’. In: Theodore D. Kemper (ed.). Research Agenda in the Sociology of Emotions. State University of New York Press, pp. 305-333.

COELHO, Claudia. 2010. Narrativas da violência: a dimensão micropolítica das emoções. Mana, v. 16, n. 2, pp. 265-285.

ELIAS, Norbert. 1994. A sociedade dos indivíduos, Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

ELIAS, Norbert e SCOTSON, John L. 2000. Os Estabelecidos e os Outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora.

GEERTZ, Clifford. 2004. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. 7ª edição, Petrópolis: Vozes.

GIDDENS, Anthony. 2013. Goffman: um teórico social sistemático. In: Maria Claudio Coelho (Org. e tradução). Estudos sobre interação: textos escolhidos. Rio de Janeiro: EdUERJ, pp. 285-327.

GOFFMAN, Erving. 2012. Ritual de interação: ensaios sobre o comportamento face a face. Petrópolis: Vozes.

GOFFMAN, Erving. 2012a. Os quadros da experiência social: uma perspectiva de análise. Petrópolis: Vozes.

GOFFMAN, Erving. 2014. Sobre o resfriamento do marca: alguns aspectos da adaptação ao fracasso. RBSE – Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v. 13, n. 39, pp. 269-286.

GOUDSBLOM, Johan. A Vergonha: uma dor social. In.: Ademar Gebara/ Cas Wouters (Orgs.) O controle das emoções. João Pessoa: EdUFPB, 2009, pp. 47-60.

HUGHES, Everett C. 2013. As boas pessoas em trabalho sujo. In: Maria Claudia Coelho (Org.). Estudos sobre interação: textos escolhidos. Rio de Janeiro: EdUERJ, pp. 91-108.

JASPERS, Karl. 1974. Die Schuldfrage: Von der politischen Haftung Deutschlands. München: Piper.

KATZ, Jack. 2013. Massacre justo. In: Maria Claudia Coelho (Org.). Estudos sobre interação: textos escolhidos. Rio de Janeiro: EdUERJ, pp. 211-284.

KONSTAN, David. 2009. Ressentimento: História de uma emoção. In: Stella Bresciani; Márica Naxara (Orgs.). Memória e (Res)sentimento: indagações sobre uma questão sensível. Campinas: EdUNICAMP, pp. 59-80.

KOURY, Mauro Guilherme Pinheiro. 2003. O local enquanto elemento intrínseco da pertença. In: Cláudia Leitão (Org.), Gestão Cultural. Fortaleza: Banco do Nordeste, pp. 75-88.

LUTZ, Catherine A. 1988. Unnatural emotions: everyday sentiments on a Micronesian atoll and their challenge to Western theory. Chicago: University of Chicago Press.

MAUSS, Marcel. 2003. Ensaio sobre a dádiva: forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: Marcel Mauss, Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, pp. 183-314.

MEAD, George H. 1973. Espíritu, persona y sociedad: Desde el punto de vista del conductivismo social. Buenos Aires: Paidós.

MOORE Jr., Barrington. 1987. Injustiça: as bases sociais da obediência e da revolta. São Paulo: Brasiliense.

PITT-RIVERS, Julian. 1971. Honra e Posição Social. In: J. G. Peristiany (Org.). Honra e Vergonha: Valores das Sociedades Mediterrânicas. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

SCHEFF, Thomas J. 1990. Microsociology: discurse, emotion and social structure. Chicago: University of Chicago Press.

SIMMEL, Georg. 1970. O indivíduo e a díade. In: Fernando Henrique Cardoso & Octávio Ianni (Orgs). Homem e Sociedade. 5ª edição, São Paulo: Editora Nacional, pp. 128-135.

SIMMEL, Georg. 1986. El secreto y la sociedad secreta. In: Sociología 1: Estudios sobre las formas de socialización. Madrid: Alianza Editorial, pp. 357-424.

SIMMEL, Georg. 1986a. La ampliación de los grupos y la formación de la individualidad. In: Sociología 2: Estudios sobre las formas de socialización. Madrid: Alianza Editorial, pp. 741-807.

SIMMEL, Georg. 2013. A tríade. In: Maria Claudio Coelho (Org. e tradução). Estudos sobre interação: textos escolhidos. Rio de Janeiro: EdUERJ, pp. 45-74.

TRAJANO FILHO, Wilson. 2010. Território e idade: ancoradouros do pertencimento nas manjuandadis da Guiné-Bissau. In: Wilson Trajano Filho. Lugares, pessoas e grupos: as lógicas do pertencimento em perspectiva internacional. Brasília: ABA Publicações / Ed. Athalaia, pp. 227-257.

WERNECK, Alexandre. 2009. O invento de Adão: O papel do ato de dar uma desculpa na manutenção das relações sociais. Tese. IFCS/UFRJ.

WERNECK, Alexandre. 2011. O egoísmo como competência: um estudo de desculpas dadas nas relações de casal como forma de coordenação entre bem de si e moralidade. Revista de Antropologia, v. 54, n. 1, pp.133-190.

WERNECK, Alexandre. 2015. “Dar uma Zoada”, “Botar a Maior Marra”: Dispositivos Morais de Jocosidade como Formas de Efetivação e sua Relação com a Crítica. DADOS – Revista de Ciências Sociais, v. 58, n. 1, pp. 187- 221.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.