A constituição da pessoa ogã no Xangô Renovado de Pernambuco (modelo Ilê Obá Aganjú Okoloyá

Pedro Henrique Germano de Lima

Resumo


O Xangô, religião de matriz africana presente em Pernambuco, é uma religião que “constitui” pessoas num longo processo chamado de iniciação, assim ocorre no Ilê Obá Aganjú Okoloyá (IOAO), terreiro de tradição nagô do Recife e campo empírico dessa pesquisa. Ao ingressarem na hierarquia religiosa do IOAO os fiéis tem seus “dons” identificados pelo jogo de búzios e, a partir daí, são encaminhados aos rituais específicos que contribuem para a atualização de suas características sagradas. A iniciação ritual precisa ser ampliada/completada, porém nunca substituída, pela participação do fiel nos diversos rituais do terreiro. Concluímos que a pessoa ogã no IOAO é constituída/instituída misticamente pelos dons (impostos pelos orixás), e ritualmente – e por isso socialmente – pela iniciação (conduzidos pelos orixás e pelo terreiro como um todo) e participação nos e com os rituais dirigidos ao seu orixá individual e, ainda, demais rituais do terreiro.

Texto completo:

PDF

Referências


AUGRAS, Monique. O Duplo e a Metamorfose: A Identidade Mítica em Comunidades Nagô. Petrópolis: Vozes, 1983.

_____________ & CORRÊA, A. M. O objeto de desejo – a identificação do dono da cabeça no candomblé. In: Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, 31 (1): 37-52, jan/mar. 1979.

ANJOS, José Carlos G dos. No território da Linha Cruzada: a cosmopolítica afro-brasileira. Porto Alegre: Editora da UFRGS/Fundação Cultural Palmares, 2006.

BASTIDE, Roger. As religiões africanas no Brasil: contribuição a uma sociologia das interpenetrações de civilizações. São Paulo: Pioneira : Ed. Univ. S. Paulo, 1971.. 2v. - (Biblioteca pioneira de ciências sociais: Sociologia)

_____________Estudos afro-brasileiros. São Paulo: Perspectiva, 1973.

_____________O candomblé da Bahia: rito nagô. Tradução: Maria Pereira Isaura de Queiroz; revisão técnica: Reginaldo Prandi. São Paulo, Companhia das Letras, 2001.

_____________O sagrado selvagem e outros ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

BIRMAN, Fazer estilo criando gêneros: possessão e diferenças de gênero em terreiros de Umbanda e Candomblé no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: edUERJ: Relume Dumará, 1995

BRANDÃO, Maria do Carmo Tinoco Brandão. Organização econômica dos Xangôs Tradicionais e Umbandizados do Recife-PE. Tese de doutorado em Antropologia Social, USP. Universidade de São Paulo, USP, Brasil, 1986.

BOYER, Veronique. Le don et l’initiation. L’Homme (138), pp. 7-34. 1996

FALCÃO, Christiane Rocha. Ele já nasceu feito: O lugar da criança no Candomblé. 2010. 122p. Dissertação (mestrado em Antropologia) Universidade Federal de Pernambuco, Recife 2010.

GOLDMAN, Márcio. A possessão e a construção ritual da pessoa: a possessão no Candomblé. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1984

_______________A construção ritual da pessoa: a possessão no Candomblé. In Religião e Sociedade 12 (1): 22-54 (ago. 1985)

_______________Alguma antropologia. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Núcleo de Antropologia da Política, 1999. (coleção antropologia da política; 7)

_____________Os Tambores dos Mortos e os Tambores dos Vivos. Etnografia, Antropologia e Política em Ilhéus, Bahia. Revista de Antropológia, vol. 46, n. 2,São Paulo, USP. 2003.

_______________How to learn in na Afro-brazilian spirit possession religion. Ontology of candomblé. In: R. Sarró e D. Berliner (eds) Learning Religion. Anthropological Approaches, Oxford, Berghahn Books, pp. 103-119.

_______________História, devires e fetiches das religiões afro-brasileiras: ensaio de simetrização antropológica. In: Análise Social, vol. XLIV (190), 105-137. 2009.

_______________O dom e a iniciação revisitados: o dado e o feito em religiões de matriz africana no Brasil. In: Mana 18(2): 269-288, 2012.

HALLOY, Arnaud. Incorporar os deuses: dispositivos pragmáticos do transe de possessão religiosa no culto Xangô de Recife (primeiras pistas). In: Para além da eficácia simbólica: estudos em ritual, religião e saúde. Org: Fátima Tavares e Francesca Bassi. Salvador, Edufba, 2013.

LÉPINE, Claude. Análise Formal do Panteão Nagô. In: MOURA, Carlos Eugênio M. de (org.) Bandeira de Alairá: Outros escritos sobre a religião dos Orixás. São Paulo: Nobel, 1982.

_____________ Os estereótipos da personalidade no candomblé nagô. In: MOURA, Carlos Eugênio M. de (org.) Olóòrisá – escritos sobre a religião dos orixás. São Paulo: Ágora, 1981.

_____________Contribuição ao Estudo do Sistema de Classificação dos Tipos Psicológicos no Candomblé Ketu de Salvador. São Paulo: USP: Tese de doutoramento, 1978.

MEIRA, Fernanda. Ilê Obá Aganjú Okoloyá – Terreiro de Mãe Amara: Desafios e estratégias hoje. Recife: UFPE/CFCH/Departamento de Ciências Sociais. Monografia, 2008.

MERLEAU-PONTY, Maurice. O visível e o invisível. São Paulo: Perspectiva, 1992.

_____________Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

MONTERO, Paula. Religião e dilemas da sociedade brasileira. In: MICELI, Sergio (org). O que ler na ciência social brasileira, (1970-1995). São Paulo: Editora Sumaré: ANPOCS; Brasilia, DF: CAPES, 1999.

MOTTA, Roberto. As Variedades do Espiritismo Popular na Área do Recife: Ensaio de Classificação, Boletim da Cidade do Recife, no. 2, 1977e, pp. 97-114.

_______________. Edjé Balé: Alguns Aspectos do Sacrifício no Xangô de Pernambuco (tese de concurso para professor - titular), Recife, edição particular e limitada. 1991.

____________Transe, sacrifício, comunhão e poder no xangô de Pernambuco. In: Revista de Antropologia, vol. 34, São Paulo, 1991b.

____________Transe, nome, identidade e reconhecimento no Xangô pernambucano. In: BRANDÃO, Silvana; MARQUES, Luiz C.; CABRAL, Newton Darwin A. (orgs.). História das Religiões no Brasil, vol. 6. Recife: bagaço, 2012.

PEREIRA, Zuleica Dantas. O Terreiro Obá Ogunté: parentesco, sucessão e poder. 1994. 150f. Dissertação (Mestrado em Antropologia). Universidade Federal de Pernambuco. Recife-PE, 1994.

RABELO, Miriam C. M. Enredos, feituras e modos de cuidado: dimensões da vida e da convivência no candomblé. Salvador : EDUFBA, 2014.

_____________O presente de Oxum e a construção da Multiplicidade no candomblé. In: Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, 35 (1): 237-255, 2015.

RIBEIRO, René, 1914-1990. Cultos afrobrasileiros do Recife: um estudo de ajustamento social . Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais .Recife: 1952.

_____________Xangôs. Boletim do Instituto Joaquim Nabuco de Pesquisas Sociais, Recife, n. 3, p. 65-79, 1954.

_____________ Personality and the psychosocial adjustment of afro-brasilian cult members. Nº dedicado a Les Ameriques Noires. Journal de la Societé des Americanistes, tomo LVIII, p. 109-20.

RIOS, Luiz Felipe. A fluxização da umbanda carioca e do candomblé baiano em Terras Brasilis e a reconfiguração dos campos afro-religiosos locais. In: Ciudad Virtual de Antropología y Arqueologia. Congresso Virtual, 2000.

SANSI-Roca, Roger. Fazer o Santo: dom, iniciação e historicidade nas religiões afro-brasileiras. Analise social, Lisboa, v 44, n. 1, p. 139-160. 2009

_______________A vida oculta das pedras: Historicidade e materialidades dos objetos no candomblé. In: A alma das coisas: patrimônio, materialidades e ressonância [org] José Reginaldo Santos Gonçalves, Nina Pinheiro Bitar e Roberta Sampaio Guimarães. Rio de Janeiro: Mauad X : Faperj, 2013.

SEGATO, Rita Laura. Santos e daimones: o politeísmo afro-brasileiro e a tradição arquetipal. Brasilia: Editora Universidade de Brasilia, 2005.

SILVEIRA, Ana Paula Lima. Batuque de mulheres: aprontando tamboreiras de nação nos terreiros de Pelotas e Rio Grande do Sul. (tese de doutorado em Antropologia), Porto Alegre, 2008


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com