Índios em Portugal, Perspectivas a partir de Exposições Museológicas.

Beatriz Gomes Rodrigues

Resumo


Em função do número de objetos etnográficos ameríndios armazenados em museus portugueses e consequentemente a realização de exposições organizadas a partir destes materiais, criou-se o interesse em analisar seus processos de musealização e exposição e compreender os possíveis reflexos destas na forma como determinada parcela da sociedade percepciona diferentes culturas, em especial a indígena. Refiro-me aqui aos processos de transmissão de saber, dos museus para a sociedade. Por este viés, temos como objeto central nesta pesquisa cinco grandes exposições museológicas ocorridas em Coimbra, Porto e Lisboa, circunscrevendo-as ao marco de mudança da política indígena no Brasil com a Constituição de 1988. Este trabalho nos possibilita compreender como a exposição de objetos indígenas nos permite construir um entre muitos olhares sobre a forma como a questão indígena tem sido inscrita na vida cultural portuguesa na contemporaneidade.


Texto completo:

PDF

Referências


BARRETO, L. F. 1992. O Brasil e o Índio na geografia dos Descobrimentos Portugueses- século XVI. Revista da faculdade de Ciencias Sociais e Humanas, 77-102.

BRITO, J. P. 2000. Apresentação da Exposição. In M. N. Etnologia, Os Índios, Nós. Lisboa: Museu Nacional de Etnologia.

CAMINHA, P.V. de 1989. Carta de Pêro Vaz de Caminha ao Rei D. Manuel. In ALBUQUERQUE, L. O reconhecimento do Brasil ( 1-9). Lisboa: Publicações Alfa.

CUNHA, M. C. 2011. Índios como tema do pensamento social no Brasil. In A. BOTELHO, & L. M. Schwarcz, Agenda brasileira. Temas de uma sociedade em mudança (pp. 278-291). São Paulo: Companhia das Letras.

DIAS, J. A. 2012. Arte, Antropologia e Desafios da Exposição: uma Perspectiva [Conferência Inaugural da 3 Edição do Curso de Pós-Graduação em culturas Visuais do ISCTE-IUL].

DUARTE, M. A. 1997. Coleções e Antropologia: Uma Relação variável segundo as estratégias de objectivação do saber. Braga: Tese de Mestrado em Antropologia Cultural e Social. Instituto de Ciências Sociais da Universidade do Minho.

MARCONDES, D. 2012. Montaigne, a descoberta do Novo Mundo e o ceticismo moderno. Kriterion: Revista de Filosofia, pp. 421-433.

NETO, A. B. 2004. Com os Índios Waujá, objetos e personagens de uma colecção amazónica. Lisboa: Museu Nacional de Etnologia.

OLIVEIRA , J. P.; FREIRE, C. A. 2006. A Presença Indígena na Formação do Brasil. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade.

RUIVO, A. L. 2010. Corpo e Cultura: o indígena brasileiro nos relatos portugueses da segunda metade do século XVI. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa.

SCHNEIDER, G. J. 2015. Guardiões do éden: narrativas de encontros com criaturas maravilhosas na américa portuguesa –– século XVI. Juiz de Fora: Dissertação Mestrado. Universidade Federal de Juiz de Fora.

VARNHAGEN, F. A. de 1979. História Geral do Brasil. In ODÁLIA, N. Grandes Cientistas Sociais (35-117). São Paulo: Ática.

VESPÚCIO, A. 2003. Mundus Novus. As cartas que batizaram a América. São Paulo: Editora Planeta.

THEVET, A. 1978. As singularidades da frança Antártica. São Paulo: Universidade de São Paulo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com