DIFERENTES PERSPECTIVAS TEÓRICO-METODOLÓGICAS SOBRE O TERMO SEGREGAÇÃO

Franciele Miranda Ferreira Dias

Resumo


O estudo da segregação, seja residencial, socioespacial ou social, iniciou-se involuntariamente através de autores como Engels (1975). O interesse pelo tema e a evolução de conceituação intensificaram-se a partir do momento em que as cidades tornaram-se espaços de diferenciação sociais mais acentuadas, tornando-se perceptível que as classes sociais de maior poder aquisitivo separaram-se, quanto à localização de suas residências no espaço urbano, daquelas classes sociais de menor poder aquisitivo, sendo perceptível através das diferentes teorias sobre segregação, que a localização das distintas classes sociais altera-se com o decorrer do tempo. Essas mudanças são expressas através de diferentes enfoques teóricos-metodológicos, sendo o objetivo do presente antigo, demonstrar essas mudanças. Analisa-se distintos momentos históricos e como os estudos sobre o tema segregação foram realizadas, destacando que, embora muitos autores que trataram inicialmente do tema não sejam geógrafos, é nítido que a segregação pode ser estudada pela geografia, uma vez que procura-se com esses estudos analisar espaços urbanos mais valorizados e também a disposição das diferentes classes sociais nos mesmos. Nesse sentido, procura-se contribuir com um resgate teórico sobre como a segregação tem sido estudada com o decorrer do tempo, para as cidades ocidentais. 

Texto completo:

PDF () PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES E BASE DE DADOS

 

DOAJ
ROADDRJI

PERIÓDICOS CAPES

 

 

 

Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos: a) Autores mantém os direitos autorais e concedem à  revista o direito de primeira publicação, com o trabalho licenciado sob a Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional. b) Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal), já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado. c) Em virtude de aparecerem nesta revista de acesso público, os artigos são de uso gratuito, com atribuições próprias, em aplicações educacionais e não-comerciais.