Notas para estudo das imagens de índios Potiguara

João Martinho Braga de Mendonça

Resumo


Esse artigo tem por objetivo fornecer um breve relato e algumas reflexões acerca de experiências de pesquisa com imagens dos índios Potiguara. Parte-se do levantamento de imagens pré-existentes para chegar às diversas produções atuais que mostram aspectos da realidade indígena do Litoral Norte da Paraíba. Diversos métodos são empregados, desde levantamentos em acervos públicos e particulares até histórias de vida e elicitação por imagens. Assim, experiências e imagens relacionadas a diversas aldeias servem de base para uma reflexão que busca analisar as diferentes intenções, significados e posições ocupadas pelos sujeitos envolvidos. Conclui-se, ao longo do percurso, que a pesquisa levou à abertura de um campo imagético específico, a partir do qual várias questões podem ser elaboradas no sentido de um entendimento mais amplo das práticas e das expectativas dos Potiguara acerca do papel das imagens em suas vidas. Palavras-chave: índios Potiguara; imagens; memória; acervos.


Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. 1992. Observações sobre a epistemología das ciencias humanas. In:Estética da criação verbal. São Paulo:MartinsFontes.

BANKS, Marcus. 2009. Dados visuais para pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Artmed.

CAIUBY NOVAES, Sylvia. 2010. O Brasil em imagens: caminhos que antecedem e marcam a antropologia visual no Brasil. In: MARTINS, C. B. e DUARTE, L. F. D. (Coords.) Horizontes das ciências sociais no Brasil: Antropologia. São Paulo: Discurso Editorial/ANPOCS, p.457-487.

ECKERT, Cornélia; ROCHA, Ana Luiza Carvalho. 2006. Antropologia nas interfaces no mundo do hipertexto.In:Cadernos de Antropologia e Imagem, Rio de Janeiro:Contra-Capa, nº 22, vol.1, pp.27-44.

FERNANDES, João Batista. 1973. Rio Tinto o extinto. Rio Tinto.

FERRAZ, A. L. e MENDONÇA, J. M. (orgs.). 2014. Antropologia visual: perspectivas de ensino e pesquisa. Brasília: ABA. Disponível em: . Acesso em: 20/09/2016.

FLUSSER, Vilém. 2008. O universo das imagens técnicas. São Paulo: Annablume.

FRANCE, Claudine de. 1998. Cinema e Antropologia. Campinas: Unicamp.

GONÇALVES, Marco Antonio. 2008. O real imaginado. Rio de Janeiro: Topbooks.

GERLIC, Sebastián e ZOETTL, Peter Anton (orgs.). 2011. Índios na visão dos índios: Potiguara. Salvador: Thydêwá.

GUNN, Philip e CORREIA, Telma de B. 2002. “O hábitat operário no nordeste industrial: os núcleos fabris de Paulista e Rio Tinto”. In PANET, A. et al.Rio Tinto: estrutura urbana, trabalho e cotidiano. João Pessoa: UNIPÊ, p. 137-161.

IBGE. 2012. Os indígenas no censo demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE.

MARCUS, George. 1991. Identidades passadas, presentes e emergentes: requisitos para etnografias sobre a modernidade no final do século XX ao nível mundial. Revista de Antropologia. São Paulo, USP, nº 34, pp.197-221.

MEAD, Margaret and BATESON, Gregory. 1962. Balinese Character. A Photographic Analysis.New York: Special Publications of New York Academy of Sciences, vol. 2 (original de 1942).

MENDONÇA, João Martinho de. 2005. Pensando a visualidade no campo da antropologia: reflexões e usos da imagem na obra de Margaret Mead, Campinas, Tese de Doutoramento (IA-Unicamp).

MOONEN, Frans. 1986. “História da Conquista do Território Potiguara: 1500 a 1985” in Cadernos Paraibanos de Antropologia, nº 2, João Pessoa, UFPB, pp. 83-102.

________. 1992. “Os Índios Potiguara da Paraíba”. In: MOONEN, F. e MAIA, Luciano M. (Orgs.) Etnohistória dos Índios Potiguara. João Pessoa, Procuradoria da República na Paraíba / Secretaria da Educação e Cultura do Estado da Paraíba.

PALITOT, Estevão. 2005. Os Potiguara da Baía da Traição e Monte-Mór: História, Etinicidade e Cultura, Dissertação de Mestrado, PPGS (UFPB-UFCG).

PANET, Amélia. 2002. “Rio Tinto: história, arquitetura e configuração espacial”. In PANET, A. et al.Rio Tinto: estrutura urbana, trabalho e cotidiano. João Pessoa: UNIPÊ, p. 17-63.

ROUCH, Jean. 1975. The câmera and man.In: HOCKINGS, P. (ed.) Principles of visual anthropology. The Hague: Mouton, p. 83-102.

SAMAIN, Etienne. 1998. “No fundo dos olhos: os futuros visuais da antropologia” in Cadernos de Antropologia e Imagem 6. Imagens diversas, Rio de Janeiro, PPCIS/UERJ/NAI, pp. 141-158.

_______. 2004. “BalineseCharacter (re)visitado. Uma introdução à obra visual de Gregory Bateson e Margaret Mead” in ALVES, André. Os Argonautas do Mangue, Campinas, Editora Unicamp/ Imprensa Oficial, pp. 15-72.

______. 1995. “‘Ver’ e ‘dizer’ na tradição etnográfica: Bronislaw Malinowski e a fotografia” in Eckert, Cornélia e Godolphin, Nuno. (orgs.) Horizontes Antropológicos. Antropologia Visual, Porto Alegre, PPGAS/UFRGS, nº 2, pp. 19-48.

SOLER, Juan. 2012. Paraíba Potiguara/ Juan Soler e Lusival Barcellos. João Pessoa: UFPB.

SZTUTMAN, Renato. 2004. Jean Rouch: um antropólogo-cineasta. In: NOVAES, SyviaCaiuby et al. (Orgs.). Escrituras da Imagem. São Paulo: FAPESP/EDUSP, p. 49-62.

VALE, Eltern Campina. 2012. Da aldeia da preguiça à ativa colmeia operária: o processo de constituição da cidade-fábrica Rio Tinto - Parahyba do Norte – 1917-1924. Revista Crítica Histórica, Ano III, Nº 5, Julho.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.