Movimento e profissionalização do cantador piauiense: convites, abandona e saudade

Amalle Catarina Ribeiro Pereira

Resumo


Neste artigo analiso o fluxo de palavras e pessoas no Nordeste Brasileiro como um dos fatores para cantadores obterem sucesso na carreira profissional. Um ‘profissional violeiro’ é um ‘cantador grande’ que se destaca na cantoria, fazendo parte de sua ‘elite’. Ele mantém o seu sustento financeiro e de sua família como profissional através de uma agenda preenchida de convites e compromissos de apresentação de cantoria. O objetivo deste artigo é entender, à luz da linguística e antropologia, os valores atribuídos ao fluxo de cantadores e de palavras, a partir de uma abordagem das trajetórias individuais de alguns cantadores piauienses até tornarem-se profissionais violeiros, e a partir de uma análise de dois gêneros apresentados em uma cantoria em que cantadores tematizam o sentimento de saudade e abandono, culpa, sacrifício e sucesso em virtude da partida de um deles, que optou por morar fora da terra natal e tornar-se um violeiro profissional.


Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. 1997. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Editora Hucitec.

BENVENISTE, Émile. 2005. Problemas de linguística geral I. Trad: NOVAK, M. da G.; NERI, M. L. Campinas: Editora da Unicamp.

BLEDSOE, Caroline. 1990. No success without struggle: Social mobility and hardship for foster children in Sierra Leone. Man, New Series, Vol. 25, No. 1. p. 70-88

BRASIL. Lei Nº 12.198, De 14 De Janeiro De 2010. Disponível em: www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12198.htm. Acesso em: 14 de outubro de 2017.

DROTBOHM, Heike. 2012. “It’s Like Belonging to place that has never been yours”. Deportees negotiating involuntary immobility and conditions of return in Cape Verde. In: Migrations: interdisciplinary perspectives. New York: Springer.

FELDMAN-BIANCO, Bela. 2009. Reinventando a Localidade: Globalização heterogênea, escala da cidade e a incorporação desigual de migrantes transnacionais. Horizontes Antropológicos. 15(31): 19-50.

FORTES, Celeste. 2016. “Regressar é regredir”: estudantes caboverdianas em Lisboa e discursos sobre os projectos de retorno a Cabo Verde. In: ÉVORA, Iolanda. Diáspora Cabo-verdiana. Temas em debate. p. 88-105. (E-book disponível em http://pascal.iseg.utl.pt/~cesa/index.php/menupublicacoes/e-book/500)

GILROY, Paul. 2001. O Atlântico Negro. São Paulo: Editora 34.

GURAN, Milton. 2012. “O refluxo da diáspora africana em perspectiva: Angola, Benim, Togo, Nigéria, Gana, Libéria e Serra Leoa”. In Braz Dias, J. e Lobo, A. (orgs.) África em Movimento. Brasília: ABA Publicações. p. 129-150.

LOBO, Andréa de Sousa. 2012. Vidas em Movimento. Sobre mobilidade infantil e emigração em Cabo Verde. In: África em movimento. Brasília: ABA Publicações.

LOPES, Gustavo Magalhães. 2001. De pés-de-parede a festivais: um estudo de caso sobre o repente nordestino na grande São Paulo. Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem (dissertação).

OSÓRIO, Patrícia Silva. 2005. Modernos e rústicos: tradição, cantadores nordestinos e tradicionalistas gaúchos em Brasília (Tese de Doutorado). Brasília; Universidade de Brasília, Departamento de Antropologia.

____________. 2018. Cantadores nordestinos e tradicionalistas gaúchos: a tradição nas lutas por inserções e autenticidades. Revista de Antropologia Social. Campos, UFPR, v. 13, n. 2, p. 71-87, 2012. Disponível em: revistas.ufpr.br/campos/article/download/36781/22603. Acesso em 16 de janeiro.

PEREIRA, Amalle C. Ribeiro. 2018. A dádiva e as palavras no cantar dos repentistas: Etnografia do repente no Piauí. Novas Edições Acadêmicas.

REILY, Suzel Ana. 1992. Música sertaneja and migrant identity: The Stylistic Development of a Brazilian Genre. Popular Music, 11(3):337-358.

SARRÓ, Ramon. La aventura como categoría cultural. Apuntes simmelianos sobre la emigración subsahariana. Revista de Ciências Humanas, Florianópolis, EDUFSC, Volume 43, Número 2, p. 501-521, Outubro de 2009.

SAYAD, Abdelmalek. 1998. A Imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: Edusp

SEYFERTH, Giralda. 2010. Comemoração, identidade e memória da imigração. In: Ferreira, Ademir et. Al (Orgs.). A experiência migrante. Entre deslocamentos e reconstruções. Rio de Janeiro: Garamond. p. 103-122.

TRAJANO FILHO, Wilson. 2016. “O quão frágeis são os valores modernos: o fratricídio em Germano Almeida”. In: Lobo, A. e Braz Dias, J. (orgs.) Mundos em circulação: perspectivas sobre Cabo Verde. Brasília: ABA Publicações. p. 29-46.

TURNER, Victor. 1987. The Anthropology of Performance. PAJ Publications, New York.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.