Rituais da Igreja do Véu: uma breve etnografia sobre os principais costumes e práticas da Congregação Cristã no Brasil.

Polyanny Lílian do Amaral Braz

Resumo


A Congregação Cristã no Brasil (CCB) é a primeira igreja de caráter pentecostal a se instalar no Brasil. Com 107 anos de existência no país e com milhares de membros espalhados pelo território nacional, é a terceira maior igreja protestante em número de adeptos. Curiosamente, a CCB é, ainda, uma das denominações pentecostais menos conhecidas pela literatura antropológica, com raros trabalhos e referências sobre a instituição e suas práticas e crenças. Este artigo, por um lado, pretende ampliar o conhecimento etnográfico sobre esta denominação pentecostal; por outro apresentar brevemente os resultados de uma etnografia realizada entre as mulheres adeptas, tendo como enfoque os rituais de Batismo, Conversão e Santa Ceia. Nosso argumento principal é que o batismo, segundo a ótica da igreja Congregação Cristã no Brasil, é sinônimo de transformação e responsabilidade para com Deus e com a Igreja, agindo como marcador da conversão, enquanto queo ritual da Santa Ceia é ponto culminante da santidade incorporada no estilo de vida das mulheres CCB.

Palavras-chave: Congregação Cristã no Brasil. Rituais. Batismo. Conversão. Santa Ceia.


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

ALMEIDA, R. Religião em transição. 2010. In: MARTINS, C. B.; DUARTE, L. F. D. (Ed). Horizontes das ciências sociais no Brasil: antropologia. São Paulo: ANPOCS: Bacarolla.

ALMEIDA. 1988. Bíblia Sagrada Revista e Atualizada. São Paulo: Sociedade Bíblica do Brasil, segunda edição.

AMARAL BRAZ, Polyanny L. & REESINK, Mísia Lins. 2016. A Santidade Corporificada e a Congregação Cristão no Brasil. TEMPO DA CIÊNCIA, Toledo, v. 23. n. 45, p. 38 - 51, jan. / jun.

AMARAL BRAZ, Polyanny L. 2015. O corpo santo: construção e performance do corpo religioso das mulheres da Congregação Cristã no Brasil. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

AUSTIN, J. L. 1990. Quando dizer é fazer: palavra e ação. Porto Alegre: Artes Médicas.

CAMARGO, Ivani Vasconcellos de. 2000. Rituais de poder: um estudo comparativo dos rituais das Igrejas Pentecostais em São Paulo. Dissertação de Mestrado, departamento de sociologia, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas.

CAMPOS, R. B. C. & GUSMÃO, E. H. A. de., 2013; “Reflexões metodológicas em torno da conversão na IURD: colocando em perspectiva alguns consensos” Revista de Estudos de sociologia. Araraquara v.18 n.34 p.57-74 jan.-jun.

CAMPOS, R.; REESINK, M.. 2014. Conversão (in)útil. Revista Anthropológicas, Recife, n. 25(1), p.49-77.

CAVALCANTI, Maria. Laura V .de C. 2013. Drama, ritual e performance em Victor Turner. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v.03.06, p. 411–440, Novembro.

COMAROFF, Jean & COMAROFF, John. 1991. Of revelation and revolution. Vol. 1. Christianity, colonialism, and consciousness in South Africa. Chicago: University of Chicago Press.

COSTA, L. A. F. da. 2008. De possuído a preenchido: o corpo na trajetória da conversão. Anthropológicas, Recife, Ano 12, v.19, n.1, p.123-140.

DOUGLAS, Mary. 1966. Pureza e perigo. Ensaio sobre as noções de poluição e tabu. Lisboa: Edições 70.

DURKHEIM, É. 1996. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes.

ENGELKE, M. 2007. A problem of Presence, beyond scripture in an African church. Berkeley, Los Angeles, London: University of California Press.

GIUMBELLI, E. 2001. A vontade de saber: terminologias e classificações sobre o protestantismo brasileiro. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v.21, n.1, p.87-120.

MACHADO, Maria das Dores C. 1994. Adesão religiosa e seus efeitos na esfera privada. Um estudo comparativo dos carismáticos e pentecostais no Rio de Janeiro.Tese de doutorado em Ciências Sociais, Rio de Janeiro, IUPERJ.

MAFRA, Clara C. J. 2014. Santidade e sinceridade na formação da pessoa cristã. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, 34(1):173-192.

MARIANO, R. 2005. Neopentecostais: Sociologia do novo pentecostalismo no Brasil. 2ª edição. São Paulo, Edições Loyola.

MAURÍCIO JÚNIOR, C. 2014. Cristianismo e Conversão: uma breve revisão. Ensaio Bibliográfico. Revista Anthropológicas, Recife, n. 25(1), p.49-77.

MOTTA, R. 2012. Sacrifício e Festa no Xangô de Pernambuco. In: PEREZ, L F. et al (orgs) Festa Como Perspectiva e em Perspectiva, Rio de Janeiro, Garamond, p. 51-174.

PEIRANO, M. 2003. Rituais de ontem e hoje. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

RIVERA, P. B. 2006. Festa, corpo e culto no pentecostalismo: Notas para uma Antropologia do corpo no protestantismo latino-americano. Revista Numen, Universidade Federal de Juiz de Fora, v.8, n.2, p. 11-38.

ROBBINS, Joel. 2004. Becoming Sinners. Berkeley, Los Angeles and London: University of California Press.

SINGER, M. 1972. Search for a great tradition in cultural Performance. When a great tradition modernizes: an anthropological approach to Indian civilization. New York: Praeger.

TERRIN, A. N. 2004. O rito: antropologia e fenomenologia da ritualidade. São Paulo: Paulus.

TURNER, V. 2005. Dewey, Dilthey e Drama: um ensaio em Antropologia da experiência. Caderno de campo, ano 14, n.13.

______. 1974. O processo ritual: estrutura e antiestrutura. Petrópolis: Vozes.

______. 1988. The Anthropology of performance. New York: PAJ Publications.

VAN GENNEP, A. 1977. Os ritos de passagem. Petrópolis: Vozes.

WEBER, M. 2004. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras.

WEISS, Raquel. 2012. Durkheim e as Formas Elementares da Vida Religiosa. Debates do NER, Porto Alegre, ano 13, n.22, p.95-119, jul/dez.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com