Sexualidade, corpo e doença em Moçambique: Implicações regulatórias.

Lucia Helena Guerra

Resumo


Neste artigo, vamos abordar questões envolvendo sexualidade e corpo, e como estas concepções operam sobre o ser ou torna-se mulher em Moçambique. As experiências da pesquisa de campo junto a mulheres acometidas pela Fístula Obstétrica, uma doença incapacitante decorrente do trabalho de parto, podem exemplificar estes desdobramentos e interpenetrações. Considerando que estamos falando de uma sociedade onde as concepções de família e gênero são embasadas em normas em relação ao papel social da mulher associado a procriação e ao cuidado do lar, as mulheres acabam sendo privadas do poder de decisão sobre as questões reprodutivas e práticas de sexo seguro. Por meio de uma observação detalhada, iremos refletir sobre os rituais de iniciação e as modificações corporais, examinando sobretudo como são conferidos significados provenientes de saberes modernos a estas práticas tradicionais como forma de legitima-las.


Texto completo:

PDF

Referências


ALTUNA, Raul Ruiz de Asúa. 1985. Cultura Tradicional Banto. Luanda: Secretariado Arquidiocesano de Pastoral.

ALVES, Paulo César. 1993. A Experiência da Enfermidade: Considerações Teóricas. Rio de Janeiro: Cad. Saúde Pública.

ARNFRED, Signe. 2015. Notas sobre gênero e modernização em Moçambique. In: Dossiê Corpos, trajetórias e valores: perspectivas de gênero, famílias e reprodução social em contextos africanos. Cadernos Pagu. Nº 45. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332015000200181&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt

BAGNOL, Brigitte e MARIANO, Esmeralda. 2009. Cuidados consigo mesmo, sexualidade e erotismo na Província de Tete, Moçambique. Physis [online] vol.19, n.2. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312009000200008

BONGIANINO, Claudia. 2010. Entre normativas e vidas: As Intervenções Genitais Femininas na Itália. Trabalho apresentado na 27º Reunião Brasileira de Antropologia. Belém – PA. Disponível em: http://www.abant.org.br/conteudo/ANAIS/CD_Virtual_27_RBA/arquivos/grupos_trabalho/gt06/cfb.pdf

BONGIANINO, Claudia Fioretti. CRUZ, Denise Ferreira da Costa. CASTRO, Luísa Reis de. 2015. Feminino Sagrado, Profano e Científico: impasses nas intervenções genitais femininas. TOMO, nº 26.

BAGNOL, Brigitte. Gender, 2006. Self, Multiple Identities, Violence and Magical Interpretations in Lovolo Practices in Southern Mozambique. Tese de Doutorado em Antropologia. South Africa: University of Cape Town.

CANESQUI, Ana Maria. 1998. Ciências Sociais e Saúde no Brasil: três décadas de ensino e pesquisa. Ciência & Saúde Coletiva. III (1).

CHIZIANE, Paulina. 2004. Niketche: uma história de poligamia. São Paulo: Companhia das Letras.

DIAS-SCOPEL, Raquel Paiva. 2015. A cosmopolitica da gestação, do parto e do pós-parto: práticas de auto atenção e processo de medicalização entre os índios Munduruku. Brasília: Paralelo.

DINIZ, Débora. 2001. Antropologia e os limites dos direitos humanos: O dilema moral de Tashi. Disponível em: http://www.abant.org.br/conteudo/livros/DIREITOS%20HUMANOS%201[1].pdf

DOUGLAS, Mary. 1991. Pureza e perigo. Ensaios sobre a noção de poluição e tabu. Lisboa: Edições 70.

ESTEVA, Gustavo. 1998. Autonomia y democracia radical: el transito de la tolerância a la hospitalidad. In: Autonomías éticas y Estados nacionales. Miguel A. Bartolomé & Alícia M. Barabas (Orgs.). CONACULTA – INAH.

EVANS-PRITCHARD, Edward. 2005. Bruxaria, oráculos e magia entre os Azande. Tradução Eduardo Viveiros de Castro. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

FIALHO, José. 2003. A eficácia simbólica nos sistemas tradicionais de saúde. Cadernos de Estudos Africanos (Online), nº 4. Disponível em: http://cea.revues.org/1567. Acessado em 25/06/2007.

FLEISCHER, Soraya. 2007. Sangue, Leite e Quarentena: Notas etnográficas sobre o puerpério na cidade de Melgaço, Pará. Revista Campos, 8(2):81-97.

FOUCAULT, Michel. 1980. O nascimento da clínica. Rio de Janeiro, Forense Universitária.

_________________. 1975. Vigiar e punir. Petrópolis, Vozes.

HEALTH POVERTY ACTION. 2011. Connection 3 - The Fistula Issue. Disponível em: https://healthpovertyaction.org/wp-content/uploads/downloads/2011/03/Connections-3-The-Fistula-Issue-web-version.pdf. Acesso em: 08 de março de 2016.

HEILBORN, Maria Luiza. 1997. Gênero, Sexualidade e Saúde. In: Saúde, Sexualidade e Reprodução - compartilhando responsabilidades. Rio de Janeiro: Editora da UERJ.

LEAL, Ondina Fachel. 1995. Sangue, Fertilidade e Práticas Contraceptivas. In Ondina F. Leal (Org.) Corpo e Significado: Ensaios de antropologia social. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

LIDÓRIO, Ronaldo. 2008. Não a morte sem dor. In: SOUZA, Issac da Costa e LIDÓRIO, Ronaldo. (Org.) A questão indígena – uma luta desigual: missões, manipulação e sacerdócio acadêmico. Viçosa: Ultimato.

LOFORTE, Ana Maria. 2003. Práticas culturais em relação à sexualidade e representações sobre saúde e doença. Maputo.

LOPES, Andréia Aparecida Ferreira. 2015. Cuidado e Empoderamento: a construção do sujeito responsável por sua saúde na experiência do diabetes. Saúde Soc. São Paulo, v.24, n.2, p.486-500.

MAGGIE, Yvonne. 1992. Medo do feitiço: relações entre magia e poder no Brasil. Rio de Janeiro, Arquivo Nacional.

MALUF, Sônia Weidner. 2002. Corpo e corporalidade nas culturas contemporâneas: abordagens antropológicas. Esboços: Revista do PPG História da UFSC, n. 9.

MARIANO, Esmeralda. 2010. A construção do corpo feminino na compreensão do conceito de género. In: Género e Direitos Humanos em Moçambique. Nair Teles e Eugênio José Bras (Org). CIEDIMA: Maputo.

___________________. 2017. Ser antropóloga entre o local e o global. Revista de Antropologia. V. 60, nº 3. USP.

MATSINHE, Cristiano. 2006. Tábula rasa – Dinâmica da resposta moçambicana ao HIV/SIDA. Maputo: Texto Editores.

MERNISSI, Fatima. 1985. Beyond the Veil: A Historical and Theological Enquiry. Oxford, Blackwell.

NADER, Laura. 1999. Num espelho de mulher. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 5, n. 10, p. 61-81.

OLIVEIRA, Roberto Cardoso de. 2001. A questão étnica: qual a possibilidade de uma ética global? In: ARIZPE, Lourdes (org). As dimensões culturais da transformação global: uma abordagem antropológica. Brasília: UNESCO.

OSÓRIO, Conceição. 2013. Identidades de género e identidades sexuais no contexto dos ritos de iniciação do centro e norte de Moçambique. Boletim Outras Vozes. Disponível em: http://www.wlsa.org.mz/wp-content/uploads/2013/12/Identidades_ritos.pdf

OSÓRIO, Conceição e MACUÁCUA, Ernesto. 2013. Os ritos de iniciação no contexto actual: Ajustamentos, rupturas e confrontos construindo identidades de género. WLSA Moçambique. Maputo.

PASSADOR, Luiz Henrique. 2011. Guerrear, casar, pacificar, curar: O universo da “tradição” e a experiência com o HIV/AIDS no distrito de Homoíne, sul de Moçambique. Tese de Doutorado em Antropologia Social. Brasil: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UNICAMP.

PASSADOR, Luiz Henrique e THOMAZ, Omar Ribeiro. 2006. Raça, sexualidade e doença em Moçambique. Estudos Feministas, Florianópolis, 14(1): 336.

RANGER, Terence. 1972. Adaption of African Religious Institutions, The Masasi Case. In: Ranger, Terence; Kinambo, Isaria (Ed.). The Historical Study of African Religion with Special Reference to East and Central Africa. London/Ibadan, Heinemann Educational Books.

SEGATO, Rita Laura. 2003. Uma agenda de ações afirmativas para as mulheres indígenas do Brasil. Departamento de Antropologia. Série Antropologia nº 326, Brasília: UnB. Disponível em: .

VELEZ, Allyson et al. 2007. The Campaign to End Fistula: What have we learned? Findings of facility and community needs assessments. International Journal of Gynecology and Obstetrics, Nº 99, PÁG. 143–150.

WLSA. 2011. Omitidas: Mulheres com Fístula Obstétrica em Moçambique. (Brochura): Maputo. Disponível em: .

OMS - Organização Mundial de Saúde. 2008. Eliminating female genital mutilation. An interagency statement. Disponível em: .


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com