As tradicionais festas religiosas na moderna de Belo Horizonte

Wanessa Pires Lott

Resumo


Belo Horizonte é inaugurada em 1897 para ser a capital do estado de Minas Gerais. Apesar de ser construída com base nos valores de modernização do espaço urbano, a população manteve as tradicionais vivências do período monárquico. Neste sentido, a cidade é aqui percebida no paradoxo da modernidade, no estado entre o tradicional e o moderno, principalmente se tomarmos o estudo sob a ótica dos festejos religiosos dos primeiros anos da cidade. Assim, o artigo em questão tratará das festas religiosas na cidade de Belo Horizonte no período da festa de inauguração (12 de dezembro de 1897) até a comemoração da inauguração da nova Matriz da cidade (07 de setembro de 1922). O campo historiográfico-etnográfico é delimitado pelos jornais da Coleção Linhares Digital e pelos relatos de memorialistas. O arcabouço teórico tem como base a história e a antropologia.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Marcelina. 1993. Fé na modernidade e tradição na fé: a catedral da Boa Viagem e a capital. Dissertação. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

ALMEIDA, Marcelina. 1996. Catedral da Boa Viagem de Belo Horizonte: fé, modernidade e tradição DUTRA, E. (Org.) BH: Horizontes Históricos. Belo Horizonte: C/Arte.

ÁVILA, Afonso. 1984. Iniciação ao barroco mineiro. São Paulo: Nobel.

BARRETO, Abílio. 1995. Belo Horizonte: memória histórica e descritiva Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, Centro de Estudos Históricos e Culturais.

BATESON, Gregory. 2000. Steps to an Ecology of Mind: Collected Essays in Anthropology, Psychiatry, Evolution, and Epistemology. Chicago: University of Chicago Press.

BAUDRILLARD, Jean Modernidade. 1982. Biennale de Paris. La modernité ou l’esprit du temps. (Tradução Léa Perez e Francisco Coelho dos Santos) Paris, Editions L’Equerre.

CALLOIS, Roger. 1988. O homem e o sagrado Lisboa: Edições 70.

CHARTIER, Roger. 2004. Leituras e leitores na França do Antigo Regime São Paulo: Ed. UNESP.

DEL PRIORI, Mary. 2000. Festas e utopias no Brasil colonial. São Paulo: Brasiliense.

DIAS, Padre Francisco Martins. 1997. Traços Históricos e Descriptivos de Bello Horizonte. Belo Horizonte: Arquivo Público Mineiro: Xerox do Brasil.

DUVIGNAUD, Jean. 1997. El Sacrifício Inútil. México: Fondo de Cultura Econômica.

ELIADE, M. 2002. Tratado de História das Religiões 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes.

GUIMARÃES, Marcos. Out. 2013. A paisagem através da arquitetura: o edifício Niemeyer em Belo Horizonte VITRUVIUS ano 14:161.01 Disponível em https://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/14.161/4910 Acesso dia 20 de maio de 2020.

LOTT, Wanessa Pires. 2017. Tem festa de negro na República branca: o reinado em Belo Horizonte na Primeira República. Tese. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. 2003. Festa no pedaço: cultura popular e lazer na cidade. São Paulo: Hucitec/UNESP.

MELLO e SOUZA, Laura. 2001 “Festas barrocas e a vida cotidiana em Minas Gerais” In.: JANSÓN, István e KANTOR, Iris (org) Festa: Cultura e sociabilidade na América Portuguesa. v.1, São Paulo: Hucitec: Editora da Universidade de São Paulo: Fapesp: Imprensa Oficial.

MOURÃO, Paulo Kruger Corrêa. 1977. A Catedral de Nossa Senhora da Boa Viagem de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Imprensa Oficial.

MUMFORD, L. 1998. A cidade na história:suas origens, transformações e perspectivas 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes.

NASCIMENTO, Mara Regina. 2006. Irmandades leigas em Porto Alegre: práticas funerárias e experiência urbana – séculos XVIII-XIX Tese. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

OZOUF, Mona. 1976. “A festa: sob a revolução francesa”. In.: LE GOFF, Jacques e NORA, Pierre História: novos objetos. Rio de Janeiro: F. Alves.

PASSOS, Mauro. 2002. “Apresentação”. In.: PASSOS, Mauro (org) A festa na vida. Petrópolis: Vozes.

PEREZ, Lea. 2002. “Antropologia das efervescências coletivas”. In.: PASSOS, Mauro (org) A festa na vida. Petrópolis: Vozes.

PEREZ, Léa. 2008. Dionísio nos trópicos. Trabalho apresentado no “I Colóquio Festas e Sociabilidades”Aracaju/SE: UFSE.

SALGEIRO, H. 1982. “O ecletismo em Minas Gerais: Belo Horizonte 1894-1930”. In.: FABRIS, A. (org). Ecletismo na Arquitetura Brasileira. São Paulo: Nobel/Edusp.

SANCHIS, Pierre. 1992. Arraial: festa de um povo as romarias portuguesas 2ª ed. Lisboa: Publicações Dom Quixote.

SANCHIS, Pierre. Out. 2001. “Desencanto e formas contemporâneas do religioso”. Revista CIÊNCIAS SOCIAIS E RELIGIÃO, Porto Alegre, ano 3, n. 3. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/index.php/CienciasSociaiseReligiao/article/viewFile/2168/889

SEGALEN, Martine. 2002. Ritos e rituais contemporâneos. Rio de Janeiro: Editora FGV.

TURNER, Victor. 1974. O processo ritual: estruturas e antiestruturas Petrópolies: Vozes.

Periódicos

(Periódicos disponíveis em: UFMG – Universidade Federal de Minas Gerais Coleção Linhares http://linhares.eci.ufmg.br/ln2_infofasc.php?status=0&jornal_id=31&ji=29&jl=14 Acesso em 05 de fevereiro de 2019)

A CAPITAL, 13 de abril de 1896

AURORA, 01 de junho de 1897

BEIJA-FLOR, 19 de abril de 1914

BELLO HORIZONTE, 26 de junho de 1898

FLAMMULA 16 de maio de 1907

FLORESTA, 13 de agosto de 1922

ACTUALIDADE, 09 de março de 1906

O ALFINETE 24 de março de 1907

O ARAUTO, 24 de fevereiro de 1922

O ARAUTO, 27 de março de 1922

O ARREPIADO, 16 de julho de 1921


Apontamentos

  • Não há apontamentos.