Antropologia Política em Pernambuco: Povos Indígenas, Processos Identitários e Etnicidade

Renato Athias

Resumo


Em 2016, o Núcleo de Estudos e Pesquisas sobre Etnicidade (NEPE) comemorou os
seus 20 anos, desde a sua criação, em 1996, como grupo constituído formalmente no âmbito do Programa de Pós-graduação em Antropologia da UFPE 2 e do Diretório Geral dos Grupos de Pesquisa do CNPq institucionalizado para atuar como um fórum de pesquisas do reunindo investigadores e estudantes da temática da etnicidade, dentro de uma perspectiva interdisciplinar tendo como objetivo principal a atuação em pesquisas e estudos sobre o tema da identidade étnica, etnicidade e das relações interétnicas como fenômeno-processo social visando subsidiar a produção de conhecimento interdisciplinar nas áreas da antropologia indígena, etnologia brasileira, sociologia indígena, história, antropologia das populações afro-brasileiras e minorias étnicas. Tendo comomissão a produção de conhecimento sobre a etnicidade enquanto fenômeno social vivenciado em diferentes contextos situacionais e históricos, dando ênfase nas questões sócio-política de povos etnicamente diferenciados, dando ênfase às questões sociais e políticas dos povos envolvidos. Este texto subsidia elementos para um debate no âmbito da etnologia indígena produzida no Brasil, nestas últimas décadas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEGRE, M. Sylvia Porto. “Rompendo o silêncio: por uma revisão do desaparecimento dos povos indígenas”. ETHNOS, v.2, n.2, p. 21-44, jan/jun. 1998a.

_____________. “Educação indígena colonial: ironias de um projeto”. Dossiê Histórias Indígenas, v. 15, n. 35, p. 87-110, jul/dez. 1998b.

_____________. “Etnicidade e mudança cultural”. Revista de Ciências Sociais, v. 27, n.1, p. 135-142, jan/jun. 1996.

ALVES DA SILVA, Pe. AcionílioBruzzi. O método civilizador salesiano – as tribos do Uaupés e a civilização brasileira. Belém: Isma, 1979.

ATHIAS, Renato Reconhecimentos dos Rio Içana, Ayari, Uaupés, Apontamentos Linguísticos e Fotografias de Curt Nimuendajú. Rio de Janeiro: Museu do Índio, 2015.

_______________ (org.). Povos indígenas de Pernambuco- Diversidade, Identidade e Conflito. Recife: Editora da UFPE, 2007.

_____________ (org.). Dossiê: Antropologia Indígena. Revista Anthropologicas: v. 14, n. 1 e 2, jan/dez. 2003.

AZEVEDO, Fernando de (org.). A antropologia e a sociologia no Brasil: as ciências no Brasil. São Paulo: Editora Melhoramentos, 1955.

BALDUS, Herbert. Bibliografia crítica da etnologia Brasileira – Vol. 1. São Paulo: Comissão do IV Centenário da Cidade de São Paulo – Serviço de Comemorações Culturais, 1954.

BARTH, Fredrik. Ethinic groups and bourdairies – The social organization of culture difference. Boston: Littebrown, 1969.

BARTOLOMÉ, Miguel. Procesos interculturales: antropología política del pluralismo cultural en América Latina. México, D.F.: SigloVentiuno Editores, 2006.

BRASIL. Constituição Federal, 1988.

_____________. Lei n.° 11.645, de 10 de março de 2008.

_____________. Lei n.º 6.001, de 19 de dezembro de 1973.

_____________. Lei n.º 5.371, de 05 de dezembro 1967.

BUARQUE, Sérgio. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas híbridas. São Paulo: Edusp, 1990.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. Caminhos da identidade: ensaios sobre etnicidade e multiculturalismo. São Paulo: Unesp; Brasília: Paralelo 15, 2006.

_____________. “Identidade étnica, reconhecimento e o mundo moral”. In: Revista Anthropológicas, v. 16-2, p. 9-40, 2005.

_____________. Sociologia no Brasil indígena. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1978.

_____________. Identidade, etnia e estruturasocial. São Paulo: Pioneira, 1976.

CELSO, Afonso. Porque me ufano do meu país. São Paulo: Editora Expressão e Cultura, 1997.

COHEN, Abner. Introduction: “The Lesson of Ethnicity”. In COHEN, Abner. Urban Ethnicity. London: TavistockPublications, 1974. p. ix-xxiv.

CORTEZ, Roberto. “O índio na consciência urbana”. In CORTEZ, Roberto. Boletim do Museu Paraense Emílio Goëldi, n. 59. Belém:Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico, 1975. p. 3-18.

COTLER, Julio. Clases, estado y nacion en el Peru. Lima: Instituto de Estudios Peruanos, 1978.

DIAS, Gonçalves. Relatório da visita às escolas públicas de primeiras letras das freguesias do rio Solimões. In: Fala dirigida à Assembleia Legislativa Provincial do Amazonas pelo presidente Manoel Clementino Carneiro da Cunha, 3/5/1861. Documento n. 1. Manaus: Tip. F. J. Silva Ramos, 1861.

_____________. Diccionário da língua Tupy, chamada língua geral dos indígenas do Brazil. Leipzig: F. A. Brockhaus, 1858.

_____________. Os timbiras. Leipzig: F. A. Brockhaus, 1857.

FIALHO, Vânia. As Fronteiras do ser Xukuru: estratégias e conflitos de um grupo indígena no NE. 1992. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

_____________. Desenvolvimento e Associativismo Indígena no Nordeste Brasileiro: mobilizações e negociações na configuração de uma sociedade plural. 2003. Tese (Doutorado em Sociologia) – P

rograma de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

FRY, Peter et alli. Divisões perigosas: políticas raciais no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007.

FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala – formação da família brasileira sob o regime de economia patriarcal. Rio de Janeiro:Ed. José Olympio, 1954.

GALVÃO, Eduardo. “Estudos sobre a aculturação dos grupos indígenas do Brasil”. In Revista de Antropologia, n.1, v. 5, p. 67-74, jun. 1957.

JUNIOR. Caio Prado. Formação do Brasil contemporâneo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

KUPPER, Leo. “Plural societies: perspectives and problems”. In: KUPPER, Leo; SMITH, M. G. (Orgs.). Pluralism in Africa. Berkeley: University of California Press, 1971. p. 7-25.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Identité. Paris: Editions PUF, 1977.

LIMA, Carmen Lúcia Silva. Etnicidade no contexto urbano: uma etnografia sobre os Kalabaça, Kariri, Potiguara, Tabajara e Tupinambá de Cratéus. 2010. Tese (Doutorado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

OIT – Organização Internacional do Trabalho. Convenção 169. Disponível em: Acesso: 26/11/16.

OLIVEIRA, Carlos Estevão. O Ossuário da Gruta do Padre. Boletim do Museu Nacional, Rio de Janeiro: Museu Nacional, 1938

OLIVEIRA FILHO, João Pacheco. A viagem da volta: etnicidade, política e reelaboração cultural no Nordeste indígena. São Paulo: Editora Contra Capa, 2004.

_____________. “Viagens de Ida, de Volta e Outras Viagens: Os Movimentos Migratórios e as Sociedades Indígenas”. Travessia: Revista do Migrante, v.9, n. 24, p. 5-9, jan/abr. 1996.

_____________. “Os Povos Indígenas no Nordeste: fronteiras étnicas e identidades emergentes”. Tempo Presença, v. 270, n. 15, p. 31-35, ago. 1993.

OLIVEIRA, Kelly Emmanuelly de. Estratégias sociais no Movimento Indígena: representações e redes na experiência da APOINME. 2010. Tese (Doutorado em Antropologia) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia da Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

RIBEIRO, Darcy. O processo civilizatório. São Paulo: Vozes, 1978.

_____________. Os índios e a Civilização. São Paulo:Vozes, 1977.

RODRIGUES, João Barbosa. Poranduba amazonense, ou kochiyma-uaraporandub, 1872-1887. Rio de Janeiro: Typ. de G. Leuzinger& Filhos, 1890

SANTILLI, Márcio. Os brasileiros e os índios. São Paulo: Editora Senac, 2000.

SCHRÖDER, Peter (Org.). Cultura, identidade e território no Nordeste indígena: os Fulni-ô. Recife: Editora da UFPE, 2012.

SOUZA LIMA, Antonio Carlos; BARROSO-HOFFMANN, Maria. “Além da tutela: aspectos de uma nova regulação dos direitos indígenas no Brasil”. In: SOUZA LIMA, Antônio Carlos de; BARROSO-HOFFMANN, Maria (Orgs.). Além da tutela: bases para uma nova política indigenista III. Rio de Janeiro: Contra-Capa, 2002. p. 7-21.

STAVENHAGEN, Rodolfo. The plural society in LatinAmerica. Paris: Unesco, 1972.

SZTUTMAN, Renato (org.). Entrevistas com Eduardo Viveiros de Castro. Série Encontros. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2008.

VIANNA MOOG, C. Défricheurs et pionniers. Paris: Galimar, 1963.

WEBER, MAX. Economia e sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. vol.1. Brasília: Editora UNB, 1991 [1922].


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com