QUE INDÍGENA É ESSE NO LIVRO DIDÁTICO? ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE OS DILEMAS DE UMA EDUCAÇÃO NÃO INTERCULTURAL

Ana Carolina Bezerra dos Santos, Esmael Alves de Oliveira

Resumo


As políticas públicas voltadas à educação vêm avançando de maneira significativa nos últimos anos. No entanto, muitas escolas ainda apresentam dificuldades para colocar em prática o aparato legal, o que nos faz pensar sobre os dilemas que cercam a efetivação de uma política de educação pluriétnica e intercultural. Frente ao exposto, esta pesquisa foi realizada em uma escola estadual no munícipio de Sidrolândia/MS que atende alunos/as indígenas da etnia Terena. Essa unidade escolar atua junto a aproximadamente 1.200 alunos, sendo 400 no período matutino (destes, cerca de 20% são indígenas). Ademais, diante da constatação de que é um pequeno número de indígenas que consegue chegar à etapa final do Ensino Médio (3º ano), o objetivo deste estudo foi investigar e analisar, a partir de livros didáticos, em que medida a escola consegue implementar Lei nº 9.394/96, bem como identificar possíveis percalços culturais e pedagógicos que incidem diretamente no processo de escolarização de alunos/as indígenas desta unidade escolar.


Texto completo:

PDF

Referências


AGUILERA URQUIZA, Antônio Hilário; PRADO, José Henrique. Antropologia e povos indígenas. In: AGUILERA URQUIZA, A. H. (Org.) Antropologia e História dos povos indígenas em Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Ed. UFMS, 2016, p.11-33.

AGUILERA URQUIZA, Antônio Hilário. Elementos da história da educação escolar indígena no Brasil: uma “guinada epistemológica”. In: AGUILERA URQUIZA, A. H. (Org.) Antropologia e História dos povos indígenas em Mato Grosso do Sul. Campo Grande: Ed. UFMS, 2016, p. 197-210.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Promulgada em 5 de outubro de 1988. Organização do texto: Edvard Dias Magalhães. 2 ed. Brasília, DF: CGDOC FUNAI, 2003 (Legislação Indigenista Brasileira e Normas Correlatas).

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Educação escolar indígena: diversidade sociocultural indígena ressignificando a escola. Brasília, DF: MEC/SECAD, 2007.

BONIN, Iara Tatiana. E por falar em povos indígenas... Quais narrativas contam em práticas pedagógicas? 2007. Tese (Doutorado – Programa de Pós-Graduação em Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2007.

CASARO, Adir. Curriculo, interculturalidade e educação indigena guarani/Kaiowá. 28ª. Reunião da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Caxambu, 2005. p. 1-14. Disponível em: << http://28reuniao.anped.org.br/textos/gt12/gt12680int.rtf.>>. Acesso em: 01 de dez. de 2017.

COELHO, M. Cesar. A história, o índio e o livro didático: apontamentos para uma reflexão sobre o saber histórico escolar. In: ROCHA, Helenice Aparecida Bastos; REZNIK, Luís; MAGALHÃES, Marcello de Souza (Orgs.). A História na Escola: autores, livro e leituras. Rio de Janeiro: Editoria FGV, 2009, p. 263-280.

COSTA E SILVA, Francisca Jocineide da. “É bom aprender”: discussões sobre gênero e diversidade sexual nos livros didáticos da educação de jovens e adultos. Espaço do currículo, v. 8, n. 2, p. 281-282, maio a agosto de 2015.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

GRUPIONI, Luís Donizete Benze. Educação e povos indígenas: construindo uma política nacional de educação escolar indígena. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. Brasília: INEP/MEC, v. 81, n. 198, maio/ago. 2000.

GUIMARÃES, Susana Martelleti Grilo. A gestão da educação indígena: etnocentrismo e novas diretrizes curriculares nacionais. UFMS: Campo Grande, 2015.

LEITA, Marlene Gomes. Educação escolar indígena: uma reflexão a partir dos Guarani-Kaiowá da aldeia Jarara, Juti-MS. UFMS: Naviraí, 2014.

LIONÇO, Tatiana; DINIZ, Debora. Homofobia, silêncio e naturalização: por uma narrativa da diversidade sexual. Rev. psicol. polít. vol. 8, n. 16, dez. 2008.

MUSSI, Vanderléia Paes Leite. História Indígena. Campo Grande: UFMS, 2014.

OLIVEIRA, Ruth Gonçalves. Percepção dos adultos terena sobre socialização das crianças de 0 a 6 anos da Aldeia Tereré de Sidrolândia-MS. Campo Grande: UCDB, 2007.

OLIVEIRA, Esmael Alves de; OLIVEIRA, Augusto Marcos Fagundes. Antropologias latino-americanas – por uma crítica decolonial. TELLUS, n. 34, p. 105-126, set./dez. 2017.

RESENDE, Ana Catarina Zema de. Direitos e autonomia indígena no Brasil (1960-2010): uma análise histórica à luz da teoria do sistema-mundo e do pensamento decolonial. Tese apresentada ao Programa de Pós Graduação em História do Instituto de Ciências Humanas da Universidade de Brasília. Brasília: UnB/Instituto de Ciências Humanas - Departamento de História, 2014.

ROSEMBERG, Fúlvia; BAZILLI, Chirley; SILVA, Paulo Vinícius Baptista da. Racismo em livros didáticos brasileiros e seu combate: uma revisão da literatura. Educ. Pesqui, vol. 29, n. 1, p.125-146, 2003.

SILVA, Ana Célia. Desconstruindo a discriminação do negro no livro didático. Salvador: EDUFBA, 2001.

VIEIRA, Carlos Magno Naglis. A sociodiversidade dos povos indígenas no Brasil e em Mato Grosso do Sul. In: VIEIRA, Carlos Magno Naglis; SOUZA, Ilsa de; FERREIRA, Rogério Vicente. Conhecendo os povos indígenas no Brasil contemporâneo. Campo Grande: UFMS, 2014, p. 05-39.

VIEIRA, Carlos Magno Naglis; SOUZA, Ilsa de; FERREIRA, Rogério Vicente. Conhecendo os povos indígenas no Brasil contemporâneo. Campo Grande: UFMS, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com