Encantos, simpatias e feitiços: reflexões sobre os casos de suicídio entre os Guarani Kaiowá e Karajá

Claudemiro Pereira Lescano, Sofia Santos Scartezini

Resumo


Os casos de suicídio e algumas reflexões em torno destes acontecimentos dos pontos de vista Guarani Kaiowá e Karajá são o mote deste trabalho. Esta pesquisa é um esforço metodológico e teórico de discutir os casos alarmantes de suicídio nestas duas populações indígenas e também de fazê-lo a partir de referenciais diversificados. Trata-se de um exercício e de uma tentativa de autoria compartilhada, com as falhas e acertos que estão implícitos no ato. Mais que ambicionar uma dialogia compartilhada, uma vez que as etnografias aqui descritas não são coparticipantes, objetivamos visibilizar os alarmantes casos de suicídio nessas duas etnias indígenas brasileiras, que apresentam índices elevados deste tipo específico de morte.

Palavras-Chaves: morte, suicídio indígena, Guarani Kaiowá, Karajá.


Texto completo:

PDF

Referências


BENITES, Eliel. 2018. Kokue: O Sistema de produção Guarani Kaiowa. Dourados. 14 p. Artigo em (Doutorando em Geografia) na Universidade Federal de Grande Dourados – UFGD.

COELHO DE SOUZA, M. 2001. Nós os vivos: "construção do parentesco" e "construção da pessoa" entre alguns Jê. Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 46, pp. 69-96.

FOTI, M. V. 2004. A morte por jejuvy entre os Guarani do sudoeste brasileiro. Revista de Estudos e Pesquisas, 1(2), 45-72.

LESCANO, Claudemiro Pereira.2016. Tavyterã reko rokyta: Os pilares da educação

Guarani Kaiowá nos processos próprios de ensino e aprendizagem. Campo Grande.108 p. Dissertação (mestrado em educação) Universidade Católica Dom Bosco.

NUNES, E. S. 2012. Lembrar dos vivos, esquecer dos mortos: parentesco e memória entre os Karajá de Buridina (Aruanã – GO). Em. PIMENTA, J.; SMILJANIC, M. I. (Orgs.). Etnologia indígena e indigenismo. Brasília: Positiva. pp. 185-207.

____________. 2017. Karajá/Javaé: Nó na garganta. In: Beto Ricardo e Fany Ricardo. (Org.). Povos Indígenas no Brasil 2011-2016. 1ed. São Paulo: Instituto Socioambiental.

PEREIRA, Levi Marques.2006. Assentamentos e formas organizacionais dos Kaiowá. Mato Grosso do Sul, Tellus, ano 06.

PIMENTEL, Spency K. 2017. Contra o que protesta o kaiowa que vai à forca? uma reflexão etnográfica sobre percepções não indígenas frente a intenções e sentimentos indígenas. Em: Lorena Campo Aráuz; Miguel Aparício. (Org.). Etnografías del Suicídio en América del Sur. 1ed.Quito: Abya Ayala/UPS/Neai, 2017, v. , p. 285-314.

SESAI. Saúde Indígena: um direito constitucional, 2018.Brasília-DF.

______. Perfil epidemiológico dos indígenas assistidos pelo SasiSUS e panorama dos serviços de atenção primária. 2018. Brasília-DF.

______. Agenda estratégica de ações de prevenção do suicídio em populações indígenas. 2017- 2018.

TORAL, André.1992. Cosmologia e sociedade Karajá. Dissertação de Mestrado. Museu Nacional/ UFRJ.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. B.; CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. 1993. (orgs.). Amazônia: etnologia e história indígena. São Paulo: NHII-USP/Fapesp.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.