O Godllywood e a ‘mulher virtuosa’ na IURD

Alana J. Sá Leitão Braga de Souza

Resumo


Resumo: O Godllywood é um grupo dentro da IURD que tem como objetivo, em seus próprios termos, aliar o cuidado pessoal com o apoio social como suporte para as meninas e mulheres que querem se sentir mais próximas de Deus. A ‘mulher virtuosa’, um ideal bíblico utilizado pelo grupo, é colocada por sua fundadora – Cristiane Cardoso, uma das principais líderes da IURD atualmente - como uma mulher independente emocionalmente e empoderada no que tange as decisões de sua vida. A irmandade e o suporte entre mulheres, muitas vezes valorizados por grupos feministas, aparecem aqui como comportamento ideal entre aquelas que fazem parte do Godllywood. Apesar disso, elas acreditam que as mídias e o feminismo, cada um a sua maneira, desvalorizam qualidades entendidas como femininas que fazem como que as mulheres tenham muitas vezes uma relação mais próxima de Deus do que os homens – como a capacidade de cuidar e de escutar e se submeter as decisões de outros.
Palavras-chave: Pentecostalismo, agência; liberdade; espaço público.

Texto completo:

PDF

Referências


BU-LUGHOD, Lila. 2002. Do Muslim Women Really Need Saving ? anthropological reflections on cultural relativism and its others. American Anthroplogist 104(3): 783-790.

ASAD, Talal. 1993. Genealogies of Religion: discipline and reason of power in Christianity and Islam. London: Johns Hopkins University Press.

ASAD, Talal. 2000. Agency and Pain. Culture and Religion. 1(1):29-60.

BERGER, Peter. 2001. A dessecularização do Mundo: uma visão global. Religião e Sociedade. Rio de Janeiro, v.21, n.1, p.9-24.

BERGER, Peter. & ZIJDERVELD, Anton. 2012. Em Favor da Dúvida. Rio de Janeiro: Elsevier.

BIRMAN, Patrícia. 1996. Mediações Femininas e Identidades Pentecostais. Cadernos Pagu, (6-7): 201-226.

BRUSCO, Elizabeth. 1995. The Reformation of Machismo. EUA, Univesit of Texas Press.

CAMPOS, Roberta. 1995. Emoção, Magia, Ética e Racionalização: as múltiplas faces da Igreja Universal do Reino de Deus. 166f. Dissertação em Antropologia, Universidade Federal de Pernambuco, mimeo.

CAMPOS, Roberta. & SOUZA, Alana. 2017. Godllywood de Cristiane Cardoso: uma etnografia do transreligioso. Revista de Antropologia da USP.

CARDOSO, Cristiane. 2011. Melhor do que comprar sapatos. Rio de Janeiro: Unipro editora.

CARDOSO, Cristiane. 2011. A Mulher V. Rio de Janeiro: Unipro editora.

COUTO, Márcia Thereza. 2002. Gênero, família e pertencimento religioso na redefinição de ethos masculinos e femininos. Anthropológicas. 4(3).

GEERTZ, Clifford. 1997. O Saber Local. Petrópolis, editoraVozes.

HARDING, Suzan. 2009. Revolve, the Biblezine in BIELO, James S. (org.) The Social Life of Scriptures: cross-cultural perspective on Biblicism. Rutgers University Press.

MAHMOOD, Saba. 2001. Feminist Theory, Embodiment, and the Docile Agent: Some Reflections on the Egyptian Islamic Revival. Cultural Anthropology.16(2): 202-236.

MARIANO, Ricardo. 2004. Expansão Pentecostal no Brasil: O caso da Igreja

Universal. Estudos Avançados. 18 (52): p. 121-138.

MARIZ, Cecília L.; MACHADO, Maria das Dores Campos. 1994. Pentecostalismo e a Redefinição do Feminino. Religião e Sociedade. 17(1-2).

RUBIM, Tânia. 2011. Escolhida para o Altar. Rio de Janeiro: Unipro editora.

TAVOLARO, Douglas. 2007. O bispo: a história revelada de Edir Macedo. São Paulo, editora Lafonte.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com