A intuição do tempo no estudo antropológico da prática de carona: notas metodológicas de pesquisa

Yuri Rosa Neves, Ana Luiza Carvalho Da Rocha

Resumo


Este artigo visa um exercício metodológico sobre prática de carona na cidade de Florianópolis através de diferentes maneiras com que a noção de tempo pode ser utilizada. Para a responder a pergunta sobre a perpetuação desta forma de deslocamento neste contexto, passamos por um entendimento das continuidades históricas e dos elementos que contam para as condições de possibilidade da existência da carona, sua duração, para, num segundo momento, adentrarmos nas descontinuidades dos instantes vividos durante a prática de carona, as incertezas, contingências e imprevisibilidades mobilizadoras na agências dos participantes. Ao longo do artigo propomos as noções de englobamentos descortinamento como imagens para compreender a continuidade da carona nas suas repetidas descontinuidades das experiências singulares. 


Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, Tatiane Vieira; GOMES, Larisse Louise Ponte; CAMARGO, Marcelo Giacomazzi. 2016. Etnografia da carona. Uma perspectiva sobre mobilidade e sociabilidade. Ponto Urbe [Online], v. 19: sn. (http://pontourbe.revues.org/3266; acesso em 15/05/2018).

BACHELARD, Gaston. 2010. A intuição do instante. Campinas: Editora Versus.

__________________. 2008. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes.

BOURDIEU, Pierre. 1991. The Logic of Practice. Stanford: Stanford University Press.

BUTLER, Judith. 2013..Fundamentos contingentes: o feminismo e a questão do “pós-modernismo”. Cadernos Pagu, n. (11):11-42.

CARLSON, Donna. 1972. “Thumbs out: Ethnography of Hitchhiking”. In J.P. Spradley & D.W. McCurdy (eds): The Cultural Experience: Ethnography in Complex Society, pp. 137–146. Chicago: SRA.(https://archive.org/stream/culturalexperien00spra#page/146/mode/2up - acesso em 25/05/2017)

CONCEIÇÃO, Milton Luz. 2015 Topocídio da Ponte Hercílio Luz. Resgate – Revista Interdisciplinar Cult., Campinas, ano 23, v. (30):119-130.

DALAKOGLOU, Dimitris & HARVEY, Penny. 2012. Roads and Anthropology: Ethnographic Perspectives on Space, Time and (Im)Mobility. Mobilities, Routledge, Vol. 7(4):459–465

DIÁRIO CATARINENSE. Por que Florianópolis é a melhor cidade do país para criar os filhos. Publicada em 14/03/2015. Acesso em http://dc.clicrbs.com.br/sc/noticias/noticia/2015/03/por- queflorianopolis-e-a-melhor-cidade-do-pais-para-criar-os-filhos-4718425.html. Acesso 04/07/2016 às 01:32 AM.

_______. Florianópolis é a melhor cidade brasileira para criar os filhos, aponta estudo. Publicada em 04/03/2015. http://dc.clicrbs.com.br/sc/noticias/noticia/2015/03/florianopolis-e- amelhor-cidade-brasileira-para-criar-os-filhos-aponta-estudo-4711625.html. Acesso 04/07/2016 às 1:30 PM.

DIEGUES, A. C. 1998. Ilhas e Mares, simbolismo e imaginário. São Paulo: HUCITEC.

DILLEY, R. 2010. Reflections on knowledge practices and the problem of ignorance. Journal of the Royal Anthropological Institute, 16: 176-192. (doi:10.1111/j.1467-9655.2010.01616.x)

DURAND, G. 1984. Les structures Anthropologiques de l'Imaginaire. Paris: Dunod.

ECKERT, Cornelia & ROCHA, Ana Luiza Carvalho. 2005. O tempo e a cidade. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

__________. 2013. A etnografia da duração. Porto Alegre: Editora da UFRGS.

__________. 2011. Etnografia da duração nas cidades em suas consolidações temporais. Política e Trabalho - Revista de Ciências Sociais, n. 34:107-126

__________. 2013 Etnografia de rua. Porto Alegre Editora da UFRGS.

FABIAN, Johannes. 2013. O tempo e o outro. Petrópolis: Editora Vozes.

FANTIN, Marcia. 1999. Cidade dividida: dilemas e disputas simbólicas em Florianópolis. Doutorado. Tese. São Paulo: Universidade de São Paulo.

GELL, Alfred. 2014. A antropologia do tempo: construções culturais de mapas e imagens temporais. Petrópolis: Vozes.

HOLANDA, Sérgio Buarque. 1963. Raízes do Brasil. São Paulo: Companhia das Letras.

IBGE, Cidades. Censo 2016. (http://www.ibge.gov.br; acesso em 05/05/2017).

KENDALL, Blake Paul. 2016. Sharing the Road: The Post-Internet Hitchhiker. Journal of Visual and Media Anthropology, v.2(1):40-55.

LARKIN, Brian. 2013. The politics and poetics of infrastructure. Palo Alto: Annual Review of Anthropology, v.42:327-343.


LAVIOLETTE, Patrick. 2014. Why did the Anthropologist Cross the Road? Hitch-Hiking as a Stochastic Modality of Travel. Ethnos: Journal of Anthropology, v. 81 (3): 379-401 https://doi.org/10.1080/00141844.2014.986149

LOPES, José Sérgio Leite. 2006. Sobre processos de “ambientalização” dos conflitos sociais e sobre dilemas de participação. Horizontes Antropológicos, v. 25(12): 31-64.

M’CHAREK, Amade. 2010. Fragile differences, relational effects: Stories about the materiality of race and sex. European Journal of Women’s Studies, v. 17(4):1 –16

MEDEIROS, Valério Augusto Soares de. 2006. Urbis Brasiliae ou sobre cidades do Brasil: inserindo assentamentos urbanos do país em investigações configuracionais comparativa. Doutorado. Tese. Brasília: Universidade de Brasília.

MOLES, Abraham e ROHMER, Elisabeth. 1982. Labyrinthes du vécu. Paris: Klincksieck.

MOLES, Abraham. 1995. As ciências do impreciso. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.

MUNN, Nancy. 1992. The cultural anthropology of time: a critical essay. Annual Anthropological Review, v. 21:93-123.

MUKERJI, Chandra. 1978. Bullshitting: Road Lore among Hitchhikers. Social Problems, v. 25(3):241-52

NEVES, Yuri R. 2018. Caronas antropológicas nas ruas de Florianópolis. Deslocamentos, tempo e cidade. Mestrado. Dissertação. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

_________ . 2018b De carona na pesquisa: revisão de literatura e algumas direções a partir de uma etnografia em caronas por Florianópolis. Revista de Estudos e Investigações Antropológicas, v.5(1): 74-99

OLIVEIRA, Roberto Cardoso. 1996. O trabalho do antropólogo: Olhar, Ouvir, Escrever. Revista de Antropologia,. v. 39(1):13-37

ORTNER, Sherry. 2011. Teoria Antropológico desde os 60. Mana, v. 17(2):419-466.

PORTIS, Julian A. Compagni. 2015. Thumbs Down- America and the Decline of Hitchhiking. Phd. Dissertation. Connecticut: Wesleyan University, Middletown.

PURKINS, Jonathan. 2012. Cap. 8 - The Hitchhiker as Theorist: Rethinking Sociology and Anthropology from an Anarchist Perspective. In KINA, Ruth (eds): The Continuum Companion to Anarchism, pp. 141-161. London and New York: continuum.

REIS, Almir Francisco. 2012. Ilha de Santa Catarina: permanências e transformações. Florianópolis: Editora da UFSC.

RIAL, Carmen. 1988. O mar-de-dentro: A transformação do espaço social na Lagoa da Conceição. Mestrado. Dissertação. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre.

RIVOLUCRI, Mario. Hitch-Hiking. (http://hitchwiki.org/en/Hitch-Hiking_by_Mario_Rinvolucri; acesso em 05/06/2018)

ROCHA, A. L. Carvalho da. 1994. Le sanctuaire du désordre, ou l’art de savoir-vivre des douces barbares sous les Tristes Tropiques. Doutorado. Tese. Paris: Universidade de Paris V, Sorbonne.

________ . 1995 “A irracionalidade do belo e a estética urbana no Brasil” In MESQUITA, Z. & BRANDÃO, C. R.: Territórios do cotidiano, uma introdução a novos olhares e experiências. Porto Alegre e Santa Cruz: Ed. UFRGS/UNISC,.

______. 2003. Da Figurações de Lendas e Mitos Históricos na Construção da Cidade Tropical. Revista Iluminuras, v. 4(8): np.

SCOTT, James. 1998. Seeing Like a State. How Certain Schemes to Improve the Human Condition Have Failed. New Haven and London: Yale University Press. pp. 1 – 147; 309 – 346.

SCHEGLOFF, Emanuel A. 2006. “Interaction - The Infrastructure for Social Institutions, the Natural Ecological Niche for Language, and the Arena in Which Culture is Enacted”. In N. J. Enfield and S. C. Levinson (Eds.), Roots of Human Sociality: Culture, cognition and interaction., pp 70-69. London: Berg.

STAR, Susan Liegh. 1999. The ethnography of infrastructure. American Behavioral Scientist, Thousand Oaks. v. 43(3): 377-391.

SVAMPA, Maristella. 2006. Movimientos sociales y nuevo escenario regional: Las inflexiones del paradigma neoliberal en América Latina. Sociohistórica, n. 19-20: 141-155,.

VELHO, Gilberto. 1987. Individualismo e cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de janeiro: Zahar.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.