Uma antropologia no arquivo

Raoni Neri Silva, Mona Lisa Veríssimo Silva de Araújo

Resumo


O trabalho em tela resulta de uma série de inquietações que emergiram durante a escrita de minha dissertação de mestrado em Antropologia: eu poderia ser e me considerar como um antropólogo sem necessariamente ter realizado um trabalho de campo etnográfico? A partir das experiências que tive durante minha formação como antropólogo, uma trajetória acadêmica marcada por pesquisas que iriam privilegiar o arquivo, viso dar conta das possibilidades de produção de um conhecimento antropológico que não esteja vinculada à uma forma tradicional de trabalho de campo — a do contato direto com aqueles que transformamos em “nativos”. Neste exercício, penso também a minha própria identidade como antropólogo neste processo de pesquisa.

Texto completo:

PDF

Referências


CAMPOS, Zuleica Dantas Pereira. O Combate ao Catimbo: Praticas Repressivas às Religiões Afro-Umbandistas Nos Anos Trinta E Quarenta. 2001. f. 311. Tese (Doutorado em História) PPGH – Universidade Federal de Pernambuco: Recife.

CUNHA, Olívia Maria Gomes da. Tempo Imperfeito: Uma etnografia do Arquivo. Revista Mana, 10(2), p. 287-322, 2004.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara. 1989.

GIUMBELLI, Emerson. Para Além do “Trabalho de Campo”: Reflexões supostamente malinowskianas. Revista Brasileira de Ciências Sociais. Vol. 17, nº 48, fevereiro/2002.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Introdução à obra de Marcel Mauss, por Claude Lévi-Strauss. In: MAUSS, Marcel. Sociologia e Antropologia, São Paulo, Cosac Naif, 2003.

MALINOWSKI, Bronislaw Kasper. Argonautas do Pacífico Ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné. 2º ed. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MAURICIO JUNIOR, Cleonardo. “Sozinho” numa casa de shows “deserta”: a relação entre estranhamento e familiaridade e o papel da subjetividade na construção do conhecimento antropológico. Trabalho apresentado na I Jornada do NERP. 2012. Disponível em: .

MOTTA, Roberto. “Filhos-de-Santo e Filhos de Comte: Crítica, Dominação e Ressignificação da Religião Afro-Brasileira pela Ciência Social”, in Mauro Passos (org.), Diálogos Cruzados: Religião, História e Construção Social, Belo Horizonte, Argumentum, 2010, p.111-131.

MIRANDA, Carlos Alberto Cunha. “Quando a razão começa a julgar a loucura: a institucionalização do sistema manicomial em Pernambuco”. In: Cadernos de história: Ensaios sobre a saúde, doenças e sociedade. Recife: Editora Universitária, UFPE, 2011. p.37-84.

PEIRANO, Mariza. A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

RABINOW, Paul. Antropologia da Razão. Rio de Janeiro: Relume-Dumará. 1999

SEEBER-TEGETHOFF, Mareile. Grenzgänger: Uma consideração dos entrelaçamentos entre terreiro e Antropologia. In: Revista Anthropológicas, ano 11, volume 18 (2): 123- 152. 2007.

TORNQUIST, Carmen Susana. “Vicissitudes da Subjetividade: auto-controle, auto-exorcismo e liminaridade na antropologia dos movimentos sociais”. In: BONETTI, Alinne; FLEISCHER, Soraya (orgs.). Entre saias justas e jogos de cintura. Florianópolis, Ed. Mulheres. 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com