MAPEANDO SILENCIAMENTOS: NOTAS ETNOGRÁFICAS SOBRE MORTE, BIOPODER E A GESTÃO ESTATAL DE CORPOS DE PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA NO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE

Calvin Da Cas Furtado

Resumo


Este texto pretende investigar casos de morte que envolvam a situação de rua no município de Porto Alegre. Pretende-se tensionar a gestão racional burocrática estatal destes corpos e as consequências políticas, sociais e culturais que a regularidade destes casos põe em evidencia. O foco da análise é a produção da legibilidade estatal, situando a gestão estatal de sepultamentos como o estágio derradeiro do biopoder – a morte, neste sentido, entendida como a expressão e materialização da política do deixar morrer. Propõe-se uma pesquisa etnográfica que, por um lado, (1) situe a morte atrelada, atenuada ou derivada da situacionalidade de rua em uma rede de poder-saber povoada por técnicas estatais, mapeando os registros em documentos que interligam setores e práticas da assistência social, saúde pública, segurança pública, ciência e justiça. E que, por outro lado, (2) acompanhe grupos de pessoas em situação ou com trajetória de rua vinculadas ao movimento social (Movimento Nacional da População de Rua) para refletir sobre uma forma de morrer outra, suas implicações, características e consequências. Passagens que evidenciam a transição do luto à luta, da reivindicação por políticas públicas até o direito ao luto, revelam a gênese de um movimento social que possui como ato fundacional um massacre.


Texto completo:

PDF

Referências


AGAMBEN, Giorgio. “Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua I”. tradução de

Henrique Burigo. – 2 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

ASSAD, Talal.¿Donde están los márgenes del estado?. Revista Cuadernos de Antropología Social. N. 27, pp. 53-62, 2008.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? / Judith Butler;

tradução Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão e Arnanldo Marques da Cunha; revisão de tradução de Marina Vargas; revisão técnica de Carla Rodrigues. - 3a ed. - Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

FONSECA, Claudia; CARDARELLO, Andrea. “Direito dos mais e menos humanos”.

Revista Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 5, n. 10, p. 83-121, maio 1999.

DA SILVA, Tiago Lemões. “Vigiar, defender e lutar: sobre direitos e intervenção nas margens do Estado”. XI Reunião de Antropologia do Mercosul. Diálogos, practicas y

visiones antropológicas desde el sur. Montevideo, Uruguay, 2015.

DA SILVA, Tiago Lemões. “De vidas infames à máquina de guerra: etnografia de uma luta por direitos” / Tiago Lemões da Silva. - - 2017.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. “Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia”. Vol. 3. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996.

_________. Mil Platôs. Capitalismo e Esquizofrenia. Vol. 5. Rio de Janeiro: Editora 34, 1997.

FOUCAULT, Michel. “Microfísica do Poder”. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

FOUCAULT, Michel. “A história da sexualidade I: a vontade de saber”; tradução de Maria Thereza da Costa e J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro, Edições Graal, 6a ed, 1985.

FOUCAULT, Michel. “A vida do homens infames”. IN: “O que é um autor?”. 7 ed. Lisboa: Vega, 2009.

FOUCAULT, Michel. “Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976).

Tradução Maria Ermantina Galvão. – 2a ed. – São Paulo : Editora WMF Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, Michel. “Segurança, território e população: curso dado no Collège de France (1977-1978)”; edição estabelecida por Michel Senellart sob a direção de Fraçois Ewald e Alessandro Fontana ; tradução de Eduardo Brandão ; revisão da tradução Claudia Berlinder. - São Paulo : Martins Fontes, 2008a

FOUCAULT, Michel. “O nascimento da biopolítica: curso dado no Collège de France

(1978- 1979)”; edição estabelecida por Michel Senellart sob a direção de Fraçois Ewald e Alessandro Fontana ; tradução de Eduardo Brandão ; revisão da tradução Claudia Berlinder. - São Paulo : Martins Fontes, 2008b.

FURTADO, Calvin da Cas. “Políticas públicas e direitos humanos: o histórico de inserção da população em situação de rua no Disque Direitos Humanos” / Calvin Da Cas Furtado, 2017.

MBEMBE, Achille, “Nécropolitique”. Raisons politiques, 2006/1 no 21.

SCHUCH, Patrice. “A legibilidade como gestão e inscrição política de populações: notas etnográficas sobre a política para pessoas em situação de rua no Brasil”. IN: Ciência, identificação e tecnologias de governo / organizado por Claudia Fonseca e Helena Machado. Porto Alegre: Editora da UFRGS/CEGOV, 2015.

SHARMA, Aradhana; GUPTA, Akhil. "Anthropology of the State: a reader" / edited by SHARMA, Aradhana anda GUPTA, Akhil. Pondicherry, India: Blackwell Publishing, 2006.

SCOTT, James. “Seeing Like a State: How Certain Schemes to Improve the Human

Condition Have Failed”. New Haven and London, Yale University Press, 1998.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. “Pode o subalterno falar?”. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2010.

TROUILLOT, Michel-Rolph. “The anthropology of the state in the age of globalization. Close encounters of the deceptive kind”. Current Anthropology 42(1), 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.