O lugar do corpo na antropologia: Uma reflexão sobre a ressignificação do “corpo” nos coletivos feministas contemporâneos - do corpo-objeto ao “corpo-bandeira”

Jaffia Alves de Mello, Anahi Bezerra de Carvalho

Resumo


Este artigo tem como objetivo realizar uma reflexão acerca de como a ideia de corpo vem sendo epistemologicamente construída dentro do campo da antropologia. A reflexão se deu a partir de obras importantes neste campo de estudo, fazendo um breve resgate de textos clássicos e de produções contemporâneas. Entrelaçando perspectivas e conceitos utilizados pela antropologia, antropologia feminista e estudos de gênero, buscou-se construir um percurso teórico que possibilitou refletir sobre como coletivos feministas contemporâneos vem reinvidicando e ressignificando os sentidos dos corpos femininos, deslocando o significado de um corpo-objeto para um “corpo-bandeira”.


Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, Pierre. Esboco de uma teoria da pratica. Ed. Asa, 1972.

BOURDIEU, Pierre. L’habitus et l’espace des styles de vie. La distinction: critique sociale du jugement. Paris: Minuit, 1979.

BRAIDOTTI, R.  Nomadic Subjects .Embodiment and Sexual Difference in Contempory Feminist Theory, New York : Columbia  University Press, 1994.

BUTLER, J. Problemas de gênero. Civilização Brasileira, Rio de Janeiro, 2003.

COMPARIN, Karen A.; SCHNEIDER, Jacó F. O corpo: uma visão da antropologia e da fenomenologia. Revista Faz Ciência. p. 173-188, 2004.

CSORDAS, Thomas. A corporeidade como um paradigma para a antropologia. In Csordas, Corpo, significado, cura. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2008.

DOUGLAS, Mary. Pureza e Perigo. São Paulo: Perspectiva, 1976.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade I: a vontade de saher. Trad. M.T. C. Albuquerque e J. A G. Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1977b.

GOMES, C.; SORJ, B. Corpo, geração e identidade: a Marcha das vadias no Brasil. Revista Sociedade e Estado. v. 29, n. 2, p. 447, Maio-Agosto 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v29n2/07.pdf

HERTZ, Robert - "A proêminência da mão direita" (pg 99 a 128), in Religião e Sociedade, vol. 6, Rio de Janeiro, ISER.

LE BRETON, David. Antropologia do Corpo e Modernidade. Petrópolis: Vozes, 2011.

MALUF, Sônia Weidner. Corpo e corporalidade nas culturas contemporâ-

neas: abordagens antropológicas. Dossiê, corpo e história: esboços - revista do programa de pós-graduação em história da UFSC/2001, Chapecó, p.87- 100, 2002.

MAUSS, Marcel – “As Técnicas do Corpo” (pg 401 a 422), in: Sociologia e Antropologia, São Paulo, Cosac Naif, 2003.

NAME, Leonardo; ZANETTI, Julia. Meu corpo, minhas redes: a Marcha das vadias do Rio de Janeiro. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional, Recife, 2013. Disponível em: http://www.academia.edu/5164773/Meu_corpo_minhas_redes_a_Marcha_das_Vadias_do_Rio_de_Janeiro

OLIVEIRA, E.M. Nosso corpo nos pertence: Uma reflexão pós anos 70. Revista Labrys, estudos feministas. Janeiro/julho 2005. Disponível em: https://www.labrys.net.br/labrys7/liberdade/leo.htm

ORTNER. Sherry. Teoria na antropologia desde os 60. Mana 17,2:419-466, 2011.

SCAVONE, L. Nosso corpo nos pertence? Discursos feministas do corpo. Revista Gênero. Niterói. v. 10, n. 2, p. 47-62, 2010. Disponível em: file:///C:/Users/acaci/Downloads/4-9-1-PB.pdf

VALE DE ALMEIDA, Miguel. O Corpo na Teoria Antropológica. In Revista de Comunicação e Linguagens, 33: 49-66, 2004.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo – “A fabricação do corpo na sociedade xinguana”, Rio de Janeiro, Série Antropologia, vol. 32, 1979.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.