“Ser homem em Cristo”: Reformismo Cristão e masculinidade entre jovens presbiterianos

Sandro Soares de Freitas

Resumo


A partir de uma análise etnográfica, este artigo busca discutir de que maneira,
para um grupo de jovens rapazes de uma comunidade presbiteriana da cidade de Olinda - PE, suas percepções sobre o que é ser um “cristão reformado” estão diretamente ligadas ao modelo de masculinidade por eles desenvolvido. Enquanto uma parcela de uma comunidade religiosa mais ampla, estes rapazes possuem uma organização própria, o chamado “PG dos Rochedos”, que atua como um espaço de discussão de ideias e temáticas muito variadas, mas que sempre tem como ponto de partida, a perspectiva religiosa da doutrina reformada, adotada pela Igreja. Por isso, aqui buscaremos discutir como alguns elementos propagados desde a Reforma do século XVI – como a centralidade da palavra, a racionalização, a disciplina, entre outros aspectos – embasam a cosmovisão do grupo e, consequentemente, a maneira como eles concebem o “aprender e ser homem”.
Palavras-chave: Masculinidade; Juventude; Cristianismo

Texto completo:

PDF

Referências


AMARAL BRAZ, Polyanny Lílian do. 2015. O corpo santo: construção e

performance do corpo religioso das mulheres da congregação cristã no Brasil.Universidade Federal de Pernambuco. [Dissertação de Mestrado] Programa de Pós Graduação em Antropologia. Recife.

ASAD, Talal. 1990. Formations of the secular modern: Christianity, Islam,

Modernity. Stanford, Califórnia: Stanford University Press, 2003.

AUSTIN, J. Quando dizer é fazer. Trad. Danilo Marcondes de Souza Filho. Porto Alegre: Artes Médicas.

BERGER, Peter. 2013. A Dessecularização do Mundo: uma visão global. In:

Religião e Sociedade, v. 21, n. 1, p. 9-23, 2000. Disponível em:

http://www.uel.br/laboratorios/religiosidade/pages/arquivos/dessecularizacaoLERR.pdf >. Acessado em: 07 ago.

BÍBLIA. Português. 2009. Bíblia de Estudo de Genebra. Tradução de João

Ferreira de Almeida. 2a ed. São Paulo: Editora Cultura Cristã; Sociedade Bíblica do Brasil.

BLANES, Ruy Llera. 2015. Contacto, conhecimento e conflito: dinâmicas

cultuais e sociais num movimento evangélico cigano na Península Ibérica. In: Etnográfica. vol. 11, n. 1, 2007. Disponível em: . Acessado em: 11 mai.

CONFISSÃO DE FÉ DE WESTMINSTER. 2009. In: Bíblia de Estudo de

Genebra. Tradução de João Ferreira de Almeida. 2a ed. São Paulo: Editora Cultura Cristã; Sociedade Bíblica do Brasil.

DAWKINS, Richard. 2007. Deus um delírio. São Paulo: Companhia das Letras.

DOUGLAS, Mary. 2012. Pureza e perigo: Ensaio sobre as noções de poluição e tabu. São Paulo: Perspectiva.

DURKHEIM, Émile. 1996. As Formas Elementares da Vida Religiosa. São Paulo: Martins Fontes.

ELIADE, Mircea. 2013. O Sagrado e o Profano. São Paulo: Martins Fontes.

KEANE, Webb. 2016. Religious language. In: Annual Review of Anthropology, n. 26, p. 47-71, 1997. Disponível em: . Acessado em: 14 mar.

MARQUES, Ana Claudia D. R. 2016. Algumas faces de outros eus. Honra e

patronagem na antropologia do Mediterrâneo. Mana, Rio de Janeiro, v. 5, n. 1, p. 131- 147, abr. 1999. Disponível em: Acessado em: 10 fev.

MELLOR, Phillip; SHILLING, Chris. 1997. Re-forming the Body: Religion,

Community and Modernity. Londres: SAGE Publications.

PERISTIANY, Jean. 1968. El concepto del honor en la sociedad mediterranea. Barcelona: Labor.

REESINK, Mísia Lins. 2003. Les Passages Obligatoires: cosmologie catholique et mort dans le quartier de Casa Amarela, à Recife (Pernambuco-Brésil). École des Hautes Études en Sciences Sociales [Tese de Doutorado]. Paris.

ROHDEN, Fabíola. 2015. Para que Serve o Conceito de Honra, ainda hoje? . In: Campos, V. 7, no 2, pp. 101-120, 2006. Disponível em:. Acessado em: 06 dez.

SINGER, Paul. 2005. A juventude como coorte: uma geração em tempos de crise social. In: ABRAMO, Helena W.; BRANCO, Pedro Paulo Martoni (Orgs.). Retratos da Juventude Brasileira: análises de uma pesquisa nacional. São Paulo: Ed. Fundação Perseu Abramo e Instituto Cidadania, p. 27-36.

TAYLOR, Charles. 2007. A Secular Age. Cambridge, Massachusetts and London: The Belknap, Press of Harvard University Press.

TAYLOR, Charles. 2012. O que significa secularismo?. In: ARAÚJO, L.;

MARTINEZ, M.; PEREIRA, T. (orgs). Esfera pública e secularismo: desafios de filosofia política. Rio de Janeiro: EdUERJ.

WEBER, Max. 2013. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo: Martin Claret.

WILSON, Douglas. 2013. Futuros Homens: criando meninos para enfrentar

gigantes. Recife: Clire.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com