AGROESTRATÉGIAS E GRANDES EMPREENDIMENTOS ECONÔMICOS: UMA ANÁLISE SOBRE PROCESSOS DE ACUMULAÇÃO DE CAPITAL E FORMAS DE RESISTÊNCIAS DE QUEBRADEIRAS DE COCO BABAÇU

Poliana de Sousa Nascimento

Resumo


Esse artigo tem como ponto de exposição destacar as estratégias de resistências de quebradeiras de coco babaçu que construíram uma forma específica de organização e de trabalho ligado a terra, apresentando como eixo principal de reivindicação a garantia do livre acesso aos babaçuais. A devastação das palmeiras, o aumento das carvoarias, avanço das siderúrgicas e ampliação de projetos de investimentos que priorizam o agronegócio, tem prejudicado substancialmente suas práticas sociais. Em contrapartida, essas mulheres organizam-se criando mecanismos estratégicos de defesa contra seus antagonistas sociais. Outro plano da discussão, versa, sobretudo, sobre as ‘agroestratégias’, implementadas por grandes empreendimentos, que visam, como ressalta Almeida (2010), remover obstáculos às transações de venda de terra e incentivar as possibilidades de compra e venda, ampliando as terras disponíveis aos empreendimentos vinculados ao agronegócio. Esses empreendimentos, aqui vinculo às commodities, articulam-se não semente através de agroestratégias, mas em estratégias governamentais em torno de uma discussão conservacionista.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. 1995. Quebradeiras de coco babaçu: Identidade e Mobilização. Legislação específica e fontes documentais e arquivísticas. São Luis: III Encontro Interestadual das Quebradeiras de Coco Babaçu.

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de; Martins, Cynthia Carvalho; Shiraishi Neto, Joaquim. 2005. Guerra Ecológica nos Babaçuais: O processo de devastação das palmeiras, a elevação do preço de commodities e aquecimento do mercado de terras na Amazônia. São Luis: MIQCB/BALAIOS TYPOGRAPHIA.

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. 2010. Agroestrategias e desterritorialização- direitos territoriais e étnicos na mira dos estrategistas dos agronegócios. In. Almeida, A.W. et. al. Capitalismo globalizado e recursos territoriais – fronteiras da acumulação no Brasil contemporâneo. Rio de Janeiro: Editora lamparina.

ARAUJO, Helciane de Fátima Abreu. 2013. Estado/ Movimentos Sociais: A trama da construção conjunta de uma política pública no Maranhão. UEA Edições: Manaus.

BOURDIEU, Pierre. 2002. Atos do Estado. Sobre o Estado. São Paulo: Companhia das Letras.

FARIAS JUNIOR, Emmanuel de Almeida. 2016. Megaprojetos inconcludentes e territórios conquistados: diferentes processos sociais de territorialização da comunidade quilombola de Cachoeira Porteira, Oriximiná, Pará. Tese de Doutorado. Manaus: Universidade Federal de Manaus.

GAIOSO, Arydimar Vasconcelos. 2000. Mobilização e mediação: análise sobre a formação de uma entidade de assessoria e mobilização em áreas de projetos de assentamento – ASSEMA. Dissertação de mestrado. São Luís: Universidade Federal do Maranhão.

GUSFIELD, Joseph R. 1975 Community: a critical response. New York: Harper & Row Pub.

LEITE LOPES, José Sergio et.al. 2004. A ambientalização dos conflitos sociais. Rio de Janeiro: Relume Dumará.

MARTINS, Cynthia Carvalho. 2008. Campo intelectual e gestão da economia do babaçu: dos estudos científicos às práticas tradicionais das quebradeiras de coco babaçu. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense.

MESQUITA, Benjamin Alvino de. 1998. A crise da economia do babaçu no Maranhão (1940- 1980). XXVIII Anual Student Conference of Latin America. Patrocinado pelo ILASSA – Institute of Latin Studies Student Association. Austin: Universidade do Texas.

MESQUITA, Benjamin Alvino de. 2015. Grandes projetos de investimentos na Amazônia e as questões do desenvolvimento regional. In. Mesquita. B.A. et. al. Povos tradicionais em coalisão com estratégias empresariais no Maranhão e Pará. Manaus: UEA Edições.

SEREJO LOPES. Danilo da Conceição. 2012. A base espacial e as comunidades quilombolas de Alcântara. São Luís: Anais da 64ª Reunião anual da SBPC.

SCOTT, James C. 2000 Los dominados y le arte de la resistencia. Discursos ocultos. Local Editora Era.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.