Chega de ontologia: da metafísica ao pragmatismo na antropologia

Gabriel Ferreira de Brito

Resumo


Neste artigo, comparo artigos fornecidos por uma cadeira de Teoria e História da Antropologia no ano de 2019 e cujas abordagens concorrentes são derivadas do tema da globalização e a virada ontológica. Serão dois os eixos analíticos: 1) como a teoria ontológica lida com questões sobre posicionamento e alteridade em uma escala global; 2) metodologicamente como lidar com o problema global. Espera-se, como resultado, demonstrar que o global pode ser abordado na antropologia por etnografias e etnologias que insiram a agência não humana na agenda de pesquisa, como sugerem adeptos da virada ontológica como Bruno Latour; ao mesmo tempo, também se espera demonstrar que a saída ontológica possui lacunas que podem ser preenchidas por uma abordagem mais pragmatista e menos preocupada com ontologia.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA SOUZA, Iara Maria de. A noção de ontologuas múltiplas e suas consequências políticas. Ilha, v. 17, n 2, p. 49-73, ago/dez 2015. Disponível em: < http://dx.doi.org/10.5007/2175-8034.2015v17n2p49>. Acesso: 11 mar 2020.

AMIRA, Henare; HOLBRAAD, Martin; WASTELL, Sari. Introduction: Thinking through things. In: (Ed.) AMIRA, Henare; HOLBRAAD, Martin; WASTELL, Sari. Thinking through things: Theorizing artefacts ethnographically. London, Routledge, 2007. pp. 1–31.

ANTWEILER, Christoph. Pan-cultural Universals – a Foundation for an Inclusive Humanism. In: RÜSEN, Jörn (ed.). Approaching Humankind: Towards an Intercultural Human-ism. Göttingen: V&R unipress; Taipei: National Taiwan University Press, 2013. p. 37-68.

AQUINO, Thiago. A fenomenologia da distinção humana: Scheler e o projeto da antropologia filosófica. Síntese: revista de Filosofia, v. 42, p. 132, pp. 61-80, 2015.Disponível em: < https://faje.edu.br/periodicos/index.php/Sintese/article/view/3030>. Acesso: 11 mar 2020.

CESARINO, Letícia. Etnografia multissituada e a questão da escala: reflexões com base no estudo da cooperação sul-sul brasileira. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 20, n. 41, p. 19-50, jan/jun 2014. Disponível em: . Acesso: 3 mar. 2020.

DELEUZE, Gilles; GUATARRI, Félix. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. RJ, Ed 34, 1995 [1980] (Coleção TRANS).

GONZÁLEZ-ABRISKETA, Olatz; CARRO-RIPALDA, Susana. La apertura ontológica de la antropologia contemporánea. Revista de Dialectología y tradiciones populares, v. I.XXI, n. 1, pp. 101-128, enero-junio 2016. Disponível em: http://dra.revistas.csic.es/index.php/dra/article/view/504. Acesso: 15 jan 2020.

GRAEBER, David. Radical Alterity Is just Another Way of Saying ‘Reality’: A Reply to Eduardo Viveiros de Castro. HAU – Journal of Ethnographic Theory, Chicago, v. 5, n. 2, p. 1- 41, 2015;

HANNERZ, Ulf. Fluxos, fronteiras, híbridos: palavras-chave da Antropologia transnacional. Mana, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 7-39, 1997. (http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93131997000100001)

HOLBRAAD, Martin; PEDERSEN, Morten Axel. The ontological Turn: An Anthropological Exposition. Cambridge/New York, Cambridge University Press, 2017.

INGOLD, Tim. Chega de etnografia! A educação da atenção como propósito da antropologia. Educação, revista quadrimestral, Por Alegre, v. 39, n. 3, pp. 404-411, set-dez 2016. Disponível em: < http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewFile/21690/15179;Chega>. Acesso: 21 jul. 2019.

______. Estar vivo: Ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Tradução de Fábio Creder, Petrópolis, RJ, Vozes, 2015.

JAMES, William. Pragmatismo e outros textos. Tradução Jorge Caetano da Silva, Pablo Rubén Mariconda. São Paulo, Abril Cultural, 1979. Os pensadores.

LAGROU, Els. Copernicus in the Amazon: Ontological Turnings from the Perspective of Amerindian Ethnologies. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, p.133-167, 2018.

LAPOUJADE, David. William James, a construção da experiência. São Paulo, n-1 edições, 2017.

LATOUR, Bruno. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. São Paulo. Editora UNESP, 2000.

______. Investigação sobre os modos de existência: uma antropologia dos modernos. Tradução Alexandre Agabiti Fernandez, Petrópolis, RJ, Vozes, 2019. Coleção Antropologia.

_______. Jamais fomos modernos: ensaios de antropologia simétrica. Rio de Janeiro. Ed., 34, 1994.

______. Reagregando o social: uma introdução à Teoria do Ator-Rede. Salvador, EDUFBA, 2012; BAURU, São Paulo, 2012.

LESSA, Sérgio. Lukács e a ontologia: uma introdução. Revista Outubro, São Paulo, n 5, p. 83-100, jul/dez, 2001. Disponível em: < www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000152&pid=S1414-753X200800020000300017&lng=en> Acesso: 11 mar 2020.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia estrutural. Tradução de Beatriz Perrone-Moisés. COSACNAIFY, São Paulo, 2008.

MOL, Annemarie. Ontological Politics. A Word and Some Questions. The Sociological Review, 47(1_suppl), 74–89, 1999. Disponível em: < https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/j.1467-954X.1999.tb03483.x>. Acesso: 11 mar 2020.

ORSUCCI, Andrea. O "sexto sentido" de Zaratustra, inesperado "sentido histórico": adquirir confiança com as linguagens de culturas diversas. Cadernos Nietzsche, Guarulhos/Porto Seguro, v. 39, n. 2, p. 49-75, mai/ago, 2018.Disponível em: < http://dx.doi.org/10.1590/2316-82422018v3902ao>. Acesso: 11 mar 2020.

PEIRANO, Mariza. A favor da etnografia. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

______. O encontro etnográfico. 1987. Laranjeiras, Tempo Brasileiro, 1987.

______. Etnografia não é método. Horizontes antropológicos, vol. 20, n. 42, Porto Alegre, jul-dez, 2014. Disponível em: . Acesso: 22 jul. 2019.

SCIRÉ, Cláudia. Uma etnografia multissituada das práticas populares de consumo. Plural, Rev. do programa de Pós-graduação em Sociologia da USP, São Paulo, v. 16, n. 1, pp. 93-109, 2009. Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/plural/article/view/75210>. Acesso: 7 nov. 2019.

VARELA, Sergio Armando González. Antropología y el estudio de las ontologías a principios del siglo XXI: sus problemáticas y desafíos para el análisis de la cultura. Estudios sobre las Culturas Contemporáneas, Época III. Vol. XXI. Número 42, Colima, invierno 2015, pp. 39-64.

VENKATESAN, Soumhya. Ontology is just another word for culture. Critique Anthropology, v 30 (2), 152-200, 2010 [2008]. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/010e/336bcd1c0db010b20dccd8ee4eb87fab7bdd.pdf. Acesso: 11 mar. 2020.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. “O nativo relativo”. MANA, v 8(1), p. 113-

, 2002. Disponível em: . Acesso: 9 set 2018.

______. Who is Afraid of the Ontological Wolf? Some comments on an ongoing anthropological debate. The Cambridge Journal of Anthropology, 33 (1), Spring, p. 2-17, 2015. Disponível em: < https://www.berghahnjournals.com/view/journals/cja/33/1/ca330102.xml > Acesso: 11 mar 2020.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.