AS VOZES DOS SHINIGAMI: A MORTE E OS MORTOS NAS CIÊNCIAS SOCIAIS

Roberto Barreto Marques

Resumo


Há algum tempo as pesquisas sobre a morte deixaram de ser algo raro de se pesquisar nas ciências humanas. Congressos específicos tais como os organizados pela associação brasileira de estudos cemiteriais (ABEC) e o congresso internacional imagens da morte têm promovido a temática, apresentando-a à comunidade científica. A morte, os mortos, o além e os cemitérios são objetos de estudo plausíveis e relevantes na compreensão de aspectos sócio-históricos da sociedade dos vivos. Porém, para que tais temáticas deixassem de ser meros apêndices de temas maiores, apenas capítulos de livros específicos de outras obras, deixassem de ser tomos difíceis de serem encontrados e um assunto com exíguo referencial teórico, houve os pioneiros e aqueles que se empenharam em apresentar o tabu da morte, seja em uma perspectiva processual, de longa duração, ou aqueles que desafiaram o gosto e a tendência mais moderna de afastar a morte da vida e mesmo de uma investigação científica séria. Veremos alguns destes pesquisadores.


Texto completo:

PDF

Referências


ARIÈS, Philippe. O homem perante a morte – I. 2.ed. Portugal: Publicações Europa-América,2000a.

ARIÈS, Philippe. O homem perante a morte – II. 2.ed. Portugal: Publicações Europa-América, 2000b.

ARIÈS, Philippe. História da morte no ocidente. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.

ASSIS, Machado de. Esaú e Jacó. Rio de Janeiro; Belo Horizonte: Garnier, 1988.

ASSIS, Machado de. Memorial de Aires. São Paulo: Edigraf, S/ano.

CUNHA, Manuela Carneiro. Os mortos e os outros. São Paulo: HUCITEC, 1978.

DAMATTA, Roberto. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. 5.ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DAMATTA, Roberto. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. 5.ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

FREYRE, Gilberto. Em torno de alguns túmulos afro-cristãos. Salvador: UFBA, 1959.

REYRE, Gilberto. Sobrados e Mucambos: decadência do patriarcado

rural e do desenvolvimento urbano. São Paulo: Global, 2006.

GORER, Geoffrey. Death, Grief, and mourning in contemporary britain. London, The Cresst Press, 1965.

HERTZ, Robert. Sulla rappresentazione collettiva della morte. Roma: Savelli, 1978.

MOTTA, Antonio. À flor da pedra: formas tumulares e processos sociais nos cemitérios brasileiros. Recife: Massangana, 2009.

REIS, João José. A morte é uma festa: ritos fúnebres e revolta popular no Brasil do século XIX. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

THOMAS, Louis-Vincent. Antropología de la muerte. México: Fondo de Cultura Económica, 1993.

URBAIN, Jean-Didier. L’archipel des morts. Paris: Payot, 1989.

VALLADARES, Clarival do Prado. Arte e sociedade nos cemitérios brasileiros. Rio de Janeiro: Conselho Federal de Cultura, 1972. 2.v.

VOVELLE, Michel. Imagens e imaginário na história: fantasmas e certezas nas mentalidades desde a Idade Média até o século XX. São Paulo: Ática, 1997.

ZIEGLER, Jean. Os vivos e a morte: uma “sociologia da morte” no ocidente e na diáspora africana no Brasil, e seus mecanismos culturais. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1977.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.