Em tempos de pandemia, qual o lugar do sagrado? Uma breve análise etnográfica sobre a agência de atores religiosos em Pelotas (RS)

Isabel Soares Campos

Resumo


A partir da emergência da pandemia provocada pelo novo coronavírus que demandou medidas preventivas em relação à proliferação do vírus como o distanciamento social, observou-se nos mais diversos âmbitos da sociedade, uma certa adaptação e ressignificação nas suas relações sociais. Diante desse contexto, tornou-se notório uma significativa produtibilidade através de diferentes usos da internet como um espaço de interação social para atividades que foram interrompidas de serem presenciais, como ocorrido com as atividades religiosas, as quais parecem terem encontrado no meio virtual um novo fazer religioso. Proponho neste artigo, apresentar comparativamente a agência de dois atores religiosos de matrizes distintas, um afro-religioso e outro pentecostal, para refletir sobre a presença pública religiosa no espaço virtual.


Texto completo:

PDF

Referências


BURITY, Joanildo. 2008. Religião, política e cultura. Tempo social, revista de sociologia da USP, n. 2, vol. 20:83-113.

_______________. 2015. A CENA DA RELIGIÃO PÚBLICA. Revista Novos Estudos, CEBRAP, n. 102:89-105.

BUTLER, Judith. 2018. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. 1ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

CAMPOS, Isabel Soares. 2015. Os Prazeres do Balneário, sob as bênçãos de Yemanjá: Religiões Afro-brasileiras e espaço público em Pelotas (RS). Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Programa de Pós-graduação em Antropologia, Universidade Federal de Pelotas.

CORRÊA, Norton Figueiredo. 2006. O Batuque do Rio Grande do Sul: antropologia de uma religião afro-riograndense. 2. ed. São Luís: Editora Cultura & Arte.

HABERMAS, Jürgen. 2014. Mudança estrutural da esfera pública: investigações sobre uma categoria da sociedade burguesa. 1. ed. São Paulo: Editora Unesp.

MARIANO, Ricardo. 1996. OS NEOPENTECOSTAIS E A TEOLOGIA DA PROSPERIDADE. Revista Novos Estudos, CEBRAP, n.44:24-44.

MONTERO, Paula. 2012. Controvérsias religiosas e esfera pública: repensando as religiões como discurso. Religião & Sociedade, Rio de Janeiro, v. 32:15-30.

________________. 2018. Fazer religião em público: encenações religiosas e influência pública. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 24, n. 52:131-164.

ORO, Ari Pedro. 2002. Religiões Afro-Brasileiras do Rio Grande do Sul: Passado e Presente. Estudos Afro-Asiáticos, Ano 24, n. 2:345-384.

______________. et al. 2017. O Sacrifício de Animais nas Religiões Afro-Brasileiras. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, 37(2): 229-253.

TAVARES, Fátima Regina Gomes. 2012. “Religião, festa e ritual como agenciamentos possíveis”. In PEREZ, Léa Freitas & AMARAL, Leila & MESQUITA, Wania (orgs): Festa como perspectiva e em perspectiva, pp. 119-130. Rio de Janeiro: Garamond.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.