“Meu Morro da Caixa não é brincadeira”: reflexões sobre o trabalho de campo na sede da Embaixada Copa Lord

Guilherme Galdo Ruchaud

Resumo


Este artigo traz algumas discussões a respeito do trabalho de campo na Antropologia, desenvolvidas a partir da experiência do autor, como voluntário na escola de samba SRCS Embaixada Copa Lord, de Florianópolis/SC, durante os preparativos para o desfile de carnaval de 2018. Essa inserção em campo propiciou um grande volume de observações úteis a sua pesquisa, focada nas diferentes narrativas produzidas pela comunidade do Monte Serrat e seu papel na produção da cidade. No entanto, trouxe também uma série de reflexões a respeito da natureza do trabalho de campo, com implicações nos âmbitos da observação participante e da etnografia urbana, entre outros. A partir de um breve relato dessa experiência, precedida de dados necessários sobre a comunidade, a escola e a trajetória acadêmica do autor, este artigo traz algumas dessas questões, ora como conclusões preliminares, ora como discussões sujeitas a maior aprofundamento no âmbito da pesquisa.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Camilo Buss. 2006. Os pobres em disputa: Urbanização, política e classes populares no Morro da Caixa d'Água, Florianópolis - anos 1950 e 1960. Florianópolis: Dissertação de Mestrado em História. UFSC.

BARTH, Frederick. 2000. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.

BLUMENBERG, Abelardo Henrique. 2005. Quem vem lá?: A história da Copa Lord. Florianópolis: Garapuvu.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. 2007. Reflexões sobre como fazer trabalho de campo. Sociedade e Cultura, vol 1:11-27.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. 1970. Sobre o pensamento antropológico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro.

CARDOSO DE OLIVEIRA, Roberto. 1996. O trabalho do antropólogo. Revista de Antropologia, vol 39:14-32.

COPPETE, Maria Conceição. 2003. Janelas abertas: Uma experiência de educação no morro Mont Serrat. São Paulo: Secretariado Interprovincial Marista.

FAVRET-SAADA, Jeanne. 2005. Ser afetado. Cadernos de Campo, vol 13:155-161.

GOMES, Rodrigo Cantos Savelli. 2017. MPB no Feminino. Curitiba: Appris.

MACHADO, Marta Magda Antunes. 1999. Palavra feminina na periferia da igreja: A participação das mulheres na organização da Comunidade "Mont Serrat", Morro da Caixa d'Água, em Florianópolis/SC. Dissertação de Mestrado em Ciências da Religião. PUC/SP.

NOTÍCIAS DO DIA. Florianópolis, 12 fev. 2018. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2018.

LATOUR, Bruno. 2012. Reagregando o social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Salvador-Bauru: EDUFBA-EDUSC.

RUCHAUD, Guilherme Galdo. 2016. Cidade, memória e narrativa: Reflexões e propostas para a leitura e reconhecimento da história não-oficial. Trabalho de Conclusão de Curso em Arquitetura e Urbanismo. UFSC.

SOUZA, Eronildo Crispim de. 1992. Estudo da estrutura interna e das relações sócio-espaciais da comunidade do "Mont Serrat" - Florianópolis-SC. Trabalho de Conclusão de Curso em Geografia. UFSC.

SOUZA, João Ferreira de, et al. 1992. Comunidade Monte Serrat – Memórias. Florianópolis: Edição da Comunidade.

VEIGA, Eliane Veras da. 2010. Florianópolis: Memória urbana. Florianópolis: Fundação Franklin Cascaes.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com