Significados da morte entre headbangers (fãs de heavy metal): uma incursão cognitiva-fenomenológica através da produção de fala interna

José Hugo Gonçalves Magalhães, Alexsandro Medeiros do Nascimento

Resumo


O estudo investigou a subjetivação da morte entre sujeitos inseridos no heavy metal, utilizando a fala interna como veículo cognitivo para o acesso aos conteúdos relacionados à morte emergentes na experiência de tais sujeitos. A pesquisa de recorte cognitivo e fenomenológico foi realizada mediante procedimento idiográfico e qualitativo de coleta de dados, pautando-se na compreensão de que os processos cognitivos (neste caso a fala interna) atuam como mediadores do acesso aos conteúdos pertinentes à experiência gerada diante de temas e questões existenciais, tais como a morte. As categorias de fala interna emergentes, apesar de não indicarem conteúdos mais detidamente ligados ao âmbito do metal na experiência dos sujeitos investigados, denotam a reconstituição do conflito entre concretude e abstração da morte presente na compreensão ocidental de morte em geral e que se apresenta também no universo do heavy metal em particular. Palavras-chave: Fala Interna; Fenomenológico; Heavy Metal; Morte; Processos Cognitivos


Texto completo:

PDF

Referências


Ariés, P. (1977). A história da morte no ocidente. Rio de Janeiro, RJ: Francisco Alves.

Bardin, L. (2006). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Biasoli-Alves, Z.M.M. (1998). A pesquisa psicológica: análise de métodos e estratégias na construção de um conhecimento que se pretende científico. In Romanelli, G. & Z.M.M, Biasoli-Alves (Eds). Diálogos metodológicos sobre prática de pesquisa. (pp. 135-157). Ribeiraão Preto, SP: Legis Summa.

Cave, S. (2011). Immortality: the quest to live forever and how it drives civilization. New York: Crown publishers.

Christe, I. (2010). Heavy metal: a história completa. São Paulo: Arx editora.

Couto Rosa, M.V.F.P., & Arnoldi, M.A.G.C. (2006). A entrevista na pesquisa qualitativa: mecanismos para validação dos resultados. Belo Horizonte: Autêntica.

Hurlburt, R.T. & Heavey, C.L. (2008). The phenomena of inner experience. Consciousness and Cognition, 17, 798–810.

Kovács, M.J. (2008). Desenvolvimento da tanatologia: estudos sobre a morte e o morrer. Paidéia, 18(41), 457-468.

Manzini, E. J. (1990). A entrevista na pesquisa social. Didática, 26, 149-158.

Manzini, E.J. (2003). Considerações sobre a elaboração de roteiro para entrevista semi-estruturada. In: Marquezine, M. C.; Almeida, M. A.; Omote; S. (Eds.). Colóquios sobre pesquisa em Educação Especial. (pp.11-25). Londrina: eduel.

Magalhães, J.H.G. (2014). O que as pessoas experienciam quando a morte vem à mente? Explorando aspectos cognitivos e fenomenais da experiência interna dirigida à morte entre sujeitos inseridos na cultura heavy metal. Dissertação de Mestrado Não-Publicada, Programa de Pós-graduação em Psicologia Cognitiva, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Magalhães, J. H. G., & Nascimento, A. M. (2017). Morte, cultura, heavy metal e experiência interna: sensação e afetividade. Psicologia em Estudo, 22(2), 175- 186.

Nascimento, A.M. (2008). Autoconsciência situacional, imagens mentais, religiosidade e estados incomuns da consciência: um estudo sociocognitivo. Tese de doutorado, Programa de pós graduação em psicologia cognitiva. Universidade Federal de Pernambuco.

Philips, W & Corgan, B (2009). Encyclopedia of Heavy metal music. Westport: Greenwood Press.

Weinstein, D. (2000). Heavy Metal: the music and its culture. Da capo press.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista de Estudos e Investigações Antropológicas
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE – Brasil
reiappga@gmail.com