ENFERMAGEM E HIGIENIZAÇÃO NO GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DE SAÚDE

Raphisa Xavier Hoffmann, Laís Santos Santana, Vera Lucia Freitas

Resumo


Objetivo: analisar o conhecimento dos profissionais da equipe de Enfermagem e de higienização sobre o manejo dos resíduos sólidos dos serviços de saúde. Método: trata-se de um estudo quantitativo, descritivo, exploratório. Utilizaram-se para a coleta de dados dois questionários, um para a equipe de Enfermagem com 53 integrantes e outro para a equipe de limpeza com 21 integrantes, abordando questões pertinentes a cada categoria profissional. Calcularam-se as frequências relativas e absolutas das respostas para fins de mensuração e comparação.  Resultados: observou-se, um nível de acertos alto de ambos os grupos entrevistados, que pode estar associado ao fato de a instituição manter, no seu Plano de Gerenciamento de Resíduos de Saúde, um programa de educação continuada, independentemente do tipo de vínculo empregatício dos trabalhadores. Conclusão: conclui-se que o conhecimento dos profissionais envolvidos sobre a prática correta do gerenciamento de resíduos de saúde demonstrou-se satisfatório e aqui destacam-se os profissionais de limpeza, por vezes, negligenciados. Pontua-se que não se pode negar o impacto desse trabalho conjunto nos custos da instituição, na saúde dos trabalhadores e na preservação do meio ambiente.


Palavras-chave


Resíduos de serviços de saúde; Educação Continuada em enfermagem; Gerenciamento de Resíduos; Controle de Infecção; Saúde do trabalhador; Riscos ocupacionais.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde / Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. – Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em http://anvisa.gov.br/servicosaude/manuais/manual_gerenciamento_residuos.pdf.

Fundação Estadual do Meio Ambiente. Manual de gerenciamento de resíduos de serviços de saúde. Belo Horizonte, 2008. 88p. Disponível em http://feam.br/images/stories/2015/RSS/manual%20de%20gerenciamento%20de%20rss_feam.pdf.

Moreira AMM, Günther WMR. Solid waste management in primary healthcare centers: application of a facilitation tool. Rev Latino-Am Enfermagem. V. 24. 2016. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/27556874.

Rumi NA, Sultana R, Luby SP, Islam MS, Uddin M, Hossan MJ et al. Infrastructure and Contaminations of the Physical Enviroment in Three Bangladeshi Hospitals. Putting Infection Controls intro Context. PLOS ONE. 2014. Disponível em https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0089085#s4.

Brasil. Ministério da Saúde. Agencia Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) nº 222, de 28 de março de 2018. Brasília: ANVISA. 2018. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2018/rdc0222_28_03_2018.pdf.

Gupta NK, Shukla M, Tyagi S. Knowledge, attitude and practices of biomedical waste management among health care personnel in selected primary health care centres in Lucknow. International Journal of Community Medicine and Public Health. 2016. P 309-313. Disponível em http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6420739.

Abrelpe. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2017. São Paulo SP. Setembro, 2018. Disponível em http://abrelpe.org.br/panorama/.

Matos MCB, Oliveira LB, Queiroz AAFLN, Sousa AFL, Valle ARMC, Andrade D et al. Conhecimento de profissionais da Enfermagem sobre o gerenciamento de resíduos produzidos na atenção primária. Revista brasileira de enfermagem. 2018. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672018001202728&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt.

Machado MH, Filho WA, Lacerda WF, Oliveira E, Lemos W, Wermelinger M et al. Características gerais da enfermagem: o perfil sócio demográfico. Fiocruz/Cofen. Enfermagem em Foco. V. 7, P. 09-14, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em http://biblioteca.cofen.gov.br/wp-content/uploads/2016/07/Caracter%C3%ADsticas-gerais-da-enfermagem-o-perfil-s%C3%B3cio-demogr%C3%A1fico.pdf.

André SCS, Veiga TB, Takayanagui AMM. Geração de Resíduos de Serviço de Saúde em hospitais do município de Ribeirão Preto, SP, Brasil. Revista de Engenharia Sanitária e Ambiental, v.21, n.1, p. 123 – 130. Jan, 2016. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-41522016000100123.

Sá ACMGN, Ferreira ERRO, Xavier JC, Alves CM. Contribuições da Educação Permanente para Qualificação da Assistência de Enfermagem em um Hospital Público. Revista brasileira de ciências da Saúde. Vol. 22(1): p. 87-94, 2018. Disponível em http://docs.bvsalud.org/biblioref/2018/03/880997/contribuicoes-da-educacao-permanente-para.pdf.

Almeida JRS, Bizerril DO, Saldanha KGH, Almeida MEL. Educação Permanente em Saúde: uma estratégia para refletir sobre o processo de trabalho. Revista da ABENO. Vol. 16, n. 2, p. 7-15, 2016. Disponível em https://revabeno.emnuvens.com.br/revabeno/article/view/248/209.

Carvalho BM, Prata-Alonso RR. Segurança do trabalhador no gerenciamento de resíduos sólidos. Revista eletrônica de educação da Faculdade Araguaia. Vol. 11, p. 261-283, 2017. Disponível em https://pdfs.semanticscholar.org/aa95/d4bfd57edb1dd58021ec912e92059c5af8ed.pdf.

Kuchibanda K, Mayo AW. Public Health Risks from Mismanagement of Healthcare Wastes in Shinyanga Municipality Health Facilities, Tanzania.Scientific World Journal. 2015. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4686721/.




DOI: https://doi.org/10.5205/1981-8963.2021.244428



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

INDEXADORES E BASES BIBLIOGRÁFICAS:

 doajPeriódicoscapes

bvs elsevier nlm diadorim periodicaabec

 

cinahl citefactor cuidenplusb socolar ulrichs sumarios