MEMÓRIA EM VERSOS: Saberes silenciados no culto Iorubá à Ifá.

Patricia Silva Mota

Resumo


A retórica da modernidade em seus dois eventos históricos, as colonizações e a revolução industrial, marcaram a humanidade com o discurso da homogeneização, pela busca da vida boa e civilizada. Pretende-se abordar, nesse artigo, os saberes silenciados, a cultura, a crença e a injustiça cognitiva, decorrente dessa retórica. Portanto, apresentar-se-á, parte do culto Iorubá à Ifá, um oráculo que contem o Odù-Corpus, apresentado através de dezesseis sinais que combinados entre si formam duzentos e cinquenta e seis sinais secundários, estes contem versos, histórias, que em Iorubá são chamados de Itan. Os itans possuem em sua narrativa reflexões para o autodesenvolvimento e autoconhecimento. O embasamento teórico está situado nos escritos de B. Santos, G. Spivak, W. Bascom e M. Heidegger. 

Palavras Chave: Modernidade. Pós Colonialismo. Saberes ausentes. Culto Iorubá à Ifá. Homem e mundo.  


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com