Primary healthcare: stigma against individuals with mental disorders

Ana Paula Carvalho Cassiano, João Fernando Marcolan, Daniel Augusto da Silva

Abstract


ABSTRACT

Objective: to reflect on the relationship between patients with mental disorders and nurses in primary healthcare units. Method: this is a qualitative and reflective study originating from the reflections and questions about the involvement and the way nurses working in primary healthcare units provide healthcare to psychiatric patients in a municipality of the State of São Paulo, Brazil. Results: it was observed that the stigma of mental disorder has been the focus of increasing attention in the last years and, in addition, an important factor for individuals with mental disorders, given that it generates suffering due to self-esteem issues and impact on life quality. It was found that social stigma is a reality that also belongs to nurses, who should change this reality. It is necessary to promote the social inclusion of these patients, with the right to quality healthcare, respect, and ethics. Conclusion: there was estrangement and stigma in the healthcare provided to individuals with mental disorders in the context of primary healthcare. It should be emphasized that nurses need to seek strategies to create this link with individuals with mental disorders, and influence the nursing team to adopt this behavior. Descriptors:  Social Stigma; Prejudice; Mental Disorders; Nursing Care; Psychiatric Nursing; Primary Healthcare. 

RESUMO

Objetivo: refletir a relação entre pacientes portadores de transtornos mentais e enfermeiros, pelo atendimento nas unidades de atenção primária à saúde. Método: trata-se de estudo qualitativo, do tipo reflexivo, originário das reflexões e questionamentos em torno do envolvimento e maneiras como enfermeiros de unidades de atenção primária à saúde prestam atendimento a pacientes psiquiátricos em município do Estado de São Paulo. Resultados: notou-se que o estigma do transtorno mental tem sido alvo de crescente atenção nos últimos anos e é um importante fator para o indivíduo com transtorno mental, dado que gera sofrimento pelas questões de autoestima e reflexos na qualidade de vida. Constatou-se que o estigma social é uma realidade que também pertence aos enfermeiros, cabendo aos mesmos a mudança dessa realidade, sendo necessária adesão a inclusão social desses pacientes, com direito a atendimento de qualidade, respeito e ética. Conclusão: conclui-se que é claro o distanciamento e estigma no atendimento a indivíduos com transtornos mentais no contexto da atenção primária à saúde. Enfatiza-se que o enfermeiro deve procurar estratégias para a criação desse vínculo com indivíduos com transtornos mentais e influenciar a equipe na adoção desse comportamento. Descritores: Estigma Social; Preconceito; Transtornos Mentais; Cuidados de Enfermagem; Enfermagem Psiquiátrica; Atenção Primária à Saúde. 

RESUMEN

Objetivo: reflexionar sobre la relación entre pacientes con trastornos mentales y enfermeros en unidades de atención primaria de salud. Método: se trata de un estudio cualitativo, del tipo reflexivo, producto de las reflexiones y cuestionamientos sobre la participación y modos como enfermeros de unidades de atención primaria de salud atienden a pacientes psiquiátricos en un municipio del Estado de São Paulo, Brasil. Resultados: se ha notado que el estigma del trastorno mental ha sido objeto de una creciente atención en los últimos años y es un importante factor para individuos con trastornos mentales, dado que genera sufrimiento por cuestiones de autoestima e impactos en la calidad de vida. Se constató que el estigma social es una realidad también perteneciente a los enfermeros, correspondiendo a ellos el cambio de esa realidad y siendo necesaria la adhesión a la inclusión social de esos pacientes, con derecho a atención de calidad, respeto y ética. Conclusión: se concluye que es claro el distanciamiento y estigma en la atención a individuos con trastornos mentales en el contexto de la atención primaria de salud. Los enfermeros deben buscar estrategias para crear ese vínculo con individuos con trastornos mentales e influir para que el equipo adopte ese comportamiento. Descriptores: Estigma Social; Prejuicio; Trastornos Mentales; Atención de Enfermería; Enfermería Psiquiátrica; Atención Primaria de Salud.


Keywords


Estigma Social; Preconceito; Transtornos Mentais; Cuidados de Enfermagem; Enfermagem Psiquiátrica; Atenção Primária à Saúde.

References


Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal; 1988.

Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, 19 Set 1990.

Portaria nº 2.436, de 21 de setembro de 2017. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes para a organização da Atenção Básica, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, 22 Set 2017.

Ferreira SRS, Périco LAD, Dias VRGF. The complexity of the work of nurses in Primary Health Care. Rev. bras. enferm. 2018; 71(Supl 1):704-9. Doi: 10.1590/0034-7167-2017-0471

Simões WMB, Moreira MS. A importância dos atributos: acolhimento, vínculo e longitudinalidade na construção da função de referência em saúde mental na atenção primária à saúde. Enferm. rev. [Internet]. 2013 [cited 2017 out 1]; 16(3):223-39. Available from: http://periodicos.pucminas.br/index.php/enfermagemrevista/article/view/12894

Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Diário Oficial da União, 9 Abr 2001.

Paiva PC, Torrenté MON, Landim FLP, Branco JGO, Tamboril BCR, Cabral ALT. Sofrimento psíquico e a abordagem da comunidade na voz do agente comunitário de saúde. Rev. Esc. Enferm. USP. 2016; 50(n.esp):139-44. Doi:10.1590/S0080-623420160000300020

Cassiano APC, Silva RG, Almeida CL, Silva DA. Percepção dos enfermeiros frente ao atendimento a portadores de transtorno de bordeline. Nursing (São Paulo) [Internet]. 2016 [cited 2017 out 1]; 19(220):1381-5. Available from: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=BDENF〈=p&nextAction=lnk&exprSearch=29228&indexSearch=ID

Ronzani TM, Soares RG, Nery FC, Silveira PS. Brazilian cross-cultural adaptation of the “stigma scale of internalized mental illness - ismi-br”. Gerais, Rev. Interinst. Psicol. [Internet]. 2017 [cited 2018 out 1]; 10(1):25-34. Available from: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-82202017000100004

Silva JJ, Carvalho JCM. Pontes para a inclusão: O combate ao estigma na doença mental. R. Pró-Uni. [Internet]. 2017 [cited 2018 out 1]; 8(2):47-51. Available from: http://editora.universidadedevassouras.edu.br/index.php/RPU/article/view/984/865

Thornicroft G, Mehta NMBBS, Clement S, Evans-Lacko S, Doherty MMBBS, Rose D, et al. Evidence for effective interventions to reduce mental-health-related stigma and discrimination. Lancet. 2016; 387(10023):1123-1132. Doi: 10.1016/S0140-6736(15)00298-6

Weber CAT, Juruena MF. Paradigmas de atenção e estigma da doença mental na reforma psiquiátrica brasileira. Psicol. Saúde doenças. 2017; 18(3):640-56. Doi: 10.15309/17psd180302

Jorge MR. Concepções populares e estigma relacionados às doenças mentais. Nova perspect. sist. [Internet]. 2013 [cited 2018 out 1]; 22(46):8-19. Available from: http://www.revistanps.com.br/nps/article/view/110

Mathew CP. Impact of internalized stigma on life satisfaction of persons with mental illness. Indian J Appl Res [Internet]. 2017 [cited 2018 out 1]; 7(10):574-7. Available from: https://wwjournals.com/index.php/ijar/article/view/8390/8329

Silva APM, Pereira CB, Souza SLP, Almeida SKM, Pereira SE, Santos PI et al. Mental health in the work of Nurse the Primary Care of a municipality in Brazil. Rev Cuba Enf [Internet]. 2015 [cited 2018 set 29]; 31(1)1-14. Available from: http://www.medigraphic.com/cgi-bin/new/resumen.cgi?IDARTICULO=62072

Pereira AA, Reinaldo AMS, Andrade DCL. Proposta educativa em saúde mental para enfermeiros da atenção primária à saúde. Sanare (Sobral, Online) [Internet]. 2015 [cited 2018 out 1]; 14(2):17-26. Available from: https://sanare.emnuvens.com.br/sanare/article/view/820

Barbiani R, Nora CRD, Schaefer R. Nursing practices in the primary health care context: a scoping review. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2016; 24:e2721 Doi: 10.1590/1518-8345.0880.2721

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório sobre saúde no mundo 2001. Saúde mental: nova concepção, nova esperança. Genebra: OMS; 2001.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Integração da saúde mental nos cuidados de saúde primários. Uma perspectiva global. Portugal: OMS; 2009.

Pacheco SUC, Rodrigues SR, Benatto MC. The importance of CAPS user empowerment for (re)construction of your life project. Mental [Internet]. 2018 [cited 2018 out 1]; 12(22):72-89. Available from: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-44272018000100006

Merces AMF, Souza BML, Silva TL, Silva TTM, Cavalcanti AMTS. Práticas de enfermagem em saúde mental na estratégia de saúde da família: revisão integrativa. Cogitare enferm. 2015; 20(2):417-25. Doi: 10.5380/ce.v20i2.38560

Gryschek G, Pinto AAM. Saúde Mental: como as equipes de Saúde da Família podem integrar esse cuidado na Atenção Básica. Ciênc. Saúde Colet. 2015; 20(10):3255-62. Doi: 10.1590/1413-812320152010.13572014.

Sousa ABS, Oliveira LKP, Schneid JL. Acolhimento realizado na atenção básica pela equipe de enfermagem ao paciente portador de transtorno mental: uma revisão teórica. Amazôn. (Gurupi). 2016; 4(3):43-8. Doi: 10.18606/2318-1419/amazonia.sci.health.v4n3p43-48

Czarnobay J, Brusamarello T, Capistrano FC, Marin MJS, Nimtz MA, Maftum MA. Uso de psicofármacos pelo portador de transtorno mental: percepções do enfermeiro. Cogitare enferm. 2018; (23)1:e52149. Doi: 10.5380/ce.v23i1.52149

Matos JC, Oliveira ACS, Chaves AS, Ferreira FDS, Henriques MVM, Alvarenga EVA. A percepção do enfermeiro sobre suas ações em saúde mental na estratégia saúde da família. Rev. Eletrônica Gest. Saúde. 2015; 6(3):2761-72. Doi: 10.18673/gs.v6i3.22413

Miyai FT, Barros S, Cortes JM. Nursing students and mental health education in primary care. Rev. gaúch. enferm. 2013; 34(4):94-101. Doi: 10.1590/1983-1447.2014.01.37887

Costa FRM, Lima VV, Silva RF, Fioroni LN. Challenges of matrix support as educational practice: mental health in primary healthcare. Interface (Botucatu). 2015; 19(54):491-502. Doi: 10.1590/1807-57622013.0816

Santos JC, Barros S, Santos IMM. Stigma: The Perspective of Workers on Community Mental Health Services— Brazil. Glob Qual Nurs Res. 2016; 3:1-9. Doi: 10.1177/2333393616670442

Bussinguer EC, Arantes ML. O estigma da loucura como fator usurpador da dignidade humana: uma análise na perspectiva do direito à saúde. Interfaces Cient. Direito. 2016; 4(2):9-20. Doi: 10.17564/2316-381X.2016v4n2p9-20

Amorim AKMA, Dias MA, Costa MLF, Araújo AC, Ferreira DS. Práticas corporais e desinstitucionalização em saúde mental: desafios e possibilidades. Estud. psicol. (Natal). 2017; 22(1):39-49. Doi: 10.5935/1678-4669.20170005




DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963.2019.239668



 

INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS:

doaj

capes bvs ebesco elsevier nlm diadorim periodicaabec

 

cinahl citefactor cuidenplusb socolar ulrichs sumarios

 

Licença Creative Commons

All the contents of this journal, except where otherwise noted, is licensed under a Creative Commons Attribution License