PRÉSTITO DE ENCONTRO: Nos caminhares da religiosidade popular

Rondinell Aquino Palha

Resumo


Na Cidade de São Caetano de Odivelas, no Estado do Pará, na Amazônia brasileira, realiza-se todos os anos, durante a sexta-feira santa, o dia em que se homenageia a Paixão de Cristo, na tradição religiosa cristã, a “Procissão do Encontro”, que consiste em duas procissões: uma com a imagem de Nosso Senhor dos Passos e a outra com a imagem de Nossa Senhora das Dores. A imagem de Jesus carregando a cruz, em sofrimento, destaca o drama ritualístico realizado anualmente no período da semana santa, a narrativa mítica que aproxima humano e “deus”, fornecendo um “conjunto de representações das relações do mundo e da humanidade com os seres invisíveis” (LABHURTE-TOLRA, 2010, p.204), agora “visíveis” pelo mito, como uma “ordenação racional. Ele situa o homem em seu lugar no universo graças a um sistema de referências no interior do cosmo” (idem). O sentindo da religiosidade garante que, a cada ano, esse rito cristão, possa ser reeditado com ampla participação da comunidade, garantindo o equilíbrio necessário para o “caos” da vida, atualizando-se ciclicamente a “fundação” sagrada do mundo: “a revelação de um espaço sagrado permite que se obtenha um ‘ponto fixo’, possibilitando, portanto, a orientação na homogeneidade caótica, a ‘fundação do mundo’, o viver o real” (ELIADE, 1992, p.27). Na pequena capela de Nsa. Sra. Do Perpétuo Socorro, pessoas da comunidade oram e cantam ladainhas, antes do início do préstito. Durante o trajeto, nos deparamos com práticas diárias se misturando ao extraordinário do sagrado representado na procissão. A banda musical, composta por jovens, executa cantos religiosos, proporcionando mais ainda a participação e o envolvimento passional com o ritual religioso pela voz. A proximidade entre o humano e o sagrado fica evidente quando, a imagem de Nosso Senhor dos Passos, é protegido, da chuva, por uma capa, em virtude do fim do inverno amazônico, estação de chuvas, em ato muito significativo, uma vez que, essa atitude, “humaniza” a imagem. O ápice do ritual acontece às margens do Rio Mojuim, quando há o encontro das imagens de Nosso Senhora dos Passos e de Nossa Senhora das Dores. Neste ato, o esforço físico, o choro e a contrição ficam manifestos no semblante de cada participante da comunidade, em uma catarse que garante a perpetuação desse ritual religioso na Cidade de São Caetano de Odivelas, a cada prenúncio do verão amazônico

Texto completo:

VÍDEO

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Revista AntHopológicas Visual
AV. Prof. Moraes Rêgo, 1.235. 13° andar
Cidade Universitária
50.670-901 - Recife - PE - Brasil
Tel.: (55) (81) 2126-8286 | Fax: (55) (81) 2121-8282
E-mail: anthropologicas@ufpe.br