A CANTORIA EXPERIENCIADA EM TERMOS METAFÓRICOS: Experiência Verbal no Discurso sobre a Música e na Música

Amalle Catarina Ribeiro Pereira

Resumo


Uma apresentação de repente é constituída por uma dupla de violeiros, que se posiciona frente a um público com suas violas e se desafia em palavras, atendendo a pedidos sobre o que cantar e surpreendendo a plateia com versos ricos em imagens poéticas improvisadas. A cantoria e as relações sociais que a constituem e dela são constituídas – como as alianças e convites entre cantadores – são vivenciadas e experienciadas em termos metafóricos.  Cantadores apresentam, em conversas formais e informais e no desafio, no fazer repente, a tradução da cantoria nos termos do campo semântico da corrida, do duelo, da competição e da troca. O presente artigo tem por objetivo apresentar a experiência verbal no discurso sobre a música e na própria música e analisar os conceitos metafóricos neles acionados para explicar e conceber a cantoria, seus conceitos, categorias e teoria.


Texto completo:

PDF

Referências


AUBERT, Eduardo Henrik. 2007. A música do ponto de vista do nativo: um ensaio bibliográfico. Revista Antropológica, 50 (1): 271-320.

BERLINER, Paul F. 1994. Thinking in jazz: The Infinite Art of Improvisation. The University of Chicago Press: Chicago and London.

BLACKING, John. 1995. Venda children's songs: a study in ethnomusicological analysis. Chicago: University Of Chicago Press.

DI DEUS, Eduardo. 2014. Quadrilhas juninas como um movimento de juventude em Rio Branco, Acre. Sociedade e Cultura, 17(1):75-85.

FELD, Steven. 1982. Sound and Sentiment: Birds, Weeping, Poetics and Song in Kaluli Expression. Philadelphia: University of Pennsylvania Press.

____________.1984. Communication, Music, and speech about music. Yearbook for Tarditional Music, 16: 1-18.

FELD, Steven; FOX, Aaron. 1994. Music and language. Annual Review of Anthropology, 23: 25-53.

INGOLD, Tim. 2001. “The poetics of tool use: from technology, language and intelligence to craft, song and imagination.” In: The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. pp. 406-419. Londres e Nova Yorque: Routledge.

LAKOFF, G. & JOHNSON, M. 2002. Metáforas da vida cotidiana. Coordenação de tradução: Mara Sophia Zanotto. São Paulo: Mercado das Letras.

LORTAT-JACOB, Bernard. 1998. Prononcer en chantant. Analyse musicale d'un texte parlé (Castelsardo, Sardaigne). L'Homme, 38(146):87-112.

MENESES BASTOS, Rafael José de. 1978. A Musicologia Kamayurá: para uma Antropologia da comunicação no alto Xingu. Brasília: Fundação Nacional do Índio.

____________.1995. Esboço de uma teoria da música: para além de uma antropologia sem música e de uma musicologia sem homem. pp. 9-73. Anuário Antropológico 93.

NETTL, Bruno. 1998. “An Art Neglected in Scholarship”. In: In the course of Performance. The University of Chicago Press: Chicago and London.

SAUTCHUK, João Miguel. 2012. “Tornar-se poeta”. In: A poética do improviso: prática e habilidade no repente nordestino. Brasília: EdUnB,

SEEGER, Anthony. 2015. Por que cantam os Kisêdjê – uma antropologia musical de um povo amazônico. São Paulo: Cosac Naify.

STONE, Ruth. 1981. Toward a Kpelle Conceptualization of Music Performance. The Journal of American Folklore, 94(372): 188-206.

TRAVASSOS, Elizabeth. 2008. Um objeto fugidio: voz e ‘musicologias’. Música em perspectiva 1(1):14-42.

ZEMP, Hugo. 1978. Aspects of ‘Are’are Musical Theory. Ethnomusicology, 23 (1): 5-48.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.