Desafios para a permanência de estudantes ciganos na escola: um olhar sobre a experiência em uma escola de Penedo/AL

Edluza Maria Soares de Oliveira, Jordânia de Araújo Souza

Resumo


O presente artigo, objetiva apresentar e discutir os resultados de uma pesquisa de cunho exploratório, que analisou, a partir da ideia de universalização do ensino fundamental, prevista no Plano Nacional de Educação (PNE) e no Plano Municipal de Educação (PME) da cidade de Penedo-AL, como tem sido planificado o acesso e a permanência escolar dos estudantes ciganos matriculados no ano letivo de 2018, em uma das unidades escolares do município de Penedo-AL. Assim, realizamos uma análise dos Planos Nacional e Municipal de Educação; observação em vários ambientes do espaço escolar e principalmente das salas de aula. Além disso, desenvolvemos entrevistas semiestruturadas com diversos atores da escola e utilizamos a “Análise de Conteúdo” (BARDIN, 1977) como aporte metodológico. Nossos achados apontam que a escola tem tratado pontualmente a questão da permanência dos estudantes ciganos, principalmente com medidas de caráter técnico-administrativo.

 

Palavras-chave: Escola. Ciganos. Política de Permanência. Penedo.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE JÚNIOR, Lourival. Os ciganos e os processos de exclusão. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 33, nº 66, p. 95-112, 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de: Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: Edições 70,1977.

BAREICHA, Luciana Câmara Fernandes. Educação e exclusão social: a perspectiva dos ciganos e dos não-ciganos. Tese de Doutorado. Brasília, DF. UNB, 2013.

BARTH, F. Etnicidade e o conceito de cultura. Tradução de: Paulo Gabriel Hilu da Rocha Pinto. Antropolítica, Niterói, RJ, n. 19, p.15-30, 2. sem., 2005.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Tradução de: Fernando Tomaz. Lisboa: Difel, 1989.

BRASIL. Plano Nacional de Educação 2014-2024 [recurso eletrônico]: Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014, que aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014.

CANCLINI, Nestor García. Teorias da interculturalidade e fracassos políticos. IN: Diferentes, desiguais, desconectados: mapas da interculturalidade. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2009.

CANDAU, Vera Maria. SIMÃO e KOFF, Adélia Maria Nehme. Conversas com.... sobre a didática e a perspectiva multi/intercultural. Educ. Soc., Campinas, vol. 27, n. 95, p. 471-493, maio/ago. 2006.

CANDAU, Vera Maria. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In: Multiculturalismo: Diferenças culturais e práticas pedagógicas. (Orgs.) Antônio Flávio Moreira e Maria Vera Candau. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

______. Diferenças culturais, cotidiano escolar e práticas pedagógicas. Currículo sem Fronteiras, v.11, n.2, pp.240-255, Jul./Dez. 2011.

DINIZ, Margareth & RAHME, Mônica. Da educação especial à educação inclusiva. In: Pluralidade Cultural e inclusão na formação de professoras e professores. (Orgs.) Margareth Diniz e Renata Nunes Vasconcelos. Belo Horizonte: Formato Editorial, 2004.

GOFFMAN, Erving. Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan S. A., 1988.

GOLDFARB, Maria Patrícia Lopes. Memória e etnicidade entre os ciganos Calon em Souza-PB. João Pessoa: Editora da UFPB, 2013.

HANNERZ, Ulf. Fluxos, fronteiras, híbridos: palavras-chave da antropologia transnacional. Mana [online]. 1997, vol.3, n.1, pp. 7-39. ISSN 0104-9313. Disponível em: . Acesso em: 20 de nov. 2014.

MAGANO, Olga; MENDES, Maria Manuela; GOMES, Silvia. Introdução-Ciganos e Educação. Configurações, vol. 18, 2016, pp. 5-7.

MEDEIROS, Jéssica Cunha de. BATISTA, Mércia Rejane Rangel. GOLDFARB, Maria Patrícia Lopes. Entre idas e vindas, como interpretar o fluxo cigano? Discutindo as compreensões sobre diáspora e nomadismo. Trabalho apresentado na 29ª Reunião Brasileira de Antropologia, realizada entre os dias 03 e 06 de agosto de 2014, Natal/RN.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Resolução Nº 3, de 16 de maio 2012. Define diretrizes para o atendimento de educação escolar para populações em situação de itinerância. Disponível em: Acesso em: 01 de out. de 2018.

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa. CANDAU, Vera Maria. Educação escolar e cultura(s): construindo caminhos. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, RJ, n. 23, p. 156-168, maio/ago. 2003. ISSN 1809-449X.

______. Multiculturalismo: Diferenças culturais e práticas pedagógicas. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

PENEDO-AL. Plano Municipal de Educação 2015-2025 [recurso eletrônico]: Lei nº 1.537, de 21 de agosto de 2015, que aprova o Plano Municipal de Educação de Penedo (PME) e dá outras providências. – Penedo: Câmara Municipal de Penedo, 2015.

PORTUGAL. Alto Comissariado para as Migrações (ACM, IP). MENDES. Manuela et al. Estudo Nacional sobre as Comunidades Ciganas. Lisboa, 2014.

SANTOS, Laudicéia da Cruz. Etnicidade e Educação: Formação Docente sobre os Povos Ciganos na Escola Municipal Agnaldo Marcelino Gomes. Dissertação de Mestrado. Jacobina, BA. UNEB, 2017. (P. 14 a 45; 63 a 136 e 171 a 184).

SIMÕES, S. R.; Juliano, D. B, R. Educação cigana: escola para ciganos ou escola com ciganos? In: IV Simpósio sobre Formação de Professores – SIMFOP, 7 a 11 de maio de 2012. Tubarão. Anais do Universidade do Sul de Santa Catarina, Campus de Tubarão.

WAGNER, Roy. A Invenção da Cultura. Tradução: Marcela Coelho de Souza e Alexandre Morales. São Paulo: Cosac Naify, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.